Comércio inicia recuperação no País

Publicação: 2017-11-15 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O comércio varejista do Rio Grande do Norte emitiu os primeiros sinais de recuperação e registrou aumento no volume de vendas no mês de setembro. Os dados da Pesquisa Mensal do Comércio, divulgados nesta terça-feira, 14, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que houve crescimento de 1,1% no varejo restrito em comparação com o mês de agosto. Comparado a setembro de 2016 o crescimento foi de 6,6%. No ano acumula alta de 0,4%. Em 12 meses, porém, segue no negativo  em -1,9%.

Vendas de fim de ano deverão crescer nestes dois últimos meses de 2017; queda da inflação e do desemprego deverão contribuir
Vendas de fim de ano deverão crescer nestes dois últimos meses de 2017; queda da inflação e do desemprego deverão contribuir

No varejo ampliado (que inclui também as vendas de veículos, peças para veículos e material de construção), o comércio potiguar registrou crescimento de 4,5% sobre setembro de 2016. No ano, registra queda de -2,1% e de -3,6% no acumulado em 12 meses. Em todo o País, também de agosto para setembro, as vendas do comércio varejista cresceram 0,5% no país.

De julho para agosto, o comércio havia recuado 0,4%. O comércio também teve altas de 0,1% na média móvel trimestral, de 6,4% na comparação com setembro de 2016 e de 1,3% no acumulado de 2017. Em 12 meses, no entanto, o volume de vendas apresenta uma queda acumulada de 0,6%.

De setembro para outubro, houve crescimento em cinco dos oito segmentos pesquisados pelo IBGE, com destaque para os artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (4,3%).

Também tiveram alta os setores de outros artigos de uso pessoal e doméstico (2,9%), supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1%), equipamento e material para escritório, informática e comunicação (0,9%) e tecidos, vestuário e calçados (0,2%).

Três atividades acusaram queda no volume de vendas: combustíveis e lubrificantes (-0,7%), móveis e eletrodomésticos (-0,7%) e livros, jornais, revistas e papelaria (-3,4%).

Considerando-se também os setores de materiais de construção e de venda de peças e veículos, o chamado varejo ampliado, o volume de vendas teve alta de 1% na comparação com agosto deste ano. As vendas de materiais de construção avançaram 0,5%, enquanto os veículos, motos e peças recuaram 0,4%.

O varejo ampliado teve ainda altas de 0,5% na média móvel trimestral, de 9,3% na comparação com setembro de 2016 e de 2,7% no acumulado do ano. No acumulado de 12 meses, no entanto, o varejo ampliado recuou 0,1%.

Receita nominal
A receita nominal do comércio varejista teve avanços nas comparações com agosto (1,1%), com setembro de 2016 (4,5%), na média móvel trimestral (0,4%), no acumulado do ano (2%) e no acumulado de 12 meses (2,2%).

A receita nominal do varejo ampliado também anotou avanços em todos os tipos de comparação: de agosto para setembro (1,3%), em relação a setembro de 2016 (7%), na média móvel trimestral (0,6%), no acumulado do ano (2,8%) e no acumulado de 12 meses (1,8%).


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários