Celso Matias, o médico, o professor, o amigo - Parte I

Publicação: 2020-07-05 00:00:00
A+ A-
Berilo de Castro
Médico e escritor


O isolamento social compulsório tem, nesses dias sombrios e frios, ativado e clareado a nossa mente para o exercício da reflexão. São lembranças que nos faz voltar a tempos vividos, entrecortados de bons e maus momentos; de vitórias e derrotas; de lembrar pessoas; figuras especiais que são marcadas pela sua humildade, pelos seus gestos de carinho, de amor, de simplicidade e de respeito em suas ações.

Contrapondo-se, hoje, com um mundo que a toda hora ver-se predominar o egoísmo, a mentira cretina, a indiferença, a crueldade, a prepotência, a busca incessante e avassaladora da riqueza fácil. Um mundo cruel e desumano!

Quero me reportar, com muito carinho e muita emoção, à figura do médico, professor e amigo: Celso Matias de Almeida.

Nascido em 4 de março do ano de 1928, no município de Euclides da Cunha/BA, região de economia voltada para agricultura, pecuária e exploração de mineral do calcário e cal virgem. Teve a sua certidão de nascimento registrada na cidade de Aracaju/SE.

Filho de Francisco Matias de Almeida, comerciante, e Maria Ferreira, do lar. A união teve uma duração efêmera; aos sete anos foi morar com o pai na cidade de Simão Dias/SE, onde foi acolhido e criado com muito carinho e muito amor. Iniciou os seus estudos muito incentivado pelo pai, concluindo o seu Curso Fundamental, correspondente ao Curso Primário, em quatro anos. 

Procurando dar continuidade e aprimorar os seus conhecimentos, foi residir na capital Aracaju, onde concluiu o Curso Ginasial no Colégio Tobias Barreto, em quatro anos e, mais um, no Atheneu Sergipense. Cumpriu, ainda em regime de Internato, estudos preparatórios no Colégio Nossa Senhora da Vitória (do mesmo grupo dos irmãos Marista), nos anos de 1945 e 1946.

Em 1947, prestou exame vestibular para a Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia (UFBA), sendo aprovado e concluído o curso em 1952; teve como seus contemporâneos os norte-rio-grandenses: Leide de Moraes, obstetra e Hellen Costa, cardiologista.

Com o diploma na mão, no ano de 1953, foi aconselhado pelo seu orientador do curso, o Doutor Manoel Salustino, filho de Tomaz Salustino (O Rei da Sheelita, considerado o “dono” de Currais Novos, respeitado político e de grande prestígio em todo o Estado), muito amigo do seu pai, para ir clinicar na cidade conhecida como a “Princesa do Seridó”—, Currais Novos/RN.

Aceitou o desafio e deu início a sua vida profissional na cidade da Sheelita.

Na época, o médico de cidade do interior tinha que atender tudo e a todos: pediatria, clínica geral, ginecologia, obstetrícia, fazer pequenas cirurgias, dar conselhos psicológicos e até consultas psiquiátricas. Essa militância durou mais de dez anos.