'Carlos é traumatizado pelo atentado', diz general Heleno

Publicação: 2019-07-11 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Breno Pires
Agência Estado

Brasília (AE) - O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, afirmou nesta quarta-feira, 10, que o vereador fluminense Carlos Bolsonaro (PSC), é "extremamente traumatizado" pelo atentado sofrido por seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, no ano passado, durante a campanha eleitoral, em Juiz de Fora (MG).

Augusto Heleno participa de sessão da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional
Augusto Heleno participa de sessão da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional

"Eu conheço Carlos. Ele é extremamente traumatizado pelo atentado que buscou mudar a realidade política do Brasil, o atentado a faca que o presidente recebeu. Naquela situação, Bolsonaro estava sob cuidado da PF", disse o ministro, em audiência na Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados, marcada para tratar da prisão do militar da Força Aérea Brasileira, Manoel Silva Rodrigues, que estava na comitiva do presidente Jair Bolsonaro e foi flagrado com 39 kg de cocaína na Espanha.

O comentário foi feito após Heleno ser perguntado sobre uma suposta desconfiança de Carlos Bolsonaro quanto à segurança do presidente por parte do GSI. No início do mês, Carlos publicou mensagem em sua conta no Twitter na qual, sem citar Heleno, levantou suspeitas da conduta do GSI, comandado pelo general, no episódio da prisão do militar na Espanha. Heleno salientou que não era o GSI, mas a PF, quem fazia a segurança de Bolsonaro naquela ocasião.

O ministro emendou afirmando que não está "colocando responsabilidade" na PF. Disse que o órgão "melhorou muito nas últimas décadas, tem equipamentos de alta qualidade e é muito eficiente". "O que acontece é que candidatos como o presidente Bolsonaro desrespeitam regras traçadas e isso é normal. Aqueles que fazem segurança não podem impedir. Hoje em dia, mesmo em viagens, ele acaba fazendo coisas que são delicadas", disse.

Horas depois, Carlos usou novamente o Twitter para fazer a tréplica: "Sou tremendamente traumatizado com o que pode acontecer com um presidente honesto em uma nação historicamente administrada por bandidos e seus fiéis acessórios."

Na audiência, Heleno atribuiu à "leniência dos governos anteriores" o avanço do narcotráfico e das organizações criminosas no País. Heleno e representantes da Aeronáutica foram repetidamente questionados sobre o andamento das investigações sobre a droga apreendida na Espanha. O general limitou-se a dizer que "por enquanto não há indício de participação" de outros envolvidos e, diante de outros questionamentos, a resposta foi que o caso está em sigilo.




continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários