COI suspende COB e afasta Nuzman de suas funções

Publicação: 2017-10-07 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
No pior golpe já sofrido pelo movimento olímpico brasileiro, o Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou ontem que o Comitê Olímpico do Brasil (COB) está suspenso e afastou o seu presidente, Carlos Arthur Nuzman, de suas funções diretivas. Nuzman está preso provisoriamente no Rio de Janeiro, por suspeita de corrupção. A decisão, no entanto, permite que os atletas brasileiros possam continuar a representar o País nos Jogos de Inverno de 2018. Não se sabe ainda, entretanto, se isso poderá ocorrer com a bandeira do Brasil. A decisão foi adotada pelo Conselho Executivo do COI ontem, depois de avaliar as alegações da polícia sobre os dirigentes brasileiros e a suposta compra de votos pelo Brasil para sediar os Jogos de 2016.

Nuzman é ouvido pela Polícia Federal logo após sua prisão
Nuzman é ouvido pela Polícia Federal logo após sua prisão

Sobre Nuzmam, o COI indicou que ele está suspenso provisoriamente de todos os seus "direitos, prerrogativas e funções derivadas de seu cargo de membro de honra do COI". Ele ainda foi afastado da Comissão de Coordenação dos Jogos Olímpicos de 2020, em Tóquio.

Mas as medidas adotadas pelo COI não se limitam ao dirigente. E a máxima entidade olímpica decidiu suspender o próprio COB de toda sua relação com o órgão internacional. "O COB e seu presidente, Carlos Nuzman, foram responsáveis pela candidatura do Rio de Janeiro em 2009. Portanto, o Conselho Executivo do COI toma as seguintes medidas com efeitos imediatos: suspender provisoriamente o COB", justificou o COI em nota oficial distribuída à imprensa.

De acordo com a regra 59 da Carta Olímpica, a suspensão significa que "todos os pagamentos e subsídios do COI para o COB estão congelados" e que o COB não será autorizado a exercer seus direitos de membro.



continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários