Coletivo Banquetaço fará ação no RN

Publicação: 2019-01-22 00:00:00 | Comentários: 1
A+ A-
O Coletivo Banquetaço, um movimento nacional em prol do direito à alimentação adequada, já começou sua primeira movimentação de 2019 – com ecos também no Rio Grande do Norte. O motivo foi a eminente extinção do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), através da Medida Provisória 870, uma das primeiras ações do novo governo federal. Está sendo programado para o dia 27 de fevereiro, em varias cidades do país, um grande banquete saudável e gratuito, com o objetivo de alertar contra as consequências negativas dessa MP.

Central de Agricultura Familiar será o local do Banquetaço em Natal. A ação será em ressonância com outras cidades
Central de Agricultura Familiar será o local do Banquetaço em Natal. A ação será em ressonância com outras cidades

O “banquetaço” será realizado simultaneamente em todas as cidades brasileiras que aderiram ao movimento, sempre ao meio-dia. Em Natal o encontro gastronômico de protesto vai aportar na Central de Agricultura Familiar e Economia Solidária (Cecafes), no cruzamento das avenidas Capitão Mor Gouveia e Jaguarari, em Lagoa Nova. A escolha do 27 de fevereiro é estratégico: a câmara estará funcionando e também é a data que antecede a votação da MP 870.

“Essa iniciativa é antes de tudo um alerta à população. O governo quer tirar o direito da gente saber o que está comendo”, afirma a chef Gabriela Sales, uma das articuladores do movimento no RN. Ela está junto na empreitada com outros cozinheiros, nutricionistas, pequenos agricultores e simpatizantes da alimentação saudável. “Já havia aqui em Natal um grupo de chefs que discutiam a culinária brasileira, até que a situação fez a gente se engajar no movimento por uma causa urgente”, ressalta.

Gabriela afirma que a extinção do Consea é algo que atingiria diretamente o mercado orgânico, a produção sustentável, e a saúde das pessoas, que se veriam ainda mais à mercê do uso indiscriminado dos agrotóxicos. O banquetaço pretende mostrar na prática o oposto dessa nova política: vai reunir pessoas ao redor de uma mesa farta com “alimento bom, limpo e justo”, segundo a diretriz do movimento. Entre os nomes locais que já se voluntariaram estão Adriana Lucena, Ítala Selda, Michele Jacó, entre outros. O banquete também terá programação musical, com nomes como Skarimbó, e Pau e Lata.

O movimento Coletivo Banquetaço nasceu em 2017   em São Paulo, como uma reação ao  projeto do prefeito Dória, em servir a polêmica “Farinata” aos estudantes da rede municipal e a população de rua. Neste caso o principal objetivo do grupo foi chamar a atenção da comunidade para o tema “Segurança Alimentar”. A partir daí se seguiram várias ações solidárias e de conscientização.


continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários

  • erivan.oliver

    ha mais de uma década já comentava-se que a crise da educação seria porque o governo não tinha interesse em uma população instruída para não reivindicar seus direitos. E na atualidade com medidas para extinguir nossa alimentação segura, me faz pensar que querem dizimar a pobreza.