Chuvas causam deslizamento e casas e prédio são evacuados em Natal

Publicação: 2014-06-14 20:39:00
Renata Moura e Sara Vasconselos - Repórteres

O segundo dia seguido de chuvas em Natal teve deslizamento de terra, desabamento de casas, interdições e alagamentos em vários pontos da cidade. Os problemas ocorrem em meio à Copa do Mundo de Futebol, que tem a capital entre as 12 cidades sedes dos jogos.

Um dos principais problemas está na rua Guanabara, no bairro de Mãe Luíza, onde uma cratera se abriu, ontem, provocando um deslizamento em direção à avenida Dinarte Mariz, na praia de Areia Preta. O trecho é um dos corredores de passagem para os hotéis da Via Costeira - onde estão hospedadas as seleções do México e dos Estados Unidos.
Prefeiro Carlos Eduardo se reúne no gabinete e determina que todas as secretarias fiquem em alerta
Ao menos cinco carros ficaram parcialmente soterrados ontem. Hoje, continua jorrando água no local e novos problemas foram registrados. Moradores de um prédio residencial de luxo, nas proximidades, informaram que o edifício está sendo evacuado neste momento. A informação ainda não foi confirmada por fontes oficiais.

Segundo a Defesa Civil, houve novos deslizamentos de terra hoje, a cerca de 50 metros da área afetada ontem. Duas casas teriam sido atingidas. Um muro próximo à praia de Areia Preta também caiu.

O trânsito foi bloqueado na avenida. Uma montanha de areia levantada no dia anterior, para servir de contenção, não foi suficiente para evitar a queda.

Apenas moradores e hóspedes da área, além de “veículos oficiais”, como carros do exército, tinham a passagem autorizada por servidores da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob), até o início da noite, e não havia previsão para a liberação de 100% do tráfego. A Urbana removia a areia da pista, com o reforço de máquinas e de ao menos 15 homens.

O gerente de Operações da Urbana, Joseildes Medeiros, informou à reportagem da TRIBUNA DO NORTE que representantes de diversas secretarias municipais estavam reunidos no Palácio Felipe Camarão, sede da Prefeitura. Ele disse não ter informações detalhadas sobre o encontro, mas cogitou que estariam em pauta os problemas decorrentes das chuvas.

Na rua Guanabara - “ladeira acima” para quem está em Areia Preta e ponto de origem do deslizamento da sexta-feira - homens usavam “sacos de areia” para evitar a queda de outro muro, que causaria um problema maior. O muro está na mesma área em que a cratera foi aberta na sexta e de onde partiu o deslizamento de terra.

“Se continuar chovendo, há risco de um novo deslizamento. É esse muro que está segurando tudo”, disse o doutor em Engenharia Civil Ricardo Severo, que atua na área de geotécnica, em campos como a estabilização de encostas. Ele estava com uma equipe da prefeitura no local e afirmou que, em um cenário mais pessimista, há a possibilidade de queda do muro, de uma escada e de parte da rua. “Mas não tem fissura no local, não tem indício de que isso vá acontecer”, frisou, no final da tarde, afirmando que não havia risco para prédios construídos nas proximidades. 

O secretário municipal de obras, Tomaz Neto, estava na área, mas se negou a dar entrevista. “Estou muito ocupado trabalhando, mobilizando pessoas”, disse, no final da tarde.

Havia a expectativa de que ao menos três casas na rua Guanabara fossem desocupadas.

Desmoronamento

A poucos quilômetros dessa área, na rua Lins Bahia, em uma área conhecida como “favela do Jacó”, a Defesa civil interditou 11 casas, após três delas terem desmoronado. “Cozinha, banheiro e quintal. Mais quatro casas correm o mesmo risco”, informou o agente da Defesa Civil, José Vanderli. “Nos fundos dessas casas tem um muro de arrimo, que serve de encosta. É aí que está o problema”, disse o agente. Os problemas, na área, começaram por volta das 16h.

Os desmoronamentos não deixaram feridos, mas deixaram em prantos a desempregada Lenice Patrício do Nascimento. A casa em que vivia há sete meses com o marido foi a primeira cair. “Ontem, as paredes e o chão já estavam rachados. Hoje eu puxei a máquina de lavar da área de serviço e tudo caiu (a área de serviço e a cozinha). Veio primeiro o teto e depois o chão e uma avalanche de lama e barro”, contou, com os olhos marejados. A casa era conjugada com a  da irmã, que também desmoronou. “Só consegui salvar a geladeira, o fogão e a máquina de lavar roupas. Está tudo espalhado na casa dos vizinhos. Meu sofá e o meu quarto foram embora”, lamentou Lenice.

De acordo com agentes da Defesa Civil. “todas as áreas da cidade enfrentam problemas com as chuvas de hoje. A 50 metros da área em que houve deslizamento em areia preta, houve um novo deslizamento em mão Luiz e duas casas foram atingidas. Na Zona Norte de Natal, no loteamento Aliança, por trás do Instituto Federal de Educação Tecnológica (IFRN), uma cratera com 5 metros de profundidade se abriu, disse o agente José Vanderli.

Shopping

Os problemas não ficaram restritos às ruas de Natal neste sábado. No shopping Midway Mall, a loja de roupas Renner fechou as portas após parte do teto ter cedido. Não há informações sobre problemas em outras lojas do shopping.

Copa

A chuva afeta Natal desde ontem, dia em que México e Camarões se enfrentaram pela Copa do Mundo, no primeiro jogo do Mundial realizado na Arena das Dunas. O México venceu a partida por 1x0.

Além da chuva, problemas no transporte público – incluindo greve dos motoristas de ônibus e oferta insuficiente de táxis - dificultaram a chegada dos torcedores ao estádio.

O próximo jogo na arena será realizado nesta segunda-feira (16). O duelo ocorrerá entre as seleções de Estados Unidos e Gana.

Edifício

Morador do Edifício do Aldebarãn, em Areia Preta, o médico otorrinolaringologista Pedro Cavalcanti lamenta que, após o deslizamento de terra ocorrido ontem, os órgãos de Defesa Civil do Município não tenham adotado medidas para impedir o agravamento da situação. Além da retirada de terra e interdição da avenida, ações como processo de escoramento e coberturas por meio de lonas plásticas para evitar que a enxurrada acelerasse o processo de erosão.

“Não sou engenheiro, mas no mínimo, seria necessário lonas nos barrancos para diminuir o problema, uma vez que as chuvas continuaram durante todo o dia de hoje”, disse.

O médico deixou o apartamento no final da tarde deste sábado, antes do alerta do Corpo de Bombeiros e Defesa Civil para evacuação do prédio. Cavalcanti conta que o lobby e garagem já estavam inundados desde às 16h de hoje, quando uma nova tromba de água arrastou um muro que se chocou contra um poste de iluminação pública e ameaça cair. “O sentimento entre os moradres é de medo. O risco de desabamento existe e a situação é ainda mais grave hoje do que ontem. A maior parte dos moradores deixaram o prédio antes ou agora com a notificação dos Bombeiros”, afirmou.