Cine Fest RN anuncia 25 produções

Publicação: 2018-04-04 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Isaac Ribeiro
Repórter

O Cine Fest RN anunciou ontem (3), em evento para imprensa e convidados, os filmes integrantes das mostras competitivas de longas e curtas-metragens, mostras itinerantes, e ainda os selecionados para o concurso de fotografia Turismo e Cultura no Elefante, e o conteúdo de seminários, oficinas e exposições.

Inédito na tela, ficção histórica “Nova Amsterdam”, do diretor natalense Edson Soares, abrirá o Cine Fest RN, fora de competição
Inédito na tela, ficção histórica “Nova Amsterdam”, do diretor natalense Edson Soares, abrirá o Cine Fest RN, fora de competição

O festival acontece de 24 a 29 deste mês, com exibições gratuitas nas salas do Cinemark Natal e sessões alternativas em outros pontos. A sessão de abertura terá a estreia do longa “Nova Amsterdam”, do diretor Edson Soares, coordenador do Cine Fest. Para o encerramento, será exibido o longa documental “Cinema Novo”, de Eryk Rocha, filho do diretor Glauber Rocha. O filme aborda o movimento cinematográfico que revolucionou as criações artísticas dos anos 1960 e 1970. Lançado em 2016, recebeu um prêmio no festival de Cannes (“Olho de Ouro”).

Para as mostras competitivas, os curadores selecionarão ao todo30 filmes, entre longas e curtas-metragens, e ainda 10 fotografias. Concorrem nas três mostras competitivas do festival cinco longas nacionais, 10 curtas nacionais e mais 10 curtas  potiguares. A produção informa que mais dois ou três filmes ainda serão anunciados, pois continuam sendo analisados por um dos jurados.

Já exibido no RN, “Gabriel e a Montanha” conta a história de mochileiro que sumiu no monte Malauí
Já exibido no RN, “Gabriel e a Montanha” conta a história de mochileiro que sumiu no monte Malauí

Dos cinco longas-metragens que participarão da mostra competitiva nessa categoria, apenas três foram anunciados ontem: “Açúcar”, de Renata Pinheiro e Sérgio Oliveira (2017/PE); “Nó do Diabo”, de Ramon Porto Mota, Gabriel Martins, Ian Abé e Jhésus Tribuzi (2016/PB); e “Gabriel e a Montanha”, de Felippe Barbosa (2017/RJ).

Com Maeve Jinkings como protagonista, o pernambucano “Açúcar” trata de conflitos entre a herdeira de um decadente engenho de açúcar e antigos trabalhadores do canavial, que querem plantar flores no lugar.

“Açúcar” também aborda conflito racial em cenário nordestino
“Açúcar” também aborda conflito racial em cenário nordestino

O paraibano “Nó do Diabo” traz como cenário uma fazenda tomada por horrores há mais de 200 anos.  O filme reúne cinco histórias sobre escravidão e racismo ambientadas em diferentes épocas da história brasileira. Já “Gabriel e a Montanha”, produção carioca já exibida na recente Mostra de Cinema de Gostoso e um dos concorrentes em Cannes, em 2017, relata o sonho de um jovem em conhecer a África não só pelos seus pontos turísticos, mas sim a partir do estilo de vida do africano. O filme mostra a relação de Gabriel e os habitantes do local.

Entre os curtas-metragens potiguares, alguns já têm uma carreira de exibições e premiações em festivais locais e de fora de Estado. Um deles é a ficção científica “Em torno do sol”, dirigido por Júlio Castro e Vlamir Cruz, com o músico Adriano Azambuja como protagonista. O filme foi escolhido melhor ficção no Festival Aos Berros, de Minas Gerais, em 2017;  melhor direção, fotografia, arte e som na Mostra Sesc de Cinema 2017, em Natal.

“Nó do Diabo” retrata escravidão no Brasil sob ótica do terror
“Nó do Diabo” retrata escravidão no Brasil sob ótica do terror

Outros filmes já exibidos em Natal e em mostras fora da cidade são “Athayde”, de Paulo Dumaresq (2017/RN), sobre a vida e a obra do ator potiguar Fernando Athayde; e “Ília”, de Dhara Ferraz e Moniky Rodrigues, escolhido melhor curta e melhor roteiro do Intercom Nordeste (2015).

O coordenador Edson Soares se mostrou satisfeito com o número de inscritos em todas as categorias, principalmente por ser a primeira edição do festival. “Tivemos participações de vários estados do Brasil, até nas fotografias com temática sobre a cultura e o turismo do Rio Grande do Norte, que recebeu imagens dos quatro cantos do Estado potiguar.”

De acordo com o que foi anunciado, as exibições dos filmes  ocorrem entre os dias 25 e 28, com sessões de curtas às 19h, e de longas a partir das 20h15.

“Cinema Novo”, de Eryk Rocha, é manifesto sobre movimento
“Cinema Novo”, de Eryk Rocha, é manifesto sobre movimento

Os vencedores das mostras competitivas serão anunciados e premiados no dia 29, às 19h. A partir das 20h será exibido o longa “Cinema Novo”, de Eryk Rocha, filme convidado pelo evento para o encerramento.

A premiação para longas-metragens será de R$ 5 mil para o melhor filme; R$ 3 mil para melhor diretor; R$ 3 mil para melhor atriz e o mesmo para melhor ator. O melhor curta-metragem nacional receberá R$ 3 mil. O mesmo valor para o melhor curta potiguar de ficção; e R$ 2 mil para os escolhidos nas categorias de melhor diretor, melhor roteirista, melhor ator e melhor atriz.

Além dos filmes exibidos no Cinemark, também haverá mostras itinerantes nas zonas sul e norte de Natal, e também na praia da Pipa, com três dias de exibição em cada local. Também serão realizados concurso fotográfico, seminário sobre audiovisual e uma oficina de formação de atores. O Cine fest Natal é uma realização do Governo do Estado via Secretaria de Turismo e da Engady Cine Vídeo, com recursos do Banco Mundial.

Programação
24 de abril
20h30 – “Nova Amsterdam”
De 25 a 28 de abril
19h – Sessão de curtas
20h15 – Exibição de longas

29 de abril
19h – Anúncio dos resultados das mostras e entrega dos troféus
20h – Exibição de “Cinema Novo”
 
Mostra Itinerante – zona Norte
Dias: 10, 11 e 12, Cinépolis, Partage Norte Shopping. 9h às 11h
 Zona Sul -  16, 17 e 18, Cinépolis, Natal Shopping/ Hora: 9h às 11h
 Pipa - Dias: 20, 21 e 22 de abril
Local: Praça do Pescador, 18h
 
Oficina
Preparação de Atores com Anselmo Vasconcellos. Dias 26, 27 e 28 de abril. Onde: Auditório do IFRN (Cidade Alta)
Hora: 9h às 12h e 14h às 17h
Inscrições gratuitas
 
Seminário
“As mudanças no Fundo Setorial do Audiovisual e os novos rumos da indústria audiovisual brasileira”
25 de abril, IFRN. 9h.
 
Curtas potiguares
Em Torno do Sol - Júlio Castro e Vlamir Cruz.
Ressaca - Ariel Sullivan 
O Baobá e seu Poeta - Walton Schiavon.
Ília - Dhara Ferraz e Moniky Rodrigues.
Athayde - Paulo Dumaresq
(IN) Sustentável - Seo Cruz/Júlio Castro.
Cabra de Peia - Rui Lopes
Nunca pare de Andar - Txiago Emanoel.
Luzia - Diego Pereira
Nada foi em Vão - Sihan Félix
Um terço de mim - Sihan Félix.
Bordô - Wigna Ribeiro.
 
Curtas nacionais
O vestido de Myrian - Lucas H. Rossi.
Rainha - Sabrina Fidalgo. Ficção,
Paraíso Insólito - Anselmo Vasconcellos.
Hosana nas Alturas -Eduardo Varandas Araruna.
Love Frames - Gustavo Santos.
Intocável - Matheus Medeiros.
Quando parei de me preocupar com Canalhas  -Tiago Vieira.
Haraam - Kevin de Oliveira
Maria - Elen Linth e Riane
Horizontes -Gabriel Newton.
Ao final da Conversa eles se despedem com um abraço  - Renan Brandão.
Braços Abertos - Monique Lima. 

Longas-metragens – Competitiva
Açúcar - Direção: Renata Pinheiro e Sérgio Oliveira. 
Nó do Diabo - Ramon Porto Mota, Gabriel Martins, Ian Abé e Jhésus Tribuzi. Suspense/Terror
Gabriel e A Montanha
Direção: Fellipe Barbosa.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários