Cérebro bombado

Publicação: 2012-05-20 00:00:00 | Comentários: 2
A+ A-
Isaac Ribeiro
Repórter

Assim como o corpo necessita de atividades físicas para se manter saudável, o cérebro também precisa de exercícios para estimular seu pleno funcionamento. A ginástica cerebral, desenvolvida por um grupo de cientistas da Universidade da Califórnia, na década de 1970, visa trabalhar os dois hemisférios cerebrais ao mesmo tempo, estimulando e aumentando a capacidade de memória, concentração, aprendizado, criatividade,  auto-estima. Sua prática diária traz uma série de benefícios para adolescentes, adultos e idosos. Mas nem todos sabem de sua importância.
Ginástica cerebral estimula pleno funcionamento do cérebro,  aumentando a capacidade de memória, concentração, aprendizado, criatividade,  autoestima entre outros benefícios
Segundo Carlos Maurício Prado, especialista em ginástica cerebral, o nosso cérebro funciona tal qual um músculo; quando estimulado, cresce, se desenvolve. Uma vez parado, encolhe e atrofia. Ele esteve em Natal, semana passada, fazendo palestras, aplicando oficinas e divulgando o livro “Ginástica Cerebral” (editora Século XXI), onde apresenta 32 exercícios, cada um com uma finalidade diferente; problemas de aprendizado, preguiça mental, quedas de auto-estima, memória, concentração e até mesmo medo de dirigir.

“A ginástica cerebral visa trabalhar os dois lados do cérebro ao mesmo tempo. Dividimos ele ao meio: o lado direito é da emoção e criatividade; já o lado esquerdo é da razão e do aprendizado. Às vezes, temos dificuldade; ‘li um livro e não entendi’, ‘quero lembrar mas não consigo’. É porque esses hemisférios ficam fora de sincronia. Então, a gente perde tempo, se sente mal, não consegue fazer o que precisa.”, diz Carlos Maurício.

De acordo com ele, quando  encaixamos esses hemisférios de forma inteira, assim como uma engrenagem, o cérebro trabalha melhor. “E isso permite que nossa capacidade aumente; memória, concentração, auto-estima, aprendizado, raciocínio. Serve para qualquer pessoa.”

Carlos comenta o fato de só usarmos de 3% a 4% da capacidade de nosso cérebro — o que faz do órgão um grande desconhecido do próprio homem. Mas um programa diário de exercícios, exigindo que ele  responda e trabalhe pode mudar esse quadro, aproveitando melhor sua capacidade de funcionamento.

“Quando nós acordamos de manhã, temos uma sequência: aquecimento cerebral de sete minutos; sete exercícios principais, de um minuto cada. A intenção é ligar o motorzinho da mente. É uma manutenção técnica preventiva do cérebro. Todo dia você faz com que seus hemisférios encaixem e isso permite que o rendimento seja melhor no trabalho, nos estudos, nos negócios”, indica o especialista.

A ginástica cerebral também evitaria os famosos “brancos” na hora de realizar provas, ajuda a prevenir doenças degenerativas na terceira idade, como o Mal de Alzheimer e de Parkinson, organiza o raciocínio para que o jovem aprenda mais rápido e com mais facilidade. “Nós já temos cem escolas no Brasil onde eu treinei  os professores. Dentro de sala de aula, eles fazem os exercícios da ginástica cerebral com os alunos. Resultados espetaculares!”

Outras formas de exercitar

Existem diversas outras formas de exercitar o cérebro, além dos exercícios preconizados pela ginástica cerebral, como a prática de  passatempos simples como palavras cruzadas, sodoku, xadrez e outros jogos de tabuleiro. Todos eles estimulam memória e raciocínio. São os chamados exercícios cognitivos.O fisiologista Márcio Mousinho, porém, acredita haver uma série de outras atividades, as cotidianas principalmente, que podem, sim, servir para exercitar a mente — jardinagem, arrumar a casa, assistir a filmes e novelas, caminhar, correr. Para Mousinho, o cérebro tira proveito disso tudo. “Executando essas tarefas, o nosso cérebro recebe estímulos do tato, da audição, visão”, comenta o fisiologista.

A jornalista Ulyana Lima desde cedo percebeu a importância de estimular o raciocínio de sua filha, Cecília Machado, de 8 anos. Ela percebeu que as palavras cruzadas ajudam bastante, seja melhorando o vocabulário ou agilizando o pensamento na hora de fazer as tarefas do colégio. “Ela está mais rápida, principalmente na interpretação de texto. Isso é muito cobrado dela. E nós percebemos que quanto mais ela treina em casa, mais rápida fica. Da última vez, tive que comprar três revistinhas de palavras cruzadas, pois Cecília está acabando tudo muito rápido”, comenta Ulyana.

ExercÍcios estimulam atividade cerebral

A prática da ginástica cerebral conta com 32 exercícios ao todo, cada um com uma finalidade distinta. Alguns ativam o lado do cérebro responsável pelo raciocínio com números, outros impulsionam as palavras. Também são estimulados o aprendizado, a auto-estima, memória, concentração, dinâmica de leitura, aptidão à língua estrangeira, memória. Cada exercício deve ser feito durante um minuto e usando as duas mãos simultaneamente, massageando áreas específicas.

O especialista Carlos Maurício Prado ensina como fazer dois exercícios básicos, um para cada lado do cérebro. Um serve para estimular a inteligência e o outro a auto-estima. Serão sempre usadas as duas mãos.

Para o primeiro exercício, junte os dedos indicadores e médios de cada mão e leve-os ao centro da testa, acima dos olhos. Realize uma massagem circular durante um minuto. Não importa o sentido que os dedos giram; horário ou anti-horário, tanto faz. O movimento atinge pontos neurovasculares. Isso quer dizer que a massagem aumenta a circulação de sangue na testa; a parte rica, nobre e inteligente do nosso cérebro.

Mas, segundo Carlos Maurício, a inquietação científica é: de que maneira massagear a testa influencia o cérebro? Ele explica que a gravidade faz a energia descer e ficar depositada na nuca. “Quando uma pessoa está estressada, reclama sempre de dor nas costas, no pescoço. É porque a energia desceu, acumulou na parte animal e primitiva do cérebro.”

Outro exercício demonstrado pelo especialista, e que estimula o bem-estar e a auto-estima, é o chamado Gancho de Cook, usado em pessoas tristes, abatidas, cansadas e desanimadas. “Elas se curvam; e a glândula timo, no centro do peito, fica sufocada e não trabalha direito. As pessoas de sucesso têm o peito aberto, são expansivas; a glândula timo está aberta e trabalha melhor. Ela segrega endorfinas, que são hormônios de bem-estar”, comenta Carlos.

Sempre com a postura ereta, deve-se abrir os braços para que a glândula timo possa despertar e produzir as endorfinas; gira-se as palmas das mãos para trás, com o polegar apontando para o chão, invertendo a polaridade. “Isso coloca o cérebro de cabeça para baixo; combate a preguiça mental”, observa o especialista.

Na sequência do exercício, deve-se trazer os braços para a frente, cruzando-os e entrelaçando as mãos para os hemisférios cerebrais se unirem e, lentamente, em direção ao peito, abrace a si próprio. “Isso é algo que nós não sabemos fazer; pensamos que só podemos abraçar os outros. O aconchego é interpretado emocionalmente pelo cérebro como afeto. Eu me amo, gosto de mim, sei que sou especial.”

Carlos Maurício Prado indica também colocar a ponta da língua no céu da boca. Ao fazermos isso, segundo ele, a energia mental cresce, abre a mente, expande o raciocínio.

BATE-PAPO - Carlos Maurício Prado,  especialista em ginástica cerebral
Carlos Maurício Prado,  especialista em ginástica cerebral
Há alguma profissão que seja mais beneficiada pela ginástica cerebral?

Todas as profissões são beneficiadas pela ginástica cerebral. Podemos falar muito da parte de Educação, as escolas. Mas um psicólogo vai utilizar exercícios que fortalecem a auto-estima e a autoconfiança para que o paciente dele se recupere mais rápido. Quando a gente fala do funcionário trabalhando, aquele que escuta bem, que enxerga bem, ele é capaz de identificar sinais muito imediatos de  algo diferente acontecendo e tomar as providências necessárias. Sem falar do estresse, grande inimigo da vida moderna. Normalmente, perdemos mil neurônios por dia; mas em estressados com desgaste maior, essa taxa aumenta para 4 mil neurônios perdidos ao dia. E como o estresse é cumulativo — “há seis meses estou levando esta vida agitada”, “Há dois anos não tiro férias” — , se nós somarmos isso, vamos ver que o cérebro sofre e, com isso, o rendimento cai. Se nós praticarmos ginástica cerebral vamos, ao estimular o cérebro, recuperar o rendimento necessário.

O cérebro também tem alimentos que beneficiam o seu funcionamento? Qual é o principal combustível do cérebro?    

Quando falamos da energia que move o cérebro — claro que o alimento físico é importante, mas nós falamos do princípio da natureza — há dois elementos indispensáveis para a vida: água e oxigênio. Então, insistimos na importância de beber água, e até a chamamos de gasolina do cérebro. Nós temos 100 bilhões de neurônios e eles se comunicam por impulsos elétricos; a água conduz eletricidade, fazendo com que o raciocínio seja rápido e ajudando na memória.

As pessoas sabem da importância de se beber água?

Na verdade, hoje em dia as pessoas tomam pouca água; e o correto é, de hora em hora, beber um copo de água, para que somando ao final do dia possamos somar dois litros de água e manter o nível de hidratação constante. Mas a água é amiga do oxigênio e ele sempre trabalham de mãos dadas, juntos. Então, respirar corretamente também é fundamental. A maioria das pessoas respira errado e não sabe nem sequer disso. E o cérebro é pequeno quando a gente compara com o resto do corpo, mas consome 25% do oxigênio que respiramos. Se eu não sei e respiro errado, com pouco oxigênio o meu cérebro é lento. Quando a pessoa respira errado, prejudica o rendimento dela. Quando ela respira certo, o oxigênio é a voltagem. Ele é quem dá força para o raciocínio. Nós devemos fazer isso de hora em hora; beber água e respiramos para que o tanque esteja sempre cheio e abastecido. E, lembrando: na estrada o motorista dirige melhor com o tanque cheio.


Deixe seu comentário!

Comentários

  • rismota

    Acabo de comprar um livro da SELEÇÕES sobre o mesmo assunto e apos ler o mesmo, farei outros comentários.

  • anacarla_ruivo

    ginastica cerebral