Cantata para os novos santos

Publicação: 2017-10-03 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Ramon Ribeiro
Repórter


A história do massacre de Cunhaú e Uruaçu, em 1645, em decorrência das invasões holandesas em território norte-riograndense, ganhará os palcos em grande espetáculo no final do mês de outubro. Na ocasião, os 30 personagens que foram martirizados já terão a condição de santos – a consagração pelo Papa Francisco acontece no dia 15 de outubro, no Vaticano.

Isaura Rosado, da FJA, detalha espetáculo durante lançamento
Isaura Rosado, da Fundação José Augusto, detalha espetáculo durante lançamento

Intitulada “Cantata dos Santos Potiguares”, a peça conta com direção de Diana Fontes e se baseia nos textos do Padre Murilo e do Monsenhor Herônico. A apresentação acontece no Monumento dos Mártires, em Uruaçu, no Município de São Gonçalo do Amarante, entre os dias 26 e 29 de outubro, abrindo a programação de celebrações aos santos potiguares. A entrada é gratuita.

“A santificação dos mártires tem uma importância mundial. Para a São Gonçalo do Amarante, vem para valorizar um feito histórico, não só de fé, mas de cidadania e de força desses mártires. É uma responsabilidade enorme recontar essa história”, comenta ao VIVER Diana Fontes, que terá menos de um mês para produzir o espetáculo. A diretora traz no currículo montagens de “Um Presente de Natal”, “Chuva de Bala no País de Mossoró” e “Oratório de Santa Luzia”. Ela conta que trabalhar em tempo recorde tem sido recorrente nos últimos anos. “Tenho feito montagens em tempo muito curto. O 'Chuva de Bala' de 2015 e 2016 eu fiz em três semanas. O 'Presente de Natal' deste ano, provavelmente vai ser com esse prazo”.

A diretora Diana Fontes em São Gonçalo: Seleção de elenco
A diretora Diana Fontes em São Gonçalo: Seleção de elenco

A adaptação dos escritos de Padre Murilo e Monsenhor Herôncio foi feita pelo maestro Danilo Guanais, parceiro de longa data de Diana. Autor de madrigais de repercussão internacional, como “A Missa de Alcaçuz” - executada em maio deste ano no Carnegie Hall, em Nova York –  Guanais também assina a direção musical da peça. O Coral Canto do Povo, que participou da Cerimônia de Beatificação dos Mártires, no ano 2000, fará uma participação especial dentro do auto. Na produção e no elenco, a diretora terá a participação de diversos artistas de São Gonçalo do Amarante. “Os artistas de S. Gonçalo já trazem na bagagem bastante referência. Acho que será um espetáculo bacana. Vamos mostrar o quanto cruel foi esse episódio, mas o quanto a nossa sociedade evoluiu”, afirma Diana.

Quem assina o figurino e os adereços é o artista Ricardo San Martini. Ele diz que em suas pesquisas fez um apanhado das vestimentas de época dos martirizados, indígenas e holandeses. “Alguns dos personagens envolvidos não tem registro em imagens, tivemos que buscar referência em figuras próximas. Também demos aos figurinos um aspecto lúdico, já que o espetáculo será visto por muitas crianças”, detalha. Sobre o volume das vestes, San Martini explica que é para facilitar a visão do público dos personagens. “Como o palco é ao ar livre e fica um pouco distante da plateia, as roupas precisam de certo volume para aparecerem bem aos olhos do público”. O vestuário dos personagens será confeccionado em ateliê em São Gonçalo do Amarante, aproveitando figurinistas e aderecistas que já trabalham com quadrilhas juninas. “Confeccionar os figurinos em S. Gonçalo, com os profissionais de lá, me dará a possibilidade de poder contar com eles para projetos futuros”, conta San Martini.

Assinados por Ricardo San Martini, figurinos ressaltam volume e textura para dar mais visibilidade devido a distância entre o palco e o público. Imagem retrata a vestimenta Padre Ambrósio Francisco Ferro
Assinados por Ricardo San Martini, figurinos ressaltam volume e textura para dar mais visibilidade devido a distância entre o palco e o público. Imagem retrata a vestimenta Padre Ambrósio Francisco Ferro

A produção do espetáculo conta com investimento na ordem de R$ 255 mil, através do Programa Governo Cidadão (via empréstimo do Banco Mundial). O projeto é uma realização da Fundação José Augusto (FJA), do Grupo de Trabalho das Celebrações alusivas à santificação, da Arquidiocese de Natal, e da Prefeitura de São Gonçalo do Amarante.

Turismo religioso e cultural
O projeto de montagem da “Cantata dos Santos Potiguares” foi apresentado a imprensa na manhã de ontem (02), com presença do governador Robinson Faria, a presidente do Grupo de Trabalho das Celebrações alusivas à santificação,  Julianne Faria, a diretora da Fundação José Augusto, Isaura Rosado e outras autoridades. Nos discursos foi ressaltado a importância da canonização dos mártires para a valorização do turismo religioso e cultural em S. Gonçalo do Amarante. Como exemplo, o prefeito do município citou o caso da cidade de Nova Trento, no interior de Santa Catarina, onde existe o Santuário de Madre Paulina. “Em pouco mais de 10 anos desde a canonização de Madre Paulina (2002), a cidade se tornou o terceiro maior destino religioso do país”, conta Paulo Emílio.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários