CMEIs param atividades por falta de funcionários

Publicação: 2010-04-13 00:00:00 | Comentários: 1
A+ A-
Os Centros Municipais de Educação Infantil sofrem, desde a última semana, com dificuldades para continuar com as aulas. Alguns CMEIs estão paralisando total ou parcialmente as suas atividades por falta de funcionários. O motivo é o atraso no pagamento de funcionários terceirizados da rede municipal de educação, vinculados à empresa SS Construções, Serviços e Empreendimentos LTDA. Segundo informações de pais e diretores dos Centros, a Prefeitura de Natal não faz o repasse dos recursos para a empresa desde outubro e por isso a SS Construções não tem mais como bancar os seus funcionários.

O problema de pagamento atinge o chamado “pessoal de apoio”, em outras palavras vigias, porteiros, merendeiras, assistentes de secretaria, entre outros. Apesar  de atuarem no apoio, esses funcionários são essenciais para o funcionamento das escolas e, por isso, o trabalho está comprometido. Um dos Centros com maior dificuldade de funcionamento é o de Mirassol. Como a maioria dos terceirizados moram longe da escola, a falta de pagamento tanto de salário quanto de vale-transporte impede o deslocamento e a chegada ao trabalho. Lá, não há aula desde quarta-feira da semana passada.

Os pais dos alunos do CMEI de Mirassol estão se articulando para enfrentar o problema. Para que o patrimônio da escola não seja depredado, o Conselho Escolar do CMEI está custeando as passagens de ônibus de dois vigias, um diurno e outro noturno. “Não gosto de usar essa palavra, mas temos uma escola que é referência. Deixar isso aqui abandonado é pedir pra perder o que conquistamos”, diz Jalmira Damasceno, que é avô de uma criança da escola.

O desespero atinge não somente os pais de alunos, mas principalmente os próprios funcionários com salários atrasados. No CMEI Vilma de Faria, localizado no bairro de Morro Branco, o vigia Antônio Santana, vinculado à SS Construções, está revoltado com a situação. “Estamos sem vale-transporte, vale-alimentação e sem salário. Meu aluguel está atrasado e tenho medo das consequências desse atraso. Não posso correr o risco de ser despejado”, afirma. Antônio mora próximo ao CMEI, mas outros funcionários, que preferiram não se identificar, estão pegando dinheiro emprestado para ir trabalhar. Uma merendeira do Vilma de Faria afirmou que, caso o assunto não fosse resolvido, não haveria merenda hoje. O CMEI Vilma de Faria está funcionando somente meio período, apesar da necessidade dos pais, que trabalham o dia inteiro, de um local para deixar suas crianças.

A reportagem da TRIBUNA DO NORTE entrou em contato com a empresa SS Construções, Serviços e Empreendimentos, que pertence  ao Grupo Interforte, mas não houve resposta em tempo hábil. A Secretaria Municipal de Educação informou que estaria normalizando a situação até amanhã.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários

  • rodrigoigor1

    LITERALMENTE, UMA VERGONHA.... POR FAVOR, QUALQUER BABÃOZINHO ACESSOR DE MICARLA, LEVEM ESSA REPORTAGEM PARA A IRRESPONSÁVEL DA PREFEITA, PARA QUE ELA FAÇA UMA REFLEXÃO DA SUA GESTÃO, E RESOLVA DE UMA VEZ ESSA SITUAÇÃO. CHAME OS APROVADOS DO ÚLTIMO CONCURSO PARA TRABALHAREM, FAÇA UM NOVO CONCURSO E ACABE COM SOFRIMENTO DESSAS PESSOAS QUE ESTÃO TRABALHANDO SEM SABER QUADO IRÃO RECEBER SEUS DEVIDOS SALÁRIOS, POIS COM CERTEZA É MELHOR TÁ SEM TRABALHO E FAZENDO BICO DO QUE TRABALHAR SEM RECEBER... AGORA O QUE ESSA IRRESPONSÁVEL QUER MESMO, É QUE O POVO TRABALHE DE GRAÇA PRA ELA.... LITERALMENTE, A PIOR ADMINISTRAÇÃO QUE NATAL JÁ TEVE......