Bancada do RN tem um voto declarado no Senado

Publicação: 2021-01-17 00:00:00
Com o mesmo peso de votos de todos os 27 estados do país (três senadores cada um), a bancada do Rio Grande do Norte só tem, até o momento, um voto declarado para a eleição do presidente do Senado da República no dia 1º de fevereiro: o senador Jean Paul Prates (PT) acompanha a decisão nacional do seu partido de apoiar o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que tem o apoio do atual presidente da Casa, Davi Alcolumbe (DEM-AP).

Créditos: ARQUIVO TNStyvenson Valentim afirma que está ouvindo os candidatosStyvenson Valentim afirma que está ouvindo os candidatos

A duas semanas das eleições da mesa do Senado, os outros dois senadores potiguares - Zenaide Maia (PROS) e Styvenson Valentim (PODE) ainda estão indecisos. 

Créditos: Adriano AbreuJean Paul afirma que Rodrigo Pacheco prometeu independênciaJean Paul afirma que Rodrigo Pacheco prometeu independência

O senador Jean P. Prates já havia comentado nas redes sociais, no começo da semana, que "os compromissos assumidos pelo candidato quanto à postura independente e a defesa de princípios fundamentais para o PT guiaram esta decisão". 

Créditos: Reprodução/InstagramZenaide Maia disse que “estuda em quem vai votar” Zenaide Maia disse que “estuda em quem vai votar”

Para o senador Jean P. Prates, "o Congresso Nacional é um poder independente e, por mais que se esforce por manifestar eventuais preferências para tentar influenciar o processo, o Poder Executivo não deve influir, muito menos servir de referência para caracterizar a escolha da presidência do Legislativo".

Assim, disse o senador Prates, já na segunda-feira (11), quando o PT anunciou apoio ao candidato do partido Democratas,  que a decisão partidária "não levou em conta de terceiro interessado quanto a ser este (ou ele mesmo) o “candidato de Bolsonaro”. “Para nós, importa a garantia efetiva da independência da instituição e do direito de exercermos a defesa de nossas causas”, acrescentou. 

O senador Styvenson Valentim disse que não definiu seu voto, "porque está ouvindo ainda os candidatos". Ele afirmou que ja conversou com a candidata do MDB à presidência do Senado, Simone Tebet (MS) e também confirmou vinda a Natal do senador Rodrigo Pacheco, mas não precisou a data, para conversar com ele, bem como pretende conversar com o senador Jorge Kajuru (PSD-GO), que faz parte do movimento "Muda Senado", que conta com 18 senadores.
Styvenson Valentim informou que um dos critérios para escolha do seu candidato a presidente, é saber dele "se vai ainda aceitar ou tolerar que a Câmara dos Deputados dite a pauta" durante a votações de projetos no Congresso Nacional. 

Valentim cobra também uma posição do eventual candidato que venha apoiar, "se vai persistir ou continuar com a obscuridade de prestar contas com as empresas que são terceirizadas, que é um custo muito alto e ninguém sabe dizer quanto se gasta".

Para Valetim, o candidato a novo presidente do Senado "tem um grande desafio", que é tratar os 83 senadores "de forma igualitária e democrática" dentro das Comissões e considerando o mesmo espaço de proporcionalidade entre os partidos com representação na Casa: "Aí não estou falando de trocar cargos, que não preciso disso, o novo presidente do Senado tem um grande desafio agora, nem todo senador é bobo não. Então, não adianta prometer o que não vai cumprir".

A TRIBUNA DO NORTE também procurou a senadora Zenaide Maia, mas a informação obtida é que ela "continua estudando em quem vai votar".  No dia 6 de janeiro, o partido dela já havia fechado apoio a Rodrigo Pacheco, com o apoio dos senadores Fernando Collor (PROS-AL) e Telmário Mota (PROS-RR).