Cookie Consent
Política
Cláudio Santos afirma que fechar hospital é desgoverno
Publicado: 00:37:00 - 11/11/2016 Atualizado: 00:38:27 - 11/11/2016
O presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Cláudio Santos, afirmou que “fechar hospital público é desgoverno”. O desembargador fez referência ao fechamento da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Maria Alice Fernandes e à paralisação do atendimento do Hospital da Mulher, em Mossoró. A declaração foi em Caicó, durante entrevista à Rádio Rural.
Desembargador Cláudio Santos nega que tenha interessa de concorrer a um mandato eletivo
Cláudio Santos disse que, se não foram adotadas medidas emergenciais e eficazes, o Rio Grande do Norte ficará ingovernável até março. Ele lembrou que as informações mostraram que o Estado está entre os que têm as piores situações financeiras.  Por isso, alertou, sem um ajuste que enfrente essa crise, o RN logo estará em um quadro tão grave quanto o Rio de Janeiro, que decretou, oficialmente, “calamidade financeira” e entrou em colapso administrativo.

O presidente do Tribunal também apontou dificuldades nos serviços públicos essenciais. O desembargador citou a segurança, que atualmente tem a disponibilidade de R$ 1 milhão por mês para custeio, quantia insuficiente para a atuação das polícias Militar e Civil. Cláudio Santos disse que poderia ser pior, se não tivesse havido doações, pelo TJ, de armamentos e munições.

O presidente do TJ ressaltou que tem demonstrado preocupação com esses problemas, porque o Judiciário “não pode ser uma ilha de prosperidade”, enquanto a população enfrenta tantas dificuldades. Segundo o desembargador, como está atualmente em um cargo que representa o Tribunal, não deve ficar alheios a essa realidade.

“Eu não estou hoje exercendo atividades típicas de juízes, o meu cargo é de atribuição política-administrativa. Se não é característica de um juiz, é do presidente do Tribunal, que deve participar das discussões sobre os problemas do Estado”, disse. Ele também defendeu a possibilidade do TJ transferir R$ 100 milhões, condicionados à aplicação em melhorias na saúde e segurança. 

O desembargador lembrou que já transferiu R$ 20 milhões para a construção de um presídio e não houve questionamentos sobre a constitucionalidade da iniciativa. Além disso, destacou que, no Rio de Janeiro, o Tribunal repassou R$ 400 milhões para o Executivo. Ele citou esses exemplos ao defender a transferência, que foi criticada pela Associação dos Magistrados do RN. Cláudio Santos destacou que, se os demais desembargadores concordarem com a transferência, uma vez que a decisão não é exclusiva da presidência do TJ, não haveria empecilho.

Durante a entrevista, ele ainda negou que esteja motivado por interesse eleitoral.  “Algumas pessoas, eventuais desafetos, alguém que eu deva ter contrariado os interesses pessoais, vai me desqualificar, dizendo que isso tudo é para fazer política”, lamentou. Mas ele assegurou não haver motivações partidárias.

“Há também os políticos profissionais que se acham eternos. Não tem senadores eternos no Rio Grande do Norte, que são perpétuos? Tem governador perpétuo... Mas ninguém participa de nada, diz nada, só esperando a próxima eleição e as conveniência pessoais”, acrescentou.  Ele disse que não tem pretensão de concorrer a um mandato eletivo. “Alguns não gostam pensando que sou ameaça, mas não sou ameaça para ninguém. Quero dizer que vou continuar no Tribunal de Justiça, disseminando a Justiça, que me faz muito feliz, e, particulamente, racionalmente, não tenho essa pretensão”, afirmou, ao garantir que não deverá ser candidato. O desembargador ainda comentou que não diria “nunca”, com relação à possibilidade de atuar na política partidária, mas reafirmou não ter “essa pretensão”.

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte