Celina Guimarães, de primeira eleitora a árbitra de futebol

Publicação: 2019-06-22 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Ramon Ribeiro
Repórter

Desde que o tal sistema de vídeo arbitragem, o famigerado VAR, passou a ser utilizado no futebol, as discussões sobre a arbitragem, que sempre existiram, ganharam ainda mais atenção. Nesta edição da Copa do Mundo de Futebol Feminino não tem sido diferente. Aproveitando esse tema, o VIVER resolveu lembrar uma história curiosa acontecida há 100 anos atrás em Mossoró.

Dez anos depois do pioneirismo nas quatro linhas, Celina tornava-se a primeira mulher a votar
Dez anos depois do pioneirismo nas quatro linhas, Celina tornava-se a primeira mulher a votar

Se em 1917 em Natal Café Filho fundava uma equipe de futebol formada só por mulheres, o Centro Esportivo Natalense – onde uma das jogadoras, Jandira Fernandes, veio a se tornar esposa e primeira dama do até hoje único presidente da República de origem potiguar –, em Mossoró o futebol começa a ser praticado pela população – notadamente masculina. A onda pega e em pouco tempo cria-se por lá a  Liga Desportiva Mossoroense, para organizar disputas entre bairros.

Nessa época geralmente era escalado para ser árbitro alguém de prestígio e de caráter reconhecidamente correto na cidade. E em Mossoró, no início do século passado, uma dessas pessoas era a professora Celina Guimarães Viana (1890-1972). Naqueles anos, entre 1917 e 1919, ela ainda não tinha entrado para a história como a primeira mulher a conquistar o direito ao voto no Brasil. Mas pode se dizer que entrou na história do país por possivelmente ser a primeira mulher a apitar um partida de futebol.

Se foi ou não a primeira árbitra, não se tem o dado oficial. O que se tem é uma citação sobre sua performance no livro “O Futebol da Gente” (1982), onde foi detalhado que Celina apitou o jogo em uma praça, que correu vestida de saia, que “suou e fez miséria, inclusive marcando um pênalti para cada equipe”.

Mas a relação de Celina com o futebol vem um pouco antes. Professora de destaque do Grupo Escolar 30 de Setembro, era ela, à pedido dos garotos, que ensinava como jogar futebol, traduzindo as regras do inglês.

Em matéria especial do Jornal O Globo no ano passado, o lado desportista da potiguar foi lembrado. “Determinada a fazer com que a partida ocorresse, Celina sugeriu que colocassem duas pedras, numa distância de quatro metros de cada lado, delimitando os gols, e passou a dividir a garotada: 11 para cada lado. Por falta de uniformes, decidiu que um time jogaria com camisas, e o outro sem camisas, para diferenciar. A bola de couro havia sido comprada pelos pais dos garotos. Além de explicar como se jogava, teve ainda a missão de explicar o que era off-side, corner-kick, foul, referee, fire-kick e field. Os termos não tinham sido traduzidos para o português”.

O jornal DeFato, de Mossoró, também recordou esse lado de Celina em matéria de 2017. “Dadas as explicações iniciais, pôs a bola no centro do campo, colocou cada um na sua posição e acionou o apito. A princípio, a dificuldade era grande por parte da garotada, que teimava em botar a mão na bola. Foi preciso muita paciência da professora e muito sopro no apito para que os ensinamentos básicos fossem seguidos”, diz a reportagem.

Com o crescimento do esporte na terra de Santa Luzia, o marido de Celina, o advogado e professor Eliseu Viana, funda a já citada Liga Desportiva Mossoroense. É quando o futebol na cidade ganha força institucional.

Mais ou menos dez anos depois do pioneirismo nas quatro linhas, Celina romperia outro ambiente extremamente masculino – a Política – ao tornar-se a primeira mulher do Brasil a conquista o direito ao voto, em 1927. No ano seguinte ela, e outras pouquíssimas mulheres, deixam seus votos nas urnas. Infelizmente, em 1929 os votos femininos foram anulados, mas a força do ato já tinha ecoado em todo o território brasileiro. Não havendo mais jeito, o voto das mulheres se tornou uma realidade em 1932. Nessa época Celina já estava morando em Minas Gerais, onde veio a falecer, em 1972.




continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários