Caetano, a live e a sopa

Publicação: 2020-08-11 00:00:00
A+ A-
Alex Medeiros
alexmedeiros1959@gmail.com 

Ufa. Saiu a aguardada e tão discutida live de Caetano Veloso. Contribuíram, e muito, a cobrança generalizada dos fãs e a impaciência disfarçada da mulher Paula Lavigne, que transformou a negociação diária com o marido numa webnovela acompanhada risonha e ansiosamente por todos. De minha parte, velho ouvinte do poeta baiano (com quase todos seus LPs), me diverti mais com as resenhas domésticas e agora temo que a live pode ter dado um fim.

A última, a mais hilária, gargalhei feito criança quando Paula quis alimentá-lo e maternalmente o questionou por pedir um docinho, uma merendinha, e refutar a tese dele de que merenda poderia ser uma sopa. Caetano insistiu de que naquele horário, “na Bahia”, sopa era, sim, uma merenda. Não contive a mistura de riso e choro ao lembrar das sopas que mamãe fazia, nos tempos em que Caetano e Gil entravam em nossa casa pelas ondas curtas da Rádio Rural.

Dos tantos cabeludos que eu e meu irmão ouvíamos naqueles anos, os dois baianos eram os únicos que recebiam uma colher de simpatia de papai e mamãe, ela mais chegada em Caetano e ele fã da Refazenda do negão Gil.

Foi por eles quatro, Luiz, Nenzinha, Gil e Caetano, que eu me emocionei na postagem de Paula Lavigne durante o bate-papo sobre a merendinha que o marido desejava comer. E lambendo as lembranças de casa, fiz o poeminha aí:

Sopa Merenda
O macarrão na panela 
meu pai trazia da venda 
eu sentado na janela 
daquela casa pequena 
mamãe servia a tigela 
a sopa santa merenda

Numa cozinha singela 
que a pobreza recomenda 
pano de prato em flanela 
toalha cheia de emenda 
e na barriga magrela 
a sopa santa merenda

O fogão boca banguela 
a mesa tinha uma fenda 
bacia feito uma baixela 
espero que compreenda 
na esperança amarela 
a sopa santa merenda

O pão cortado em rodela 
cada fatia oferenda 
e o rádio com refavela 
o sonho com refazenda 
na fina estampa canela 
a sopa santa merenda.


Créditos: Divulgação


2 milhões curados
Milhares de médicos no País inteiro prescreveram profilaxia com Ivermectina, Azitromicina, Cloroquina, zinco, vitamina D no combate à Covid-19. Além da população que se automedicou e não caiu na cantilena do #fiqueemcasa.

Prescrições
Os impérios da mídia em SP e RJ não quiseram comentar o fato do Conselho Federal de Farmácia ter registrado o aumento de 800% nas prescrições de hidrocloroquina pelos médicos brasileiros. Ciência só se for da China e OMS.

Pesquisas
As candinhas da política, mirians, veras, mônicas, elianes, andreias, e patrícias, estão autoproclamando a velha mídia como “jornalismo independente”. E crendo cientificamente em pesquisa de audiência por celular.

Paródia news
Por décadas, a esquerda não emplacou um veículo de imprensa próprio no Brasil. Atualmente, tenta vender as versões em português do El País, Le Monde e BBC como se fossem reproduções dos originais, o que não são.

Estética
Há 52 anos, Caetano gritou pra uma plateia canhota: “Se vocês, em política, forem como são em estética, estamos feitos”. O tempo passou e as mentes de aldeia (presas ao preconceito) confundem “estética” com anti-gordo.

Vidas importam
Para aqueles que dormem e acordam cuspindo hashtag sobre mortes nas redes sociais, informo que de janeiro até agora, já ocorreram no Brasil mais de 25,7 mil abortos. São fetos com carga genética prontos para iniciar a VIDA.

Vitórias
“Fico muito feliz em ter terminado o último campeonato brasileiro vencendo o Flamengo com o Santos e começar o atual Brasileirão ganhando do Flamengo de novo, agora com o Atlético”. Aspas de Jorge Sampaoli, no site O Tempo. 

Um pitaco
É cedo demais, mas o fim de semana deixou a suspeita de que o Flamengo e o Atlético não são a oitava e nona maravilhas da bola. E que Palmeiras e Corinthians estão bem longe de conseguirem a posição de favoritos do ano.


Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.