Brasil aumenta capacidade instalada de eólica em 46%

Publicação: 2016-02-12 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O Brasil aumentou em 46% sua capacidade instalada de energia eólica em 2015, o que representou 2,754 Gigawatts (GW) em novas instalações. Com isso, passou a somar 8,72 GW de capacidade instalada e ficou na 10ª colocação entre os maiores produtores de energia eólica - mantendo o posicionamento de 2014 - no ranking TOP 10 eólico, elaborado pelo Global Wind Energy Council (GWEC). Parte desse volume ainda depende, porém, de conexões com rede de transmissão. O Rio Grande do Norte lidera a geração dessa fonte de energia entre os estados brasileiros.
Alex RegisParque eólico no RN: Estado lidera geração dessa energia no paísParque eólico no RN: Estado lidera geração dessa energia no país

A nova capacidade adicionada pelo Brasil correspondeu a 4,4% do total de novas instalações de geração de energia a partir dos ventos em todo o mundo. Segundo a entidade, em todo o mundo foram instalados 63,01 GW, o que correspondeu a um crescimento da ordem de 17%, atingindo 432,419 GW no final de 2015.

A China, que já é o país com maior capacidade instalada, respondendo por 33,6% do total, foi responsável pelo maior volume de novas instalações, 35,5 GW, ou 48,4% da capacidade adicionada no ano passado. EUA, com 8,6 GW de novas instalações, e Alemanha, com 6,01 GW, também se destacaram com aumento da capacidade.

Segundo a Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), os 8,72 GW instalados no Brasil representaram um investimento total acumulado superior a R$ 52 bilhões, com a geração de 130 mil empregos por toda a cadeia produtiva, e cerca 16 milhões de toneladas de CO2 evitadas.

“A quebra de recordes de novas instalações dos quatro grandes polos eólicos garantiu novamente posicionamentos mundiais significativos, permitindo ao Brasil demostrar sua consolidação, sustentabilidade e comprometimento com a fonte eólica”, disse Elbia Gannoum, Presidente Executiva da ABEEólica.

*Com informações do Estadão Conteudo

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários