Indecisos são maioria em pesquisa para Governo; Carlos Eduardo supera adversários

Publicação: 2017-10-16 21:32:00
A um ano das eleições para governador (o primeiro turno será no dia 07 de outubro de 2018), a maioria dos natalenses (52,80%) ainda não se definiu por um candidato e diz que não votará em ninguém. Mas, dos quatro nomes mais citados na mídia ou que, segundo o presidente do Certus, Mardone França, “de alguma forma já manifestaram interesse” na disputa pelo governo, a liderança entre os eleitores com votos já definidos é do prefeito de Natal, Carlos Eduardo (PDT), com 22,77%; seguido pela senadora Fátima Bezerra (PT), com 17,66%; pelo governador Robinson Faria (PSD), com 3,14%, e o desembargador Cláudio Santos (sem partido), com 2,97%.

Créditos: Júnior Santos/TNMardone França analisa os números da intenção de votoMardone França analisa os números da intenção de voto

Mardone França analisa os números da intenção de voto

Os dados são do Instituto Certus, pesquisa e consultoria, em pesquisa realizada somente em Natal, nos últimos dias 07 e 08 deste mês, para a Rádio 98FM. Foram aplicadas 606 entrevistas domiciliares, com eleitores maiores de 16 anos, de vários estratos socioeconômicos e nas quatro zonas geográficas da capital. A margem de erro é de 3% para mais ou para menos.


“A opção por nenhum é a manifestação da insatisfação do eleitor com relação ao quadro de desgaste dos políticos, diante da crise ética, moral e econômica que vive o pais”, avalia Mardone França. Outra hipótese, levantada por ele, é de quem o eleitor espera por “novos nomes, que possam suscitar confiança”. Os percentuais de quem afirma que não votará em ninguém ou que ainda não sabe que candidato eleger são ainda maiores na pesquisa espontânea, quando nenhum nome é apresentado para a escolha do entrevistado. Neste caso, 40,26% afirma que não votará em “nenhum” e 53,30% que “não sabe” em quem votar. Entretanto, o prefeito de Natal mantém a liderança, com 2,64% das citações, seguido pela senadora Fátima Bezerra (1,49%) e pelo governador Robinson Faria (1,32%).


Indagados quanto à rejeição aos nomes que aparecem como prováveis candidatos, a maioria dos entrevistados se dividiu entre os que “rejeitam todos” (29,54%) e os que “rejeitam Robinson Faria” (29,04%). O segundo percentual de rejeição individual é da senadora Fátima Bezerra (12,87%), seguida pelo prefeito Carlos Eduardo (4,95%) e pelo desembargador Cláudio Santos (4,79%). Entre os entrevistados, 11,88% disseram “não rejeitar nenhum” dos nomes citados.


A liderança do prefeito Carlos Eduardo nos diversos cenários traçados pela pesquisa, segundo Mardone França, deve ser vista “sob o prisma” de que a pesquisa está circunscrita ao âmbito da capital. “Ele (o prefeito) desfruta, naturalmente, de maior visibilidade, que tanto pode ser positiva como negativa”. O mesmo vale, para a senador Fátima Bezerra, “que sempre apresentou boa performance entre o eleitorado natalense” e parece estar “blindada” contra as acusações e escândalos envolvendo o PT, partido ao qual ela é filiada. Já a rejeição ao governador, segundo Mardone, deve ser analisada dentro de uma conjuntura mais ampla. “Como a maioria dos governadores do Brasil, Robinson enfrenta grandes dificuldades com a gestão do Estado, em decorrência da crise econômica. Além disso, ele foi alvo de acusações, as quais ele nega e afirma ter defesa, mas isso sempre deixa dúvidas na cabeça do eleitor”.


Capacidade de governar

Independente das intenções de votos, os entrevistados pelo Certus também responderam a questão (estimulada), sobre quem eles “consideram mais preparado para ser o governador do RN”. Os resultados, entre os quatro nomes mais citados, foram: Carlos Eduardo (33,83%); Fátima Bezerra (19,97%)); Robinson Faria (4,29%) e Cláudio Santos (2,15%). As respostas para as opções “nenhum” e/ou “não sabe” somaram 39,54%.

O Certus também fez simulações para a possibilidade de segundo turno e, em um primeiro turno, sem a provável candidatura do desembargador Cláudio Santos.


Em uma disputa de primeiro turno entre o prefeito de Natal, o governador tentando a reeleição e a senadora petista, a vantagem seria de Carlos Eduardo (28,71%), com Fátima Bezerra em segundo (19,97%) e Robinson Faria em terceiro (3,63%). Neste cenário, permanece alta a percentagem de quem disse que não votaria em nenhum (45,05%), mas cai os que disseram “não saber” (1,98%).


Na possibilidade de segundo turno, o prefeito Carlos Eduardo mantém uma margem menor de vantagem sobre Fátima Bezerra (30,86% dele contra 23,10% dela) e bem maior sobre Robinson Faria (39,27% para o prefeito, contra 5,28% do governador). Em ambos os cenários, também são altas as percentagens que responderam não votar “em nenhum”: 43,73% na disputa entre o prefeito e a senadora; 52,81% na disputa entre o prefeito e o governador.


Um terceiro cenário possível de segundo turno, entre a senadora Fátima Bezerra e o governador Robinson Faria, apresentou os seguintes resultados: Fátima 28,38%, Robinson 10,73%, Nenhum 57,76% e Não Sabe 2,81%.


Mardone França ressalta, entretanto, que “esta pesquisa não deve ser utilizada para projetar o cenário futuro de 2018, embora Natal seja caixa de ressonância na formação de opinião do Estado, não representa estatisticamente o eleitorado de Estado. Natal, como núcleo da Região Metropolitana, desempenha papel preponderante numa eleição estadual.”