Campanha contra a poliomielite encerra nesta segunda

Publicação: 2020-11-29 00:00:00
Longe da meta estabelecida pelo Ministério da Saúde para vacinação de crianças contra a poliomielite, a Secretaria Municipal de Saúde de Natal (SMS Natal) realizou neste sábado (28), mais uma ação no estilo drive-thru na Arena das Dunas para imunizar crianças de 1 ano a menores de 5 anos de idade. Até a última ação na sexta-feira (27), realizada no Ginásio Nélio Dias, na zona Norte da capital, o Município havia chegado a 45% da meta, que equivale a 19.689 crianças.
Créditos: Alex RégisDrive-thru foi montado no Ginásio Nélio Dias e Arena das Dunas, mas adesão foi aquém do esperadoDrive-thru foi montado no Ginásio Nélio Dias e Arena das Dunas, mas adesão foi aquém do esperado

O parâmetro é determinado através dos dados do Ministério da Saúde, que identifica as crianças nessa faixa etária na cidade. São crianças como o pequeno Miguel, de 4 anos, que foi levado ao drive pela mãe, a psicóloga Marcela Rocha, 33, e o esposo. Para ela, o ato de vacinar vai além da proteção da família. “Considero a vacinação como um pacto coletivo de toda a sociedade e o fato da ação ser em drive-trhu é importante porque é mais um cuidado e facilita a proteção, especialmente às crianças, que podem ser vacinadas com segurança em meio à pandemia da covid-19", declarou.

Mesmo que os pais não possam acompanhar os filhos, as crianças podem ser levadas por familiares ou responsáveis. O aposentado Manoel Cícero, 67, foi responsável por garantir que o neto Pedro Emanuel, de 4 anos, tomasse a dose da polio. “É muito importante vacinar desde criança para evitar doenças no futuro. Conheço quem não tomou essa vacina e ficou com problemas. Por isso, eu e a avó dele o trouxemos, já que os pais não puderam", disse.

O estilo drive-thru foi adotado para realizar a vacinação mantendo o distanciamento e as medidas de prevenção contra o novo coronavírus. Sem sair do carro, os pais apresentavam o cartão de vacinação e um agente da SMS aplicava a vacina nas crianças. “Natal ainda está bem abaixo do preconizado que é 95%. Fizemos o drive para atrair pessoas que estão resistindo a ir a uma unidade de saúde", explicou a coordenadora do Núcleo de Imunização da SMS, Veruska Torres.

Ela pontuou que a pandemia afastou as pessoas da rotina de vacinação nos postos de saúde, até mesmo porque muitas unidades fecharam e muitos profissionais precisaram se afastar, no entanto, disse que o sistema de vacinação já está voltando à normalidade. Na ação também foram atualizados cartões de vacinação. “As carteirinhas com muito atraso estão sendo encaminhadas para unidades de saúde porque, além da polio, outras vacinas estão disponíveis nessas unidades. Estamos pensando em outras ações para ampliar essa cobertura, inclusive no trabalho de conscientização sobre a vacinação das crianças quando precisarmos imunizar a população contra o coronavírus", destacou a coordenadora.

Paralela à ação dos drives, a campanha de vacinação segue até esta segunda-feira (30), nos 70 pontos de vacina do município. Como a meta estabelecida pelo Ministério da Saúde para Natal é de 43.106 crianças, mas até este sábado (28) o município não tinha alcançado as 20 mil, é importante procurar uma das salas de vacina, nas unidades de saúde, de segunda a sexta-feira, verificando os horários de cada unidade. Mesmo após o período da campanha, ainda será possível aplicar a dose nas crianças e atualizar o cartão de vacinação. A depender do esquema vacinal registrado na caderneta, a criança poderá receber a Vacina Oral Poliomielite (VOP), como dose de reforço ou dose extra, ou a Vacina Inativada Poliomielite (VIP), como dose de rotina.

A doença

Também chamada de pólio ou paralisia infantil, a doença é contagiosa aguda causada pelo poliovírus, que pode infectar crianças e adultos e, em casos graves, pode levar a paralisias musculares, em geral nos membros inferiores, ou até mesmo à morte.

Não existe tratamento específico para a poliomielite. Todas as pessoas contaminadas devem ser hospitalizadas, recebendo tratamento dos sintomas de acordo com o quadro clínico. Entre os sintomas mais frequentes estão febre, dor de cabeça e no corpo, vômitos, espasmos e rigidez na nuca. Na forma paralítica ocorre a súbita deficiência motora, acompanhada de febre, flacidez e assimetria muscular e persistência de paralisia residual (sequela) após 60 dias do início da doença. A vacinação é a única forma de prevenir.

Leia também: