Cláudia é cassada em mais uma ação na Justiça

Publicação: 2013-10-08 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
A prefeita afastada de Mossoró, Cláudia Regina Freire (DEM), e o vice, Wellington de Carvalho Filho, foram condenados pela quarta vez com a perda do mandato de chefes do executivo municipal. O juiz eleitoral Herval Sampaio entendeu que os democratas praticaram o abuso de poder, bem como a captação ilícita de sufrágio e de condutas vedadas. O magistrado determinou o afastamento imediato de ambos (eles já estão afastados dos respectivos cargos).  A denúncia partiu da coligação que tinha a deputada estadual Larissa Rosado, como candidata, e o PSB. Os fatos entrelaçam a então candidata Cláudia Regina e a governadora Rosalba Ciarlini por suposto favorecimento da segunda à primeira. De acordo com Herval Sampaio, Cláudia Regina está inelegível por oito anos. Ele destaca também que deverá ser feita nova eleição em Mossoró, uma vez que os eleitos em outubro de 2012 obtiveram mais de 50% dos votos.
Alex RégisSituação de Cláudia se complica com nova condenação em Mossoró e pedido de inelegilidadeSituação de Cláudia se complica com nova condenação em Mossoró e pedido de inelegilidade

Entre as denúncias está a de promessas e doações realizadas em prol dos concorrentes do DEM – utilização excessiva de recursos econômicos e políticos com a finalidade de criar situações favoráveis à eleição. Os autores também nominaram o empresário Edvaldo Fagundes como braço direito das ilicitudes. Ele teria oferecido ajuda às duas principais instituições católicas da cidade, “promessa estendida a outras instituições inclusive com indicativo de continuidade na ajuda, para, no caso de vitória da então candidata Cláudia Regina e seu vice”, frisou a denúncia da equipe de Larissa Rosado.

 A prefeita afastada também foi acusada de receber  ajuda do empresário para doação de bicicletas de promessas realizadas anteriormente às eleições e entrega posterior, a ser feita com a presença de filhos da governadora, bem como do filho do deputado Betinho Rosado. Há ainda menção de doação de cadeiras de rodas pela filha do empresário Edvaldo Fagundes, conjuntamente a panfletos com propaganda negativa à campanha da então candidata Larissa Rosado.

Veículos

Cláudia Regina também está sendo acusada da utilização de veículos em propagada eleitoral, inclusive com registro junto à Justiça Eleitoral, e pior: sem contabilização em prestação de contas. Ela teria, segundo a acusação, alterado o limite de gastos durante da campanha  e inclusive superado o limite de despesas previsto para custeio. Segundo consta na peça analisada pelo juiz Herval Sampaio, houve propaganda ilícita realizada no dia das eleições pela governadora Rosalba Ciarlini em favor dos investigados.

Até a decisão de ontem, as atenções estavam voltada para o Tribunal Regional Eleitoral, que deve julgar hoje o agravo interposto pelo advogado da prefeita, Humberto Fernandes, contra decisão anterior, que afastou Cláudia da prefeitura na semana passada.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários