Bolívia paralisa apuração e opositor pede marchas

Publicação: 2019-10-22 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
LA PAZ - O Tribunal Eleitoral da Bolívia cancelou ontem a chamada contagem rápida, procedimento estatístico criado para tentar prever o resultado das eleições no país. Esta apuração já havia sido suspensa na noite de domingo, com 83,7% das urnas contabilizadas. O presidente Evo Morales havia recebido então 45,28% dos votos e o opositor Carlos Mesa, 38,16% - o que levaria a eleição para o segundo turno.

A paralisação levantou suspeitas de fraude. Para vencer a eleição no primeiro turno, Evo precisaria de mais de 50% dos votos ou de manter 10 pontos porcentuais de vantagem sobre o segundo colocado. A apuração havia sido interrompida sem que o Tribunal Eleitoral desse qualquer explicação. O presidente, há 14 anos no poder, nunca disputou um segundo turno e confiava no voto das zonas rurais para resolver a disputa ainda no primeiro turno.

Mesa criticou a paralisação da apuração preliminar e pediu uma mobilização popular para exigir transparência nos resultados. "Quero denunciar que o governo está tentando evitar um segundo turno", disse o líder da oposição, que acusa do Tribunal Eleitoral de já ter o resultado de 100% da apuração.

Segundo Mesa, o órgão estaria segurando o resultado para poder alterá-lo, mostrando Evo com os 10 pontos porcentuais à frente que evitariam o segundo turno. O Tribunal Eleitoral se defende, dizendo que parou a contagem rápida porque a apuração oficial havia começado e não faria sentido investir tempo em um resultado provisório.

Ontem, o governo da Bolívia e uma missão de observação da Organização dos Estados Americanos concordaram em estabelecer uma "equipe de acompanhamento permanente" para a apuração. O chanceler boliviano, Diego Pary, confirmou a informação pelo Twitter.

A decisão foi anunciada depois que Mesa denunciou a tentativa do Tribunal Eleitoral de "manipular o resultado das eleições". "A partir de todas as contagens rápidas independentes, estamos no segundo turno com uma diferença inferior a 5 pontos porcentuais. O que está acontecendo é grave, ao ponto de observadores da OEA fazerem um alerta, perguntando por que a recontagem foi interrompida. Não podemos aceitar que se manipule um resultado que nos leva ao segundo turno, que deve ser realizado de qualquer maneira", disse Mesa.






continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários