'Banquetaço' pede volta do Consea, extinto em janeiro

Publicação: 2019-02-28 00:00:00 | Comentários: 1
A+ A-
Um protesto em forma de banquete tomou conta do estacionamento da Central de Comercialização da Agricultura Familiar e Economia Solitária (CECAFES) no início da tarde desta quarta-feira (27). Cozinheiros, cozinheiras e agricultores, juntamente com membros comunidades quilombolas e indígenas do Rio Grande do Norte organizaram um “banquetaço” que reivindica a volta do Consea, o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, extinto no início de janeiro por meio de uma Medida Provisória publicada pelo Governo Federal.

Protesto reuniu dezenas de pessoas na Central de Comercialização da Agricultura Familiar
Protesto reuniu dezenas de pessoas na Central de Comercialização da Agricultura Familiar

A mobilização nacional aconteceu simultaneamente em 40 municípios de 20 estados brasileiros, mas teve origem a partir de uma iniciativa potiguar, como explica a gastróloga Gabriela Sales, uma das coordenadoras do Banquetaço RN.

“A ideia de fazer um banquetaço para protestar contra o fim do Consea teve início em um grupo de pesquisas sobre culinária brasileira, e acabou se expandindo e sendo aderido em vários locais, se transformando em um grande ato nacional”, afirma Gabriela. De acordo com ela, o objetivo central da atividade é “sensibilizar para a importância do Conselho”. O modelo de protesto por meio do "banquetaço" surgiu em 2017, em São Paulo, quando agricultores, cozinheiros e nutricionistas se mobilizaram contra a "Farinata" proposta pelo então prefeito João Doria (PSDB).

Criado em 1994, o Consea tinha como tarefa monitorar as políticas públicas relacionadas à alimentação no Brasil, com participação de representantes do governo e da sociedade civil, esses últimos compondo dois terços do total de representantes do Conselho. O Conselho foi desativado em 1995, voltando a existir em 2003.

Refeições foram distribuídas gratuitamente
Refeições foram distribuídas gratuitamente

“Aqui temos quilombolas, indígenas, pesquisadores e profissionais das áreas de gestão de políticas públicas, nutrição, antropologia... A extinção do conselho afeta diretamente o direito do povo a uma alimentação digna”, afirma Gabriela. No total, cerca de 15 mil refeições foram distribuídas gratuitamente em toda a mobilização nacional, de acordo com os organizadores.

A iniciativa foi apoiada também por membros da cena cultural natalense, que se apresentaram durante o evento. O grupo de percussão Pau e Lata abriu o banquetaço, que também contou com apresentação circenses, discotecagens e shows da banda Ardu, Felipe Nunes, Zé Caxangá e Skarimbó.

A Medida Provisória 870, que reorganizou as estruturas da presidência e definiu também a extinção do Consea, tem 66 emendas que reivindicam a volta do Conselho, de um total de 541 emendas parlamentares. Um abaixo-assinado virtual também foi organizado, com mais de 30 mil assinaturas.

Entre algumas das ações feitas através da atuação do Consea, estão a criação do Programa de Cisternas, o Programa Nacional de Alimentação Escolar com a determinação de que 30% da alimentação seja de origem da agricultura familiar, a aprovação da Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica, a proposição da Política Nacional de Redução de Agrotóxicos e o Programa de Aquisição de Alimentos.











continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários

  • erivan.oliver

    Essa turma de bolsonaro acha que estão administrando uma empresa privada. Palhaços, irão afundar esse pais e ficará pior que a Venezuela. Então chegou a hora do povo dizer basta. Bolsonaro, completo IDIOTA.