Cintra procura desqualificar notícias sobre viagens e Oscip

Publicação: 2011-12-07 00:00:00
A+ A-
Ricardo Araújo - repórter

O secretário municipal de Juventude, Esporte, Lazer e Copa do Mundo da Fifa, Rodrigo Martins Cintra, respondeu ontem aos pedidos de entrevistas feitos pela TRIBUNA DO NORTE tentando desclassificar as reportagens publicadas nas versões online e impressa do jornal, entre os dias 11 de novembro e 4 de dezembro deste ano, sobre os gastos dele com viagens e as censuras da Controladoria Geral ao contrato da pasta com a Oscip “De Peito Aberto”. Para Rodrigo Cintra, as reportagens foram “sensacionalistas e baseadas em documentos fraudulentos”.

As reportagens abordam, principalmente, o quantitativo gasto pelo erário municipal quanto ao pagamento de passagens aéreas e hospedagens do secretário (R$ 17.704,00 entre setembro e outubro deste ano), além do cancelamento de um convênio de aproximadamente R$ 1 milhão firmado entre o Município e a “De Peito Aberto”. As despesas com viagens e diárias estão sendo analisadas pelo TCE, como informou a TN de ontem. As irregularidades no contrato foram denunciadas na CEI da Câmara Municipal. Posteriormente, o contrato foi cancelado pela prefeitura.

O secretário Rodrigo Cintra marcou e desmarcou várias entrevistas, pedida pela TN, no período de publicação das reportagens. Ontem, após ser abordado em um evento público pelo repórter do jornal, disse ter enviado carta à direção de redação, o que não foi confirmado pela assessoria jurídica dele. O ofício  nº 796/2011 – GS – Secopa chegou, via email à TRIBUNA DO NORTE às 12h59min, após a entrevista do secretário (veja texto abaixo).

 Cintra destacou, no documento, que “informações distorcidas ou denúncias plantadas feitas através de factóides, dados incompatíveis com a verdade e documentos que não condizem com a realidade dos fatos, tem chegado a este bravo jornal, visando macular a grandeza do trabalho a que nos propomos realizar”.

Sobre o convênio firmado com a Oscip “De Peito Aberto”, o secretário disse que reitera não possuir “qualquer vínculo com a renomada Organização da Sociedade Civil de Interesse Público “De Peito Aberto”. O alegado convênio, motivo de dúvidas ou suspeição, não teve sequer início, nem qualquer tipo de repasse de recursos financeiros foi realizado, o que torna inócua qualquer arguição de suspeição”.

Não é feito qualquer comentário sobre as irregularidades, apontadas pela controladoria municipal nem sobre o posterior cancelamento do contrato por determinação do gabinete da prefeita Micarla de Sousa. O secretário Rodrigo Cintra ocupa espaço considerável da carta para destacar os avanços pelos quais Natal vem passando no quesito Copa do Mundo. “Podemos dizer que a cidade de Natal hoje é reconhecida como uma das capitais mais preparadas estruturalmente, tanto na questão turística como de logística, já que tem as soluções de mobilidade urbana mais simples para a organização do Mundial”.

Ressaltou, ainda, que as viagens citadas pelas reportagens veiculadas na TRIBUNA DO NORTE servirão para angariar recursos para a pasta da qual é titular e expandir os investimentos em melhorias na área do esporte e lazer. Reafirma que viaja sempre em missão de representação oficial da cidade, em eventos relacionados à Copa 2014, e finaliza de forma poética.

“Não fosse o refúgio da brisa amena nosso foco, seria muito mais cômodo, passar, burocraticamente, todos os meus dias enquanto gestor público à frente da Secopa, em Natal, executando o possível com o limitado orçamento da pasta, indiferente aos anseios, acima de tudo, dos segmentos mais carentes da nossa sociedade, e ter a oportunidade de contemplar, todos os dias, no fima da tarde, o pôr do sol no magnífico Rio Potengi”.

Na carta enviada à redação, o secretário afirmou que fez as viagens “em busca de novas alternativas de melhorias na política pública do Estado”. Ele  disse que conseguiu atrair R$ 9 milhões, o que representaria um aumento de 100% no orçamento da Secretaria. “São vários projetos e programas federais, dentre eles: os jogos escolares (R$ 1,9 milhões), Programa 2º Tempo (R$ 2,2 milhões), praças de esporte e cultura (R$ 4,4 milhões), seminários (R$ 260 mil) e reforma do Palácio dos Esportes (R$ 870  mil)”, apontou Rodrigo Cintra.

Bate-papo

Rodrigo Cintra,
secretário municipal de Esporte, Lazer e Copa

“Vou viajar quase todo dia, se for necessário”

O senhor tem como justificar todas aquelas viagens?

Foram justificadas em todos os âmbitos que vocês possam imaginar. Desde o Tribunal de Contas ao Ministério Público. Está, inclusive, à disposição na Sala da Transparência como eu falei com a jornalista que veiculou as matérias, chamada Anna Ruth. Está lá na Sala da Transparência à disposição com todas as convocações, todos os convites e todas as informações pertinentes à viagem. Até porque viajar a passeio eu viajaria paraa Natal e não para Brasília.

O senhor pretende diminuir  essas viagens ou elas são extremamente necessárias?

Eu não quero mais falar sobre este assunto. Eu acho que não tem porque ficar falando até porque eu estou trabalhando. E não estou trabalhando pouco. Então, se quiser falar sobre o resultado das viagens, eu posso falar. Inclusive dizer que nós já estamos aí com mais de R$ 10 milhões garantidos para o próximo ano. Inclusive, estamos voltando a Brasília nos próximos dias para pleitear mais R$ 51,8 milhões. Agora, se viajar a Brasília e gastar R$ 500, R$ 1.000 ou R$ 2.000 e trazer esse valor para a cidade for efetivamente constatado, eu vou viajar quase todo dia, se for necessário. Desde que não infrinja nenhuma legislação e desde que se cumpra todos os procedimentos legais. Então esse assunto ele para mim está mais que encerrado.

A prefeita pediu explicações ao senhor sobre o excesso de viagens e sobre o convênio com a Oscip de Peito Aberto?

Vocês também já receberam uma carta de solicitação de retratação, onde eu informo, inclusive, os artigos e os códigos e as leis que amparam para termos feito aquele tipo de convite para a formalização de um convênio. Então, além de todo o sensacionalismo pré-instalado, nós temos a noção plena do que assinamos e por haver divergências de opiniões, nós preferimos, naquele momento, cancelar o convênio juntamente com a decisão maior da nossa prefeita. Porque não houve um consenso entre todas as partes da sociedade até porque a Copa do Mundo não é nossa. Se a Copa do Mundo não vier, a Tribuna do Norte perde, a cidade perde, você perde, eu perco, todos nós perdemos. Então, nós estamos apenas tentando fazer o melhor para a cidade. Se aquele foi o melhor tentado naquele momento e não foi aprovado por unanimidade, vamos em busca de outras alternativas. É assim que a gente está fazendo. Democracia é isso. Agora com propriedade, com responsabilidade e com seriedade. Dessa forma, nós vamos trabalhar. E não vão ser aquelas matérias que foram veiculadas inclusive com documentos fraudulentos, que nós vamos deixar denegrir a nossa imagem.

O senhor cogitou em algum momento deixar o cargo?

Não vou mais falar sobre esse assunto. Nem passagem, nem Oscip. Acho que já falei bastante. E o meu cargo eu termino quando eu terminar o meu trabalho ou quando a prefeita considerar que o meu trabalho terminou. Em nenhum momento eu cogitei deixar o meu cargo. Até porque eu vim para assumir um desafio. Desafio assumido e estão aqui os resultados. Até porque uma secretaria (Secopa Municipal) que até então era uma secretaria que tinha R$ 9 milhões de orçamento no papel e que na prática não conseguia nem desempenhar esses valores e nem empenhar esses valores, hoje já está com o ano de 2012 com os seus R$ 9 milhões garantidos e com mais de R$ 10 milhões em projetos garantidos junto ao Governo Federal. Então nós estamos mais dobrando o orçamento da secretaria. A nossa expectativa é que, independente de qualquer intempérie política, de qualquer problema e de qualquer sensacionalismo, a nossa preocupação é com a cidade. Enquanto eu estiver com disposição e a prefeita acreditar no meu trabalho, pode ter certeza de que não serão matérias que nos farão desistir desse compromisso.

O senhor comentou que os resultados das viagens são muito positivos. Quais são os mais relevantes do seu ponto de vista?

Estão na carta que eu pedi para publicar na íntegra junto ao seu editor chefe.