Brasil tem 770 novas mortes por coronavírus em 24 horas

Publicação: 2020-07-14 00:00:00
A+ A-
O Brasil registrou 770 mortes e 21.783 novas infecções do novo coronavírus em 24 horas, segundo dados do levantamento realizado pelo Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL junto às secretarias estaduais de Saúde. Com isso, o total de óbitos é de 72.921 e o de contaminações, de 1.887.959. O Mato Grosso foi o único Estado a não divulgar os números de novos casos e óbitos, até às 20h de ontem.

A contagem de casos e mortes por covid-19 no Brasil tende a desacelerar nos finais de semana e segundas, quando há um atraso nas notificações, e ganhar ritmo ao longo da semana, conforme os testes são processados.

Liderando o ranking brasileiro de mortes e casos, São Paulo confirmou 2.610 novos casos e 57 mortos por coronavírus em 24 horas. O governo João Dória (PSDB), no entanto, aponta queda pela terceira semana consecutiva no número de óbitos e afirma que o Estado atingiu taxa de letalidade de 4,8%, a menor desde o início da pandemia.

Segundo dados do governo, São Paulo registrou, ao todo, 374.607 diagnósticos e 17.907 mortes por coronavírus. Nas últimas 24 horas, no entanto, o crescimento foi de 0,7% e 0,3%, respectivamente.

Além de São Paulo, outros 12 estados já ultrapassaram a marca de mil mortes pela covid-19. O estado do Rio de Janeiro é o segundo com mais óbitos, com 11.474 vítimas da doença. Se fosse um país, o Estado do Rio seria o 20º do mundo com mais infectados.

Mundo
A América Latina e o Caribe se tornaram ontem a segunda região do mundo com o maior número de mortos na pandemia do novo coronavírus depois da Europa, enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) avaliou que a velha normalidade não voltará "em um futuro previsível". O Brasil é o país mais afetado da região, com 72.921 mortes e mais de 1,8 milhão de casos de infecção, incluindo o presidente Jair Bolsonaro.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou ontem, que alguns países não têm aplicado as recomendações básicas de saúde para controle do novo coronavírus e que, caso essa situação continue, o quadro geral da pandemia vai piorar.

"Deixe-me ser direto: muitos países estão na direção errada. O vírus permanece como inimigo público número 1, mas a ação de muitas pessoas e governos não reflete isso", disse Tedros.