Campanha majoritária em Natal fica mais acirrada

Publicação: 2012-09-12 00:00:00
Nos últimos dias a campanha eleitoral de Natal revela um maior acirramento dos discursos e mensagens produzidas pelos marqueteiros das campanhas, principalmente os que coordenam a comunicação do deputado Hermano Morais (PMDB) e do ex-prefeito Carlos Eduardo (PDT).  A movimentação mostra uma visível tendência de consolidação da polarização do pleito.
Carlos Eduardo reage com irritação, diante das críticas de Hermano
Durante um debate promovido pelo Sindicato dos Trabalhadores em Saúde (Sindsaúde), na manhã de ontem, ocorreu um incidente envolvendo os prefeitáveis do PMDB e do PDT. Hermano Morais citou que Carlos Eduardo, apesar de ter sido eleito vice-prefeito pelo PMDB (nas eleições de 2000), rompeu com o partido para atender as exigências da então prefeita Wilma de Faria (PSB) para ser candidata ao Governo (em 2002). “Ele deixou o PMDB pelas portas dos fundos”, teria dito Hermano, referindo-se também a reeleição de Carlos Eduardo para a prefeitura (em 2004) pelo PSB.

Carlos Eduardo não gostou  das  declarações e tentou interromper o adversário. Sem microfone, levantou-se da cadeira e colocou o dedo em riste na direção do peemedebista, afirmando que ele dizia “mentiras” e que deixou o PMDB “pela porta da frente”. No bate boca que se instalou, o clima ficou tenso e precisou da intervenção do mediador do debate.  A foto do momento caiu na rede social, foi reproduzida em blogs e o assunto dominou os comentarios via twitter durante boa parte da tarde.

A disputa direta de Carlos Eduardo e Hermano Morais ocorre também nos programas eleitorais de rádio e televisão. No horário eleitoral do PDT, é destacado o fato de que os políticos ligados a prefeita Micarla de Sousa (PV) apóiam o candidato do PMDB. Em contrapartida, o programa de Hermano Morais mostra denúncias das quais foram alvos o governo de Carlos Eduardo, como o caso do “escândalo dos medicamentos” e ações judiciais envolvendo a ex-governadora Wilma de Faria (PSB), candidata a vice na chapa de Carlos Eduardo.

Outra temática que envolve os dois prefeitáveis são as pesquisas eleitorais. O programa do PMDB exibe o crescimento de Morais nos levantamentos já divulgados. Nos programas do PDT é ressaltado que Carlos Eduardo venceria no primeiro turno, a partir da consideração que tem mais de 50% dos votos válidos revelados pelas recentes pesquisas eleitorais registradas.

A troca de acusações foi parar na Justiça Eleitoral, onde as assessorias jurídicas de Hermano Morais e Carlos Eduardo protocolaram diversos pedidos de direitos de resposta. Na última segunda-feira, a Justiça Eleitoral condenou a coligação de Hermano Morais a perda de tempo por exibir propaganda eleitoral que “ridiculariza” o adversário.

A tendência é que hoje, no primeiro programa eleitoral após o episódio do debate no Sindsaúde, o tom de crítica entre eles aumente ainda mais. E, como mais um lance que deverá aumentar a temperatura – além de criar certa confusão entre os eleitores - a prefeita Micarla de Sousa anunciou ontem, em programa de rádio e via twitter - que votará em Carlos Eduardo.

A declaração é um troco pelo fato dos programas do candidato pedetista estar mostrando, na TV, que o ex-chefe de gabinete de Micarla na prefeitura, Kalazans Bezerra; o atual presidente da Câmara Municipal e ex-secretario de Micarla, Edvan Martins, e o vice-prefeito Paulinho Freire estarem apoiando a candidatura de Hermano Morais.