Bailarina potiguar volta a cena com espetáculo autoral aclamado

Publicação: 2021-01-20 20:28:00
O solo (EU)Fêmea foi pensado estruturalmente, coreograficamente e cenicamente pela autora e intérprete Rozeane Oliveira no ano de 2016, com ele, participou de alguns festivais e foi indicada ao Troféu Cultura como melhor espetáculo e melhor bailarina no ano de 2017.

Créditos: ARQUIVO/TN

O espetáculo evidencia um ser que se transpõe, um ser que se atravessa. A obra autoral tem a força da transformação, evolução e transbordamento. No decorrer da performance a bailarina-intérprete faz uma longa viagem a camada mais profunda do próprio ser, para então alcançar uma unidade de consciência total do ser. 

A dança artística se ambienta em uma uma confluência de paradigmas, onde a bailarina entretece, destece e põe em tensão o que chama dO SER MULHER. Este SER que está em constante mutação que sublinha ora a precariedade e o nomadismo da consciência e da existência, ora as aleluias e as agonias desse ser. 

Rozeane carrega para si o empoderamento e firmeza do seu EU que impulsiona a Fêmea no íntimo do olhar. São experimentações levadas à cena, encarando o processo enquanto obra, além de inquietações íntimas que a intérprete/criadora compartilha com o espectador. 

O solo será exibido no dia 22 de janeiro às 19 horas no YOUTUBE, Instagram (@rozeaneolli / @coletivocida) e Facebook da artista e do Coletivo CIDA–Coletivo Independente Dependente de Artistas.

Este projeto foi contemplado pela Lei Emergencial Aldir Blanc, pela Prefeitura Municipal do Natal, Funcarte e Governo Federal.

FICHA TÉCNICA  
Concepção e coreografia: Rozeane Oliveira 
Direção artística: Rozeane Oliveira
Colaboradores: Álvaro Dantas, Daniel Silva, Thiago Medeiros e René Loui. 
Trilha sonora: Estúdios Megafone 
Fotografia: Brunno Martins 
Produção executiva: Raquel Lucena 
Assistente de produção: Arthur Moura 
Iluminação: David Costa 
Realização: CIDA - Coletivo Independente Dependente de Artistas











Leia também: