Cemitérios mudam rotina em Natal

Publicação: 2020-03-27 00:00:00
A+ A-
A pandemia da Covid-19 provocou mudanças em diversos serviços, visando evitar a proliferação do vírus. Nos cemitérios e empresas que prestam serviço funerário em Natal, não é diferente. Medidas estão sendo tomadas para que não hajam novas infecções pelo vírus, especialmente para evitar aglomerações em velórios ou sepultamentos, e para proteger os profissionais que entram em contato com os corpos.

Créditos: Adriano AbreuNovas regras da Semsur estão afixadas na entrada do cemitério público de Nova Descoberta e abrange todos do MunicípioNovas regras da Semsur estão afixadas na entrada do cemitério público de Nova Descoberta e abrange todos do Município


A Secretaria Municipal de Serviços Urbanos de Natal (Semsur) estabeleceu uma portaria para restringir temporariamente o acesso aos cemitérios públicos da cidade. A alteração publicada no Diário Oficial do Município na última terça-feira (24), limita desde o número de familiares e entes durante o sepultamento até o fechamento das capelas dos cemitérios, levando em consideração o Decreto nº 11.920 que estabeleceu medidas para conter o avanço da Pandemia do Covid-19. 

Os cemitérios do Bom Pastor I, Bom Pastor II, Alecrim, Igapó, Pajuçara, Redinha, Nova Descoberta e Ponta Negra seguem com expediente interno normal das 7h às 11h e 13h às 17h, porém serviços como, retirada de documentos, atualizações cadastrais, transferência de titularidade, reformas ou construções nos jazigos e covas foram suspensos. A Semsur também informou sobre o fechamento das capelas dos cemitérios do Alecrim e de Nova Descoberta. A portaria ainda limita a 10 pessoas presentes nos sepultamentos, que devem ocorrer de forma rápida e prática, além de acontecerem somente com o caixão fechado. 

O secretário adjunto de Operações da Semsur, Josenildo Barbosa, fala das medidas de proteção e acrescenta sobre a isenção da taxa de R$237,00 geralmente cobrada pelo enterro ou exumação, que será para as pessoas de baixa renda. “O funcionamento (dos cemitérios) segue normal, porém aquelas reuniões nas capelas e nos velórios estão suspensas. A taxa de sepultamento também foi retirada (para pessoas de baixa renda), há apenas um trâmite burocrático para realização do enterro, mas não está sendo cobrado”, afirma.

Suspeitas
Em caso de morte por complicações ou suspeita da Covid-19, existem recomendações para segurança no manejo e sepultamento do corpo. Existem debates que orientam para a cremação das vítimas do novo coronavírus, mas como ainda não existem estudos que apontem sua necessidade, as famílias ainda podem optar também pelo sepultamento. 

Josenildo Barbosa, da Semsur, afirma que o poder público de Natal ainda não oferece o serviço de cremação, e que isso teria que ser providenciado caso houvesse alguma determinação vetando o sepultamento de vítimas da Covid-19. “Há um entendimento para fazer a cremação (das vítimas de Covid-19), mas ainda não há uma determinação. A Semsur ainda não faz a cremação e teria que resolver isso”, disse.

O Ministério da Saúde, por meio do Centro de Verificação de Óbitos, emitiu uma série de orientações para os profissionais de saúde que estão envolvidos no manejo de corpos das vítimas do novo coronavírus. Dentre as principais, estão limitar o reconhecimento do corpo a um único familiar/responsável, limpar todas as secreções e orifícios, manipular o corpo o mínimo possível e realizar a embalagem do corpo com a devida identificação da morte pela Covid-19.

As empresas funerárias também seguem medidas para evitar a propagação do vírus em caso de mortes, especialmente dos funcionários que precisam entrar em contato com o corpo. Os trabalhadores que realizam o manejo do corpo usam equipamento especial com macacão impermeável, botas e luvas especiais, além de óculos e máscaras com filtro. Nos casos de suspeita ou confirmação de morte pelo novo coronavírus, o velório e sepultamento são feitos sempre com o caixão fechado e sem contato dos familiares com o corpo.

Lúcio Telles, do Grupo Vila, que administra cemitérios no Rio Grande do Norte, cita que a empresa vem atendendo as recomendações da portaria emitida pelo Governo Municipal, além das orientações articuladas pela Associação de Cemitérios e Crematórios do Brasil (Acembra). “Estamos estimulando velórios menores, dando desconto integral para pessoas que realizam velórios de até uma hora. Além disso trabalhamos o ‘velório virtual’, onde a pessoa, mesmo de longe, pode interagir com quem está mais próximo no velório. Na nossa floricultura virtual a pessoa que não vai ao velório, pode escolher por tamanho e enviar as flores para homenagear os entes queridos”, disse.

Lucio ainda reforça que todos os funcionários estão passando por um treinamento para aprender e poder lidar com essa situação. “Os colaboradores que podem executar o trabalho à distância já estão cumprindo seus expedientes em home office. Realizamos também uma conferência com especialistas para ensinar aos nossos funcionários como tratar essa situação”, finaliza.





Deixe seu comentário!

Comentários