Cápsula do tempo é enterrada em escola municipal

Publicação: 2019-09-22 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Alunos e professores de uma escola pública de Natal encontraram uma forma diferente de registrar a memória e almejar os sonhos de um futuro não tão próximo. Em uma “cápsula do tempo", os estudantes da Escola Municipal Ascendino de Almeida, na zona Sul de Natal, escreveram memórias em cartas, fotos e objetos que serão reabertos em 2044, no aniversário de 50 anos da unidade.

Segundo os diretores da escola, a ideia surgiu com o objetivo de preservar a história da escola e mostrar como era a unidade no ano de 2019, que comemorou o Jubileu de Prata no último dia 9 de setembro. “Essa cápsula, o que ficamos mais feliz com ela, é que ela nos trouxe uma reflexão dos 25 anos que passaram. Todo mundo abraçou.  Nessa cápsula a gente refletiu se daqui há 25 anos estaríamos aqui. Deixamos um marco histórico para essa geração que está vindo e pretendemos acompanhar”, disse Mintza Idesis, diretora pedagógica e idealizadora.
Cápsula do tempo, enterrada ontem na escola Ascendino de Almeida será aberta em 25 anos. Cerca de 700 alunos escreveram cartas com memórias da escola e da vida de cada um
Cápsula do tempo, enterrada ontem na escola Ascendino de Almeida será aberta em 25 anos. Cerca de 700 alunos escreveram cartas com memórias da escola e da vida de cada um

Ao todo, cerca de 700 alunos, divididos em várias turmas do 1º ao 5º ano, trabalharam em sala sobre o que escrever para que eles mesmos leiam em 2044. Aliado a isso, os professores, coordenadores pedagógicos, além de educadores que passaram pela unidade nos anos anteriores, também registraram suas memórias. O prefeito Álvaro Dias acompanhou a festividade e também escreveu sua carta, citando, inclusive, o educador Paulo Freire. “Espero que a educação possa ter contribuído para construir um mundo mais justo, mais humano e com menos desigualdade social”, disse ele.

A carta teve uma questão especial para a estudante Rayane Cabral Pereira, de 9 anos, do 3º ano. Isso porque ela foi a escolhida para representar todos os alunos da escola e leu a carta na frente dos presentes. Ela direcionou seu texto com conselhos para crianças e adolescentes e adultos que vão ler a carta.

“Em 2044, eu não sei se você é criança ou pré-adolescente, mas se for pré-adolescente, estude bastante porque o tempo passa e a escola também, e você não sabe se na faculdade vai ter esses professores maravilhosos e divertidos. Se for criança, divirta-se enquanto pode meu querido ou querida, eu espero que tenha gostado da minha carta”, escreveu a pequena.

A cápsula contendo todas as cartas e os objetos foram enterrados logo na entrada da escola, onde fica o busto de Ascendino de Almeida, um dos primeiros secretários de Educação da cidade. Os diretores da escola informaram que houve todo um projeto feito par que a cápsula não se degradasse com o tempo. O material ficou guardado numa cápsula de PVC, sendo isolada termicamente com isopor e por fim, enterrada numa coluna de alvenaria.

“Teve professor que já tem idade maior e disse que já deixou no testamento para minha família vir, se eu não estiver, ler minha carta, ver a abertura da cápsula. Nela tem sonhos, desejos para nossa escola, sociedade, país, desejos pessoais dos nossos alunos.”, reforça Mintza Idesis.

Outros dois alunos foram ouvidos pela reportagem sobre as suas cartinhas. Hadassa Alves, de 9 anos, do 3º ano, escreveu que esperava uma escola cada vez melhor daqui há 25 anos. “Espero que tenha mais brinquedo no parquinho e ar-condicionado nas salas”, disse. Ela quer ser veterinária de animais aquáticos. Por sua vez, Cauã David, de 8 anos, do 3º ano, disse que gosta da escola, que “as professoras são bem legais”, mas que queria cerâmica no parque para “ninguém se sujar”.

Professora atuante na unidade desde a sua fundação, Sonia Sena, de 60 anos, foi uma das docentes que escreveu no papel algumas de suas lembranças e vivências na escola onde dedicou boa parte de sua carreira.

“Eu espero que a escola continue fazendo bem o trabalho que ela se propõe a fazer e que ela possa contar com os profissionais que hoje já existem. Que em 2044 esses profissionais estejam contribuindo para a melhoria da escola pública. Espero que em 2044 não precise melhorar mais. Espero estar lúcida e saudável para poder participar do jubileu de ouro”, disse.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários