Caixa reúne registro fotográfico, ilustrações e ensaios sobre ritmos e religiosidade do Zamberacatu

Publicação: 2019-09-21 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Ramon Ribeiro
Repórter

Um mergulho em texto, foto e ilustrações à cultura negra potiguar, é o que oferece o livro “Nação Zambêracatu”, organizado por José Correia Torres Neto, editor da Caravela Selo Cultural. Com projeto gráfico não convencional, a obra foca numa expressão típica pernambucana, o maracatu, com todo seu simbolismo e potência, mas também trazendo para uma manifestação legítima do Rio Grande do Norte, o Zambê. Não por acaso, as duas expressões estão fundida na essência do grupo potiguar que dá nome ao livro: Nação Zambêracatu. O lançamento da obra será neste sábado (21), a partir das 17h, no Nalva Melo Café Salão (Ribeira), dentro da programação do Bazar Primaveril. A entrada é gratuita.

A fotografia foi registrada por Cícero Oliveira, que acompanhou a Nação Zambêracatu durante o carnaval, no cortejo da Coroação da Rainha, e no Dia de Iemanjá
A fotografia foi registrada por Cícero Oliveira, que acompanhou a Nação Zambêracatu durante o carnaval, no cortejo da Coroação da Rainha, e no Dia de Iemanjá

Na parte de texto, o sociólogo e professor João Bosco Araújo da Costa assina o ensaio “Maracatu e as Religiões de Matrizes Africanas”, onde oferece um percurso histórico e descritivo sobre a expressão. Também há um artigo de Marília Negra Flor “Oyá Yalê”, cantora, compositora e uma das fundadoras da Nação Zambêracatu. Ela aborda em seu texto um pouco da origem e estrutura do grupo. Por fim, Melquisedec D'Xangô Babá Obá Walê dá um testemunho da relação do Maracatu com a Família Ogodô, bem como descreve sua experiência como Rei coroado pela Nação.

“Relutei um pouco diante aos meus compromissos, mas aceitei a missão por sentir a necessidade como sacerdote e militante em fortalecer as comunidades tradicionais de terreiros e o povo negro em geral. Militamos pela ancestralidade que nos dar força para lutar, militamos pelo sagrado que habita em nós, e a Nação Zambêracatu desenvolve esse importante papel na sociedade, fortalecendo a cultura e a religiosidade afro-potiguar”, escreveu Melquisedec.

Na parte fotográfica, o trabalho ficou a cargo do fotógrafo Cícero Oliveira. Ele registrou a Nação Zambêracatu em dois momentos. O primeiro foi em 2018, na abertura do carnaval, quando o grupo realiza o cortejo de Coroação da Rainha. O segundo momento foi no início de 2019, no dia 2 de fevereiro, Dia de Iemanjá.

“Eu já tinha feito trabalhos documentais em cima da cultura popular. Nesse, comecei sem pretensão de ser publicado. Visitei o grupo, terreiros, conversei com pessoas. A ideia era trazer luz para essa manifestação que ainda sofre tanto preconceito. Valorizar a tolerância”, explica Cícero em entrevista à TRIBUNA DO NORTE.

Livro lançado pelo selo Caravela Cultural valoriza a ancestralidade através da música, dança e cultura do grupo local  Zambêracatu
Livro lançado pelo selo Caravela Cultural valoriza a ancestralidade através da música, dança e cultura do grupo local Zambêracatu

São 32 postais fotográficos. No versos, estão as ilustrações do artista Anderson Gomes. Ele conta que retratou 17 orixás, e na outra parte de desenhos, fez sua releitura das fotografias do Cícero. “Pesquisei em livros para poder apresentar a minha versão do tema. Vi que já há imagens muito fortes. O Exu, por exemplo, é muito retratado com cartola, tridente, como se fosse o capeta, quando na verdade vejo ele mais como um Hermes da mitologia grega, um mensageiro que faz a ligação entre o mundo terreno e o espiritual”, comenta o ilustrador.

O lançamento do livro será dentro do Bazar Primaveril. Além dos originais da exposição montada com fotografias do livro e dos originais das ilustrações, o evento contará com apresentação do grupo Nação Zambêracatu, Sarau Insurgências Poéticas, show de Mirabô Dantas, discotecagem de Carlota e bazar com brechó Bicho Esquisito, Fora do Padrão, Estúdio Carlota, dentre outros.

Serviço
Lançamento do livro “Nação Zambêracatu”, da Caravela Selo Cultural

Dia 21 de setembro, às 17h

Nalva Melo Café Salão (Av. Duque de Caxias, 110, Ribeira)

Preço: R$ 50





continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários