Com 60 anos, Biblioteca Zila Mamede tem mais de 430 mil obras

Publicação: 2019-05-05 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Ramon Ribeiro
Repórter

Na Biblioteca Zila Mamede é onde se lê os clássicos da literatura universal no idioma nativo, ou o best seller do momento com algum bilhete de loteria dentro; é onde se estuda e se desespera por causa da prova de Elétrica; é onde se prepara para a prova da OAB; é onde se dorme na sala de estudo individual; é onde se lê o noticiário local e nacional no papel; é onde se revisita o passado com uma publicação de 1679 sobre a guerra entre Brasil e Holanda; é onde se encontra o amor da sua vida e anos depois se faz as fotos do casamento; é onde o livro “A Revolução dos Bichos”, de George  Orwell, é a obra mais emprestada nesses primeiros meses de 2019 – conforme revela o sistema interno dos funcionários.

Aberta à população de segunda-feira à sábado, a biblioteca possui mais de 160 funcionários, sendo 31 bibliotecários e 76 bolsistas. Em 2018, investiu R$ 1,5 milhão em acervo
Aberta à população de segunda-feira à sábado, a biblioteca possui mais de 160 funcionários, sendo 31 bibliotecários e 76 bolsistas. Em 2018, investiu R$ 1,5 milhão em acervo

“Estou surpresa. Imaginei que o primeiro livro da lista fosse algum de Ciência e Tecnologia. É o nosso curso com o maior número de alunos. Curioso que seja de Humanas”, observa a diretora geral da Biblioteca Central Zila Mamede (BCZM), Magnólia de Carvalho. A frente do cargo desde  2013, ela sabe que a maior e mais importante biblioteca do Rio Grande do Norte,  biblioteca esta que completou no último 2 de maio 60 anos de história, nunca deixa de surpreender. “Você quer saber se alguém já fez sexo aqui na biblioteca? Não que eu saiba” (risos).

Magnólia é daquelas pessoas que ao pisar pela primeira vez na biblioteca se apaixonaram. “Na BCZM eu sou servidora há dez anos, antes atuei em bibliotecas privadas. Mas minha relação com este lugar aqui vem de quando eu fazia Letras. Durante o curso, fui bolsista do Biblioteca e me apaixonei por Biblioteconomia. Eu não sabia o que era isso, vim para a capital do interior, minha cidade não tinha biblioteca, eu nunca tinha entrado numa até passar na UFRN”, recorda a diretora orgulhosa de sua trajetória, mas reconhecendo também a grande responsabilidade que é gerir uma equipe com mais de 160 funcionários, sendo 31 bibliotecários efetivos e 76 bolsistas. Todos focados em zelar pela qualidade do acervo de mais de 430 mil obras e em oferecer aos mais de 1500 usuários que utilizam a BCZM diariamente o melhor ambiente possível para estudo.

Mas a BCZM não é lugar só de estudo. “Reconhecemos o papel da instituição nesse cenário em que a população potiguar dispõe de poucas bibliotecas públicas abertas. Aqui não focamos só nos universitários. Muita gente vem a BCZM em busca de cultura e lazer. Temos um vasto acervo para leitura de fruição. Quem não é da Universidade não pode pegar livro emprestado, mas pode passar o dia aqui, ocupar uma sala de estudo sem problema”, conta Magnólia, enquanto acompanha a reportagem num passeio pelas dependências do prédio. Ela aponta para uma sala de vidros escuros onde as obras estão fora de circulação. “Aqui é o nossa coleção de obras raras”.

A responsável pela coleção de obras raras é a bibliotecária Tércia Marques, coordenadora do Setor de Coleções Especiais – que além da coleção de obras raras, abrange as coleções de Literatura de Cordel, Publicações de Autores do RN, Teses e Dissertações, Periódicos e a coleção Zila Mamede, todos acervos valiosíssimos. É Tércia que apresenta algumas das peças mais preciosas dentre as raridades.

“Este livro aqui, o 'Castrioto Lusitano”, é a publicação mais antiga que temos na biblioteca. É de 1679. Ainda não conseguimos identificar quando essa obra foi adquirida. Já foi restaurada, mas não conhecemos muito sobre seu conteúdo. Sabemos que é sobre a presença dos holandeses em território brasileiro. Fala bastante de Pernambuco, mas não se se refere ao Rio Grande do Norte”, comenta Tércia, mostrando também livros com capa de couro de bezerro e de madrepérola. “AS mais importantes coleções de bibliófilos que a BCZM adquiriu foram na década de 70. Tínhamos comissões que iam ao Rio de Janeiro avaliar os material. Temos uma coleção de Gerardo Dantas, com obras sobre filosofia e teologia, e de Oswaldo Lamartine”.

Segundo Magnólia, a BCZM está municiada de um acervo que vai do velho e raro até o digital, passando por obras novas. E sobre novas aquisições ele informa que em 2018 foram investidos R$1,5 milhões na compra de livros, mas que o valor vem diminuindo a cada ano. “Em 2016 investimos R$ 3,2 milhões”. Quanto ao orçamento para manter a estrutura da BCZM funcionando plenamente, a diretora geral diz que os recursos do ano passado ficaram na ordem de R$ 600 mil, utilizados para manutenção e pagamento dos terceirizados (que come a maior parte do dinheiro). “O valor é insuficiente. Temos recebido todo ano complemento de verba da Reitoria”. E num cenário em que o Governo Federal acabou de anunciar cortes na ordem de 30% nas universidades, a preocupação só aumenta. “A situação vai ficar ainda mais complicada”.

Sala Zila
A mais importante bibliotecária do Rio Grande do Norte, e uma das poetas mais lembradas do Estado, Zila Mamede não batiza à toa o nome da biblioteca da UFRN. Foi ela a primeira diretora do espaço e quem aos poucos estruturou o sistema. Ao acervo pertencente a ela, a BCZM dedicou uma sala especial, montada como seu fosse seu escritório, inclusive com seus móveis originais, como um birô, as cadeiras, estantes de livros e a máquina de escrever. É nessa salinha que muitos pesquisadores se debruçam para estudar sobre sua produção como bibliotecária e poeta. Suas cartas trocadas com autores do Brasil inteiro, como Drummond, e seus estudos à mão sobre João Cabral de Melo Neto, estão disponíveis para pesquisa. Seus livros, com dedicatória e anotações, do mesmo jeito. De acordo com Tércia, ainda há muito ao que se descobrir sobre essa pessoa extraordinária para o Rio Grande do Norte.

A sala preservada com móveis, livros pessoais, documentos e anotações raras da escritora e bibliotecária Zila Mamede
A sala preservada com móveis, livros pessoais, documentos e anotações raras da escritora e bibliotecária Zila Mamede

Curiosidades:

Acervo raro
Livro do acervo particular do pesquisador sertanejo Oswaldo Lamartine é uma das preciosidades da Coleção de Obras Raras. Detalhe para o ex-líbris do potiguar, um selo com a imagem de uma pega de boi.

Frequentador assíduo
Heitor Menezes é uma das figuras mais conhecidas da BCZM. Mestre em Engenharia Elétrica e agora estudante de Matemática, ele frequenta a biblioteca todos os dias. Às vezes é um dos primeiros a chegar, outras, o último a sair. “Já quase fui esquecido aqui. Tive que sair correndo para não me trancarem”, revela.

Heitor Menezes
Heitor Menezes

A paixão pelos livros
A bibliotecária Magnólia de Carvalho começou na BCZM ainda como bolsista, quando era estudante de Letras. Se apaixonou pelo ambiente repleto de livros e migrou para Biblioteconomia. Depois de anos atuando em bibliotecas privadas, entrou para a BCZM e hoje é diretora geral.

Magnólia de Carvalho
Magnólia de Carvalho

Acesso à leitura
A BCZM dispõe de vários lugares para estudo, desde mesas de leitura, salas individuais e coletivas, todas climatizadas, como o salão principal do prédio anexo, com 88 cabines equipadas com tomadas. A BCZM é aberta a toda a população. O horário de funcionamento é de segunda à sexta, das 7h30 às 22h, e no sábado, das 7h30 às 13h30. A entrada é gratuita.









continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários