CNM divulga Nota Técnica sobre covid

Publicação: 2021-01-28 00:00:00
Para lidar com a pressão social e esclarecer a comunidade local sobre a campanha de imunização e sobre a vacina contra a Covid-19, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) elaborou um Plano de Comunicação em Saúde. Criado pela entidade para apoiar os gestores municipais, o documento apresenta orientações práticas e sugere como organizar o fluxo de informações.

Créditos: Adriano AbreuMaioria dos municípios brasileiros já deu início à vacinaçãoMaioria dos municípios brasileiros já deu início à vacinação

Os materiais publicitários para a aplicação do plano também podem ser usados pelos gestores municipais. O objetivo é apoiá-los neste momento complexo e de conteúdo desencontrado, além de facilitar a disseminação de informações confiáveis e oficiais alinhadas com toda a máquina pública municipal, principalmente as Secretarias de Assistência Social, Comunicação Social/imprensa, Educação e Saúde.

Idealizado pelo presidente da CNM, Glademir Aroldi, a partir da lacuna deixada pelo governo federal, o documento orienta cada Prefeitura Municipal a elaborar seu plano de vacinação e estabelecer a campanha de imunização, de acordo com a realidade local. “As informações operacionais da campanha de vacinação devem ser transmitidas à população de forma padronizada e clara", orienta Aroldi.

A CNM orienta que “a Prefeitura deve buscar a divulgação da campanha junto à imprensa local, por meio do envio de release com as informações mais importantes que a população precisa saber para garantir ampla participação na campanha de vacinação. É importante indicar também o porta-voz da Prefeitura que pode falar sobre o tema. Essa pessoa deve ter conhecimento para responder as dúvidas sobre todo o processo de imunização no Município de forma clara e objetiva”. 

Orientações
Entre as principais frentes a serem tratadas, a CNM sugere:
I. segurança e eficácia da vacina;
II. grupos prioritários para vacinação e quantitativo;
III. quantitativo de doses e insumos recebidos;
IV. placar/vacinômetro: população a ser vacinada x número de doses aplicadas;
V. farmacovigilância;
VI. quantitativo de salas de vacinação e profissionais de saúde para a aplicação;
VII. distribuição das salas de vacinação;
VIII. quantitativo de pessoas aptas a receber a vacina, conforme o grupo prioritário;
IX. cronograma de vacinação ou previsão (quando possível); e
X. projeção dos locais de vacinação (se já possui previsão).
















Leia também: