Banco do Brasil ofertará R$ 3,7 bilhões pelo Pronampe a pequenos negócios

Publicação: 2020-07-02 00:00:00
A+ A-
O Banco do Brasil prevê a oferta de R$ 3,7 bilhões em crédito para mais de 180 mil microempreendedores individuais (MEI) e pequenas empresas. A instituição financeira apresentação, nesta quarta-feira (1), o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), linha de crédito criada especialmente para atender os pequenos negócios, no âmbito do BB. Entre as condições oferecidas, estão carência de oito meses, juros baseados na taxa Selic + 1,25% a.a., sem tarifa de abertura de crédito e sem contratação de prestamista. O lançamento aconteceu durante live com o presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, e o vice-presidente de Negócios de Varejo, Carlos Motta.

O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, afirmou que a instituição está preparada para atender os empreendedores que precisam de crédito para dar continuidade às suas atividades. “Nossa orientação aos gerentes é que não esperem os empresários nos procurarem, precisamos estar próximos do cliente e ofertar a melhor condição de crédito nesse momento de pandemia. O Banco do Brasil quer estar ao lado dos empreendedores nesse movimento de retomada das atividades”, disse ele.

De acordo com Novaes, já existem 45 mil novos contratos aprovados para socorrer os pequenos negócios através do Pronampe. “A sensação de escassez do crédito leva as pessoas a pensarem que os bancos estão segurando o crédito, mas isso não é verdade. O que acontece é que muitos setores, em extrema dificuldade com a crise, procuraram por empréstimos, o que gerou um grande aumento no volume de pedidos. A proposta do Banco do Brasil é liberar esses recursos para manter a saúde das empresas e ajudar na retomada do crescimento da economia do país”, acrescentou.

Na Caixa Econômica Federal a oferta de empréstimos a micro e pequenas empresas por meio do Pronampe superou R$ 1 bilhão com juros de 1,25% ao ano mais o percentual da Taxa Selic, atualmente 2,25% ao ano. A   nova linha, que  começou a ser operacionalizada no dia 16 de junho, oferece empréstimos de até 30% da receita anual registrada em 2019. O banco público tem orçamento de R$ 3 bilhões para operar a linha, mas pode ampliá-lo caso haja demanda, de acordo com o presidnete do Banco, Pedro Guimarães.

Segundo o banco estatal, principal operador da linha, mais de 16 mil empresas fecharam negócio desde o dia 16. O Pronampe é uma das apostas do governo Bolsonaro para destravar os empréstimos neste segmento e apoiar empresas e empreendedores individuais afetados pelos efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus. A Lei do Promampe foi promulgada no dia 18 de maio.