Campeão

Publicação: 2020-03-26 00:00:00
A+ A-
Itamar Ciríaco 

Nem título antecipado, nem conquista comprazo de validade prorrogada. O Campeonato Estadual não pode ser entregue ao ABC, pela liderança atual e título do turno, nem tampouco deve-se prorrogar os efeitos da vitória do América em 2019. O certame precisa ser encerrado de alguma forma, nem que seja no próximo ano, ou em um triangular, ou quadrangular final. O regulamento atual não prevê, como deveria, que, caso não haja a possibilidade de encerramento da competição, de acordo com critérios “x e y”, tal clube será o vencedor. Em tese, a discussão poderia ser realizada utilizando o bom senso. No entanto, essa expressão está cada vez mais rara no Brasil e não tem cloroquina que dê jeito.

Campeão 1
Segundo o meu colega Marcos Santos, de Mossoró, os clubes do interior provavelmente não terão condições de jogar uma possível continuação do Campeonato Estadual. Acredito que, para não prejudicar nenhum clube, a Federação Norte-rio-grandense de Futebol – FNF deveria editar uma medida determinando que não haja rebaixamento para a segunda divisão e que o próximo certame seja disputado por um clube a mais, justo aquele que obtiver o acesso este ano numa possível disputa de Segunda Divisão.

Campeão 2
Aqueles que ainda tiverem condições de disputar o Campeonato Estadual poderiam seguir com o torneio ainda que no segundo semestre, paralelamente ao Campeonato Brasileiro, afinal não precisam de tantas datas assim a mais. Sem contar que, nesses primeiros meses de 2020, ABC e América, por exemplo, disputavam três competições em paralelo. Porquê não poderia acontecer o mesmo no fim do ano?

Lamento
A debandada de patrocinadores no ABC tem relação com a questão do coronavírus. Isso é um fato. No entanto, o desgaste provocado por decisões recentes da diretoria do Alvinegro não ajudam em nada na missão de conduzir o barco abecedista em meio a tempestade do momento. O clube, como qualquer outra empresa, precisa aparecer como bom negócio, como imagem de sucesso, de boa relação com o público em qualquer ocasião. Neste momento, entretanto, essa exigência dobra de tamanho.

Lamento 1
No momento em que clubes, como por exemplo o Flamengo, está em suas redes sociais interagindo com seus torcedores através de jogos, onde enfatiza a camisa e seus patrocinadores e se aproxima do consumidor, o ABC teve que emitir nota oficial justificando demissão em massa, saída de profissionais identificados com o clube e apontar um quadro “tenebroso” de suas finanças, apesar de possuir um patrimônio físico milionário. A imagem foi arranhada e o arranhão não foi superficial como percebe-se hoje.

Uma breve lista de atletas que contraíram o coronavírus:

FUTEBOL
Dybala, atacante da Juventus, da Itália;
Paolo Maldini, ex-jogador italiano;
Daniel Maldini, jogador italiano da base do Milan e filho de Paolo Maldini;
Fellaini, jogador belga, que joga no Shandong Luneng, da China;
Timo Hübers, zagueiro do Hannover, da Alemanha;
Callum Hudson-Odoi, atacante do Chelsea, da Inglaterra;
Manolo Gabbiadini, atacante da Sampdoria, da Itália;
James Horn, meio-campista do Hannover, da Alemanha;
Mikel Arteta, técnico do Arsenal, da Inglaterra;
Dusan Vlahovic, atacante da Fiorentina, da Itália;
Omar Colley, zagueiro da Sampdoria, da Itália;
Albin Ekdal, meio-campista da Sampdoria, da Itália;
Antonino La Gumina, atacante da Sampdoria, da Itália;
Morten Thorsby, meio-campista da Sampdoria, da Itália;
Fabio DePaoli, meio-campista da Sampdoria, da Itália;
Bartosz Bereszynski, zagueiro da Sampdoria, da Itália;
German Pezzella, zagueiro da Fiorentina, da Itália;
Luca Kilian, zagueiro do Paderborn, da Alemanha;
Jonathas, atacante brasileiro do Elche, da Espanha;
Ezequiel Garay, zagueiro do Valencia, da Espanha;
Eliaquim Mangala, zagueiro do Valencia, da Espanha;
José Luis Gaya, lateral do Valencia, da Espanha;
Patrick Cutrone, atacante da Fiorentina, da Itália;
Blaise Matuidi, volante da Juventus, da Itália;
Dori, atacante brasileiro do Meizhou Hakka, da China;
Daniele Rugani, zagueiro da Juventus, da Itália.

BASQUETE
Marcus Smart, ala/armador do Boston Celtics;
Kevin Durant, ala/pivô do Brooklin Nets;
Rudy Gobert, pivô do Utah Jazz;
Donovan Mitchell, ala-armador do Utah Jazz;
Trey Thompkins, ala-pivô do Real Madrid Basket, da Espanha;
Maique, jogador do Paulistano;
Christian Wood, pivô do Detroit Pistons.

VÔLEI
Earvin Ngapeth, jogador de vôlei francês.

FUTEBOL AMERICANO
Sean Payton, técnico do New Orleans Saints.

OUTROS
Thiago Wild, tenista brasileiro;
Fernando Gaviria, ciclista da Colômbia;
Maximiliano Richeze, ciclista da Argentina;
Mads Mensah Larsen, jogador de handebol do Rhein-Neckar Löwen, da Alemanha.

Pois é. Ser atleta não o deixa imune. Pensemos nisso.







Deixe seu comentário!

Comentários