Chuva causa transtornos no trânsito e deve continuar ao longo da semana

Publicação: 2019-06-13 09:20:00 | Comentários: 0
A+ A-
Desde a noite desta última quarta-feira (12) e o começo da manhã desta quinta-feira (13) não parou de chover em Natal. De acordo com a Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (STTU), vários pontos de alagamento causaram transtornos no trânsito e houve atrasos nas linhas de ônibus.

Entre 2012 e 2017, predominância foi de seca no RN. Primeiras chuvas de 2019 foram animadoras
Praticamente toda madrugada foi de chuva na capital potiguar

Os pontos mais afetados pela chuva foram a saída da Zona Norte pela ponte de Igapó, as avenidas Tomaz Landim com lentidão desde o Gancho e a Dr. João Medeiros Filho, desde a Área de Lazer.

Em alguns trechos houve formação de lâminas d'água na Av. Prudente de Morais com a Av. Nascimento de Castro, e também na Rua Silvio Pélico com a Rua Fonseca e Silva. A STTU pediu atenção redobrada de motoristas nessas vias. Na altura da AABB, em Petrópolis, os alagamentos começaram a diminuir.

Previsão
De acordo com o meteorologista da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn), Gilmar Bristot as chuvas devem continuar até o começo da tarde de hoje voltando no final da tarde e início da noite. "É muito comum nesse período do ano, precipitações durante a madrugada se estendendo até pela manhã, como pôde ser visto ontem", disse.

Nesta quarta-feira, o monitoramento do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) registrou maiores chuvas no litoral sul potiguar: entre 70 a 80mm. Na Grande Natal, as chuvas ficaram em torno de 30 a 40mm, conforme o previsto pela Emparn.

Nas últimas 24h, em Natal a média de chuva foi aproximadamente de 33mm. Os dados foram captados a partir de medidores de chuva espalhados pela capital. O bairro em que mais choveu foi Neópolis: 44.8mm, seguido de Pajuçara (41.7), Ponta Negra (39), Cidade Alta (28.6), Nossa Senhora da Apresentação (28.6), Cidade Alta (28.6), Guarapes 1 (25.4), Guarapes 2 (25.2) e Nazaré (24.6), segundo o meteorologista.

Interior
No mês de junho, lembra o meteorologista da EMPARN, “tem-se o início do período seco no interior do Estado, devido ao afastamento da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT)”. As chuvas mais significativas ficam restritas as regiões Leste e Agreste, ocasionadas pelos sistemas meteorológicos de origem oceânicos (pulsos de leste e sistemas de brisa)”. As atuais condições oceânicas/atmosféricas mostram um enfraquecimento do Fenômeno El Niño no Oceano Pacífico e com tendência de normalidade para os próximos meses.

Esse comportamento, El Niño fraco no oceano Pacífico, associado a uma melhora nos campos da pressão atmosférica e vento na superfície do Oceano Atlântico Sul, indicam que as chuvas deverão normalizar durante a segunda quinzena do mês de junho, com índices pluviométricos que deverão variar entre 30 milímetros (mm) a 50mm no interior, de 50 a 150mm no Agreste e de 150 a 250mm no Litoral Leste.

O El Niño é um fenômeno caracterizado pelo aquecimento anormal das águas superficiais no Oceano Pacífico Tropical e influencia na alteração do clima regional e global, afetando regimes de chuvas em regiões tropicais, como o Brasil, e de outros locais que se encontram em latitudes médias.















continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários