Com visual sombrio, Cássia Kis surge como uma feiticeira na série 'Desalma'

Publicação: 2020-10-20 14:30:00
Com estreia programada para o próximo dia 22, no Globoplay, a série Desalma vai causa impacto no público não apenas com a história, mas com os detalhes nos figurinos e maquiagem. Escrita por Ana Paula Maia, um dos destaques, certamente, será a atriz Cássia Kis, que surge em cena na pele da feiticeira Haia Lachovicz. Não tem como não chamar a atenção. Mística, Haia guarda muitos segredos e é uma mulher dura por conta das perdas que marcaram sua vida: as mortes do marido e da filha.

Créditos: ReproduçãoCássia Kis vive a feiticeira Haia Lachovicz em nova série da GloboplayCássia Kis vive a feiticeira Haia Lachovicz em nova série da Globoplay


"Precisávamos provocar suspense. Começamos a conceituação com ela mais velha. O cabelo comprido e branco, dividido ao meio e jogado para a frente, provoca um certo estranhamento", explica a caracterizadora Juliana Mendes, que usou a técnica de luz e sombra para acentuar as marcas de expressão da atriz, sem uso de próteses. A personagem também se destaca pelo figurino, assinado por Beth Filipecki. "A nossa ideia era desconstruir as bruxas clássicas que conhecemos. Essa bruxa não é uma mulher parada no tempo", destaca.

Composta por dez episódios, série tem trama sobrenatural e ecos de um tempo passado. O assassinato da jovem Halyna, em 1988, reflete até os dias atuais na pacata cidade de Brigida, no sul do Brasil. Quando Roman volta a cidade e realiza um ritual de transmigração de alma, os acontecimentos desse universo cheio de mistério e magia trazem à tona a verdadeira história da cidade e seus habitantes, desvendando crimes, extorsões, chantagens e caça às bruxas.

Desalma foi criada e escrita por Ana Paula Maia e conta com direção artística de Carlos Manga Jr. e direção de João Paulo Jabur e Pablo Müller. Também no elenco, Claudia Abreu, Maria Ribeiro, Bruce Gomlesvky, Nathalia Falcão, Giovanni De Lorenzi, Alexandra Richter, Isabel Teixeira e Gabriel Muglia, Juliah Mello, João Pedro Azevedo. /Estadão Conteúdo