Coletivo apresenta um sertão de força e sonhos

Publicação: 2011-12-02 00:00:00 | Comentários: 1
A+ A-
A exposição “Véu em Solo - Sertão Central” mostra imagens de um interior sertanejo sob um novo olhar. A mostra criada e produzida pelo coletivo Solares abrirá primeiramente em Lajes, neste sábado (dia 03), dentro da programação de aniversário da cidade. Em Natal, será no próximo dia 06 de dezembro, às 19h30, na Pinacoteca do Estado, Cidade Alta.
Flávio AquinoFotógrafa em Lajes, Civone Medeiros retrata a forma da mulherFotógrafa em Lajes, Civone Medeiros retrata a forma da mulher

Trata-se de um ensaio fotográfico mostrando o universo masculino e feminino da mulher sertaneja, dentro de um contexto surreal, cheio de sonho e psicodelia. "Contamos sobre a força, a delicadeza e o drama desta mulher vestida de sonhos"m, finformou Nalva Melo, maquiadora do projeto.

Os cenários utilizados pelos sete participantes que compõem o coletivo foram as regiões pedregosas de Lajes. Escalaram metade do Pico do Cabugi (único vulcão extinto do Brasil), pelas pedras vulcânicas, e contaram a história da “Noiva” em chamas - a paixão.

A outra escalada foi na Serra do Feiticeiro, onde retrataram a historia de um “semi-Deus”, uma criança que se perdeu por lá. A “Noiva” está com uma criança nos braços, e várias outras por perto, como se fosse o fantasma desse mito. A religiosidade do sertanejo é o sentimento mais forte da região. As outras fotos foram feitas na Fazenda Tapuio, numa casinha de pau a pique, no forno de barro onde queimam a lenha para transformar em carvão.

Outros aspectos registrados  foram o transporte de água para o consumo em galões (baldes) pendurados nos ombros; o descanso na sombra do umbuzeiro; o buquê feito de algodão representando o tempo de ouro da agricultura. A vegetação, a caatinga, que tem muitas espécies de cactos, estão sempre em cena.

Os animais do lugar entram em cena, principalmente o burro mulo. No reservatório de água (açude) do lugar, a “Noiva” nasce da lama. E este lugar, tem a honra de ter sido governado por Alzira Soriano, ícone da historia política latino americana nos anos vinte. Ela foi a primeira mulher prefeita da America Latina. Na produção das imagens, clicadas pelo fotógrafo/design Flávio Aquino, houve make-up de Nalva Melo, direção de Alê Gomes, figurino de Ricardo San Martini, textos de Jota Mombaça, e ainda Civone Medeiros como modelo. “Sertão onírico, ao deparar-se com tua exuberância solar, não há olhar que não transborde”, escreveu Mombaça em um trecho.

Serviço:

Exposição “Véu em Solo – Sertão Central”.

Abertura dia 03 em Lajes, e dia 06 em Natal. 

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários

  • vaninatal

    Grande artista, Civone Medeiros! Muito me orgulha ser conterrânea dessa artista completa que enche a alma de quem em algum momento da vida aprecia a sua arte. Lutadora, mulher guerreira do cotidiano, a arte em pessoa. A arte de inventar e se reinventar a partir do nada, a arte de nos fazer transcender com seus magníficos trabalhos. Pena que na escala dos valores estabelecidos pela sociedade, mais se valoriza a falta de conteúdo, o que não nos faz pensar, o que apenas se transforma em nicho de mercado, o que é pura e simplesmente mercadoria, ainda que vazia de sentido.