Caso Maria Luiza: réus irão para júri popular nesta quinta-feira

Publicação: 2014-10-29 16:44:00
A+ A-
Mais de cinco anos após o assassinato da adolescente Maria Luiza Fernandes Bezerra, de 15 anos, os acusados do crime, Thiago Felipe Rodrigues Bezerra, o “Thiago Cabeção”, e Kleisson de Souza Freitas da Silva, o “Negão”, irão a júri popular amanhã. Marcado para às 8h desta quinta-feira (30), o julgamento acontecerá no Fórum Miguel Seabra, em Lagoa Nova.

De acordo com o processo disponível no site do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), 42 pessoas serão testemunhas durante o julgamento, incluindo a mãe da vítima, Rosilene Fernandes Bezerra. “Eu estou muito confiante, pois sei que o processo já tem provas suficientes para incriminar cada um dos suspeitos. Tenho certeza de que eles serão condenados. Apesar de achar que parte das testemunhas não irão comparecer”, disse.
Maria Luíza foi morta em abril de 2009 com requintes de crueldade
O crime aconteceu abril de 2009 no bairro Bom Pastor e chocou a população. Em dezembro de 2012, o Ministério Público entregou a denúncia contra os acusados após as investigações em conjunto com a Polícia Civil apontarem Thiago e Kleisson como responsáveis pela morte da estudante. Segundo a denúncia, a dupla sequestrou, estuprou e assassinou a adolescente.

Thiago Felipe Rodrigues Pereira foi denunciado por homicídio, sob as qualificações de motivo torpe, asfixia e em uma emboscada. Além disso, a denúncia prevê o enquadramento dele em sequestro e cárcere privado com fins libidinosos e contra adolescentes, roubo, vilipendiação e ocultação de cadáver, estupro com lesão grave e crime de uso de violência ou grave ameaça para tentar coagir testemunhas. Já para Kleisson de Souza Feitas da Silva, as acusações são as mesmas, com exceção da coação de testemunhas. A denúncia também diz que ambos cometeram os crimes em um igual nível de competência.

O crime


A estudante Maria Luiza desapareceu na noite do dia 21 de abril de 2009 após sair da casa do namorado no bairro Bom Pastor, zona oeste de Natal. Se corpo só foi encontrado seis dias depois, em um matagal no Jardim América. No laudo realizado pelo Instituto Técnico Científico de Polícia (Itep) foi confirmada que a morte foi causada por estrangulamento, após abuso sexual da vítima. Ainda ficou comprovado o “vilipêndio” do cadáver. Os assassinos introduziram um galho de árvore na vagina da vítima antes de ocultar o corpo.

Segundo as investigações, os acusados assediavam a adolescente, que não correspondia às investidas. Diante das recusas de Maria Luiza, os acusados sequestraram a menina e a levaram para a casa de Kleisson, no conjunto Jardim América, local onde os abusos sexuais aconteceram, além das agressões e do homicídio. Em seguida, o corpo foi transportado até um lixão, onde foi enterrado após maus tratos.

Júri popular


O Júri Popular é composto por sete pessoas da sociedade civil, que são escolhidas para compor o Tribunal e têm a incumbência de julgar os réus. A decisão que obtiver o maior número de votos entre os jurados é sentenciada pelo magistrado que presidir o julgamento.


Deixe seu comentário!

Comentários

  • enfermeira.ceica

    Esses assassinos tem que pegar mais de 30 anos de cadeia,que o juri condene por que as lagrimas que a mae dela derramou jamais irao secar por que a saudade e muito grande