Casos de covid superam 80 mil

Publicação: 2020-10-29 00:00:00
A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap/RN) atualizou os dados epidemiológicos da covid-19 no Rio Grande do Norte em coletiva realizada nesta quarta-feira (28). O boletim confirmou que uma morte foi registrada nas últimas 24 horas. O total de óbitos causados pelo novo coronavírus chegou a 2.569. Outras 360 mortes estão em investigação e  650 óbitos descartados.

Créditos: Augusto bBezerraCipriano Maia, da Sesap/RN, confirmou que um óbito pela covid foi registrado nas últimas 24 horasCipriano Maia, da Sesap/RN, confirmou que um óbito pela covid foi registrado nas últimas 24 horas

De acordo com os dados, são 80.671 casos confirmados para covid-19, além de 32.453 suspeitos e 189.712 descartados. 

A taxa de ocupação de leitos está em 36%. Até o final da manhã desta quarta, 207 pessoas estavam internadas em leitos críticos e clínicos em unidades de saúde públicas e privadas do estado. Por região de saúde, a ocupação de leitos está em 29% na região Metropolitana, 50% no Oeste, 88% no Alto Oeste, 23% na região do Seridó, Trairi/Potengi com 50% e as regiões Agreste e Mato Grande estão sem pacientes internados em leitos de UTI. 

“Estamos acompanhando esta segunda onda na Europa e o crescimento de casos na região Norte do Brasil, principalmente Amapá e Amazonas, o que chama atenção para manutenção do estado de alerta aqui no RN. É preciso reforçar a vigilância, o rastreamento de contatos para diagnóstico precoce, acelerar as testagens e continuar com as medidas de distanciamento e higiene”, disse o secretário de Estado da Saúde Pública, Cipriano Maia, em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (28).

De acordo com o gestor, o descumprimento das medidas de segurança pode ser um dos fatores que contribuem nesses locais para a aceleração da transmissão e do número de casos. “A retomada das atividades sociais pode ser mantida, mas seguindo as normas de segurança e as medidas de proteção, até que tenhamos uma vacinação ou desenvolvimento da imunidade coletiva”, completou Maia.