Cerveja artesanal homenageia Nísia Floresta

Publicação: 2017-11-02 01:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Nísia Floresta Brasileira Augusta nasceu há 207 anos, no lugar que hoje leva seu nome, interior do RN. A trajetória incomum para uma mulher do século 19 a pôs num patamar de feministas pioneiras. História que inspira, e que rendeu a cerveja especial “Nísia”, produzida pela confraria paulistana de mulheres cervejeiras Goose Island Sisterhood. Uma ação em conjunto com ideologia, atitude e sabor. Nísia brindaria a isto.

Goose Island Nísia é tipo bière de garde e possui toque de caju
Goose Island 'Nísia' é tipo 'bière de garde' e possui toque de caju

“Nísia” é descrita como uma cerveja tipo ‘bière de garde’, possuidora de coloração âmbar, leve, extremamente frutada e com notas maltadas que lembram caramelo. Um detalhe a mais foi a adição do caju, uma menção à terra natal da escritora.

Segundo Beatriz Ruiz, gerente de conhecimento da Ambev e idealizadora da Goose Island, a concepção da cerveja procura aliar a história e a personalidade da homenageada para chegar à receita final.

“Nísia era natural do RN, mas passou grande parte da vida na França. Misturamos essas duas referências ao escolher o estilo da cerveja, uma bière de garde, que é típico de países como França e Bélgica, e que teve a adição do caju, fruto típico do estado onde ela nasceu e local que possui o maior cajueiro do mundo”, explica Beatriz. O nome de Nísia surgiu a partir de debates sobre representatividade e empoderamento feminino no grupo fechado que as moças possuem nas redes sociais. O grupo tem quase 700 mulheres inscritas de todo o Brasil, e nele também é escolhida a figura homenageada.                  

A essência do projeto é gerar educação para empoderar mulheres, portanto, foram selecionadas cinco personagens da história brasileira que tiveram grande representatividade e foram revolucionárias na área feminista. “Colocamos os cinco nomes em votação no grupo do Facebook, explicando a história de cada uma, e a escolhida desta vez foi a Nísia Floresta”, conta. A ONG Think Olga foi a instituição escolhida para ser ajudada com as vendas da cerveja.

Beatriz Ruiz é da Ambev e integra a Goose Island Sisterhood
Beatriz Ruiz é da Ambev e integra a Goose Island Sisterhood

Até o momento, a Goose criou três rótulos. Além de “Nísia”, o catálogo conta com a “Carolina”, homenagem à escritora Carolina Maria de Jesus (do clássico “Quarto de despejo”), uma cerveja estilo sour com toque de goiabada. O lucro foi revertido ao coletivo Di Jejê. A outra é “Enedina”, homenagem a Enedina Maria de Jesus, a primeira mulher a ter graduação de engenharia no Paraná, e primeira engenheira negra do Brasil. A cerveja é uma double brown que teve adição de pinhão.

Segundo Beatriz, o mercado cervejeiro está aberto a receber mais a participação de mulheres. “Na própria Ambev, empresa da qual faço parte, temos mulheres em diversas posições: vice-presidentes, diretoras, mestre-cervejeiras, sommeliers, etc. Claro, alguns movimentos internos permitiram isso, como a assinatura do Princípio de Empoderamento das Mulheres da ONU. Iniciativas como a Goose Island Sisterhood só reforçam esse movimento que impactam o mercado cervejeiro como um todo e ajudam na maior participação das mulheres nesta área”, conclui.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários