Cai preço para distribuidoras

Publicação: 2011-04-21 00:16:00 | Comentários: 2
A+ A-
Andrielle Mendes - Repórter de economia

Em meio aos recentes reajustes de óleo diesel, etanol e gasolina comum, a Petrobras decidiu reduzir o preço do gás natural de origem nacional, em média, em 9,7% para as distribuidoras. A medida entra em vigor a partir de 1º de maio e vale até julho e, apesar de parecer alentadora, não  significará queda de preços para o consumidor.

O preço do GNV, por exemplo, não será reduzido com a medidaSegundo a Companhia Potiguar de Gás (Potigás), responsável pela distribuição do combustível no estado, o gás natural veicular (GNV) – que chega a ser comercializado por R$ 1,999 para o consumidor - e o gás destinado às indústrias  não ficarão mais baratos em razão da medida.

 Segundo Antônio Manoel Carrilho, diretor técnico e comercial da Companhia, na prática, a Petrobras apenas suspendeu o reajuste que seria aplicado a partir de maio. “O preço de todos os outros combustíveis – diesel, etanol, gasolina comum – subiu. O do gás natural não aumentará”. Isso dá uma ideia aparente de ‘redução’, segundo Carrilho.  Segundo ele, atualmente, 1 m³ de GNV custa R$1,2604 no RN para os revendedores. O valor deve se manter no mesmo patamar pelo menos até julho de 2011. Se haverá algum aumento ou redução depois disso, vai depender de decisão da Petrobras. “Mas não haverá redução de preço em maio”, reitera Carrilho.

Em nota à imprensa, a Petrobras esclareceu a concessão do desconto. “Diante do cenário recente de evolução dos preços dos energéticos e suas consequências sobre os valores estipulados nos contratos de gás natural de origem nacional, a Petrobras resolveu, a seu exclusivo critério, conceder um desconto nestes contratos a partir de maio de 2011”, afirmou. A medida, segundo a Petrobras, se baseou em estudos da área comercial da companhia.

O desconto médio de 9,7%, segundo a Petrobras, será aplicado aos contratos de fornecimento de gás para as distribuidoras sobre o reajuste de 1° de maio e, em consequência, os valores praticados nos próximos 3 meses (maio a julho) serão inferiores aos do período anterior. Apesar disso, a fórmula de precificação vigente não será afetada.

Embora não interfira no preço atual, a suspensão do reajuste tem alguns efeitos práticos em todo o País. A medida  aumenta a competitividade do GNV. As seis convertedoras potiguares (quatro em Natal e duas em Mossoró), segundo a Potigás, duplicaram o número de conversões de veículos a gasolina para gás natural. A mudança de comportamento, reflexo do encarecimento da gasolina comum, sinaliza aumento no consumo. O número de conversões, segundo ele, poderá subir ainda mais com a nova medida da Petrobras. Carrilho citou o exemplo de uma convertedora que realizava, em média, 15 conversões, por mês, antes do reajuste da gasolina comum, e passou a realizar até 40 conversões após o reajuste da gasolina comum. “O gás natural está mais competitivo.  Isso se refletiu no número de conversões”, afirmou.

    O cenário atual é bem diferente do apresentado em 2010, quando o consumo de gás no segmento automotivo fechou com queda de 2,80% no Rio Grande do Norte, segundo relatório elaborado pela  Companhia Potiguar de Gás. O aumento de preços do GNV nas bombas e a redução do número de conversões de veículos foram diretamente responsáveis pelo desempenho.

No início do ano, os preços continuavam altos, e o consumo baixo. Segundo pesquisa do Procon Municipal, o preço do GNV aumentou 10,72% os primeiros três meses do ano em Natal. Reajuste que, segundo Carrilho, não foi repassado pela distribuidora. Na distribuidora, diz ele, o aumento  ficou em torno de 4,9% entre janeiro e abril.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários

  • rodrigocrog

    Estão querendo nos enrrolar. O gás natural sofreu aumento maior que a gasolina antes do aumento avisado pela Petrobras agora em 1º de Maio. Por pressão popular a gasolina baixou um pouco, mas, o preço do gás natural não baixou - apesar da \"redução\" avisada pela Petrobrás. Em falando da Petrobrás (governo), se ela fosse uma empresa responsável, como ele mesma diz, faria o estímula ao desenvolvimento e consumo de combustíveis não poluidores como o gás natural e o etanol. Devemos nos unir como fizemos com o preço da gasolina.

  • alexandrecardosoviana

    Juntamente com o presidente do sindicato dos taxistas, eu, e o senhor Alexis, demos uma entrevista à Intertv Cabugi, denunciando os altos preços do GNV no estado do RN, mesmo não havendo aumento no GNV os postos aproveitaram a alta do etanol e gasolina e aumentaram em 20 centavos o preço do GNV, e com o agravante de não haver concorrência no preço desse combustível, onde em praticamente todos os postos custa R$ 1,99,caracterizando \"cartelização\" a margem de lucro é absurdamente abusiva, tendo em vista que em estados como no RJ o preço do M³ vendido pelas distribuidoras é o mesmo do RN e chega-se a encontra o m³ do GNV no estado do RJ abaixo de R$ 1,50, e lá, diferente daqui, há concorrência nos preços do GNV, havendo diferenças significativas nos valores cobrados. Até hoje estamos esperando a veiculação da reportagem, para mostar a Promotoria de Defesa do Consumidor, ao MP e ao Procon, que só falam no preço abusivo da gasolina e esquecem o GNV que algua coisa tem que ser feita urgentementente contra esse cartel, que está na cara e só a população vê, e que não precisa estudos que estão durando anos e anos para mostrar a verdade e as autoridades de defesa do consumidor só fazem latir como cachorros vira-latas e que até agora não morderam ninguém.