Comércio potiguar se prepara para a Black Friday

Publicação: 2019-11-10 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Ricardo Araújo
Editor de Economia

Uma das datas mais esperadas pelos consumidores – que anseiam pelos descontos que chegam a 70% - e também pelos empresários – que vislumbram elevação nas vendas – está chegando. A Black Friday 2019 deverá aumentar as vendas no comércio varejista em torno de 10%, ante mesmo período do ano passado, conforme dirigentes dos maiores shoppings de Natal questionados pela TRIBUNA DO NORTE. A Pesquisa “Intenções de Compras para a Black Friday 2019” formulada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Rio Grande do Norte (Fecomércio RN), obtida com exclusividade pela TN, aponta que 59,8% dos natalenses têm a intenção de aproveitar a data para adquirir bens e serviços. Outros 40,2% dos entrevistados não demonstraram interesse pela data, segundo o levantamento da Fecomércio/RN.
Data é esperada por consumidores, de olho nos descontos; e pelos lojistas, que anseiam pelo aumento nas vendas no fim do ano
Data é esperada por consumidores, de olho nos descontos; e pelos lojistas, que anseiam pelo aumento nas vendas no fim do ano

Conforme detalhado na pesquisa, que ouviu 650 pessoas em todas as regiões administrativas da cidade entre os dias 25 e 29 de outubro, “entre os que descartam participar da Black Friday, o que mais pesa é a falta de dinheiro, citada por 33,3%. Em seguida aparece aqueles que não gostam da data, relatado por 14,2% desses entrevistados, além dos que pretendem poupar (12,3%); estão desempregados (10,3%), não veem necessidade (8,4%); percepção de que os descontos não são reais (5,7%); e os que estão endividados (5,7%). Com as festas de fim de ano chegando, 52,7% das pessoas afirmaram que devem aproveitar as promoções da Black Friday para comprar os presentes de Natal”.

A pesquisa mostra que o leque de itens é variado, e leva bens de maior e menor valores. Entre aqueles que manifestam a intenção de comprar, os produtos mais mencionados são: eletrodomésticos, citados por 28%; eletrônicos (25,2%); roupas (18%); celulares/smartphones/tablet (16,7%); móveis e decoração (13,4%); calçados (10,3%); perfumes e cosméticos (4,1%); produtos de informática (2,3%); entre outros. A lista também inclui acessórios, artigos de casa, livros, alimentação, viagem, brinquedos e jogos. Além disso, 65,6% dos consumidores pretendem comprar até duas categorias de produtos, enquanto 30,8% pretendem comprar três ou mais produtos. A quantidade média de itens que cada um desses consumidores pretende comprar é de 2,2.

Gastos


Alguns já definiram até o quanto pretendem gastar e a forma de pagamento. Em referência às pretensões de gastos durante a Black Friday, verificou-se que 43,2% dos consumidores natalenses pretendem desembolsar mais de R$ 1.000,00. Outros 24,2% esperam gastar entre R$ 500,01 e R$ 1.000,00; 18% afirmaram que têm intenção de gastar entre R$ 200,01 e R$ 500,00 com as compras; e 9,5% entre R$ 100,01 e R$ 200,00. Os que pretendem desembolsar até R$ 100,00 são apenas 3,1%. A média de gasto estimada será de R$ 692,48.

As mulheres pretendem gastar mais nas compras, em média, R$ 695,83, enquanto os homens vão desembolsar o valor médio de R$ 688,78. A faixa etária que vai investir menos na compra é a de 18 a 24 anos, em média, R$ 625,27, enquanto a que vai investir mais é entre 35 e 44 anos, em média R$ 745,78. Foi observado também que entre os que possuem renda familiar de até 3 salários, a intenção é gastar, em média, R$ 651,38. Ao mesmo tempo, a pretensão de gastos sobe para R$ 900,00, entre os que recebem mais de 10 salários.

Quanto às formas de pagamento, a principal delas será o cartão de crédito com parcelamento, citado por 43,7%. Em seguida, aparece o dinheiro (33,9%), o cartão de crédito em única parcela (13,9%) e por fim, o cartão de débito (7,5%).

E-commerce deve faturar R$ 3,5 bi

Dados do Compre & Confie, empresa de inteligência de mercado focada em e-commerce, apontam para um crescimento nominal de 19% em relação ao mesmo período do ano passado, totalizando R$ 3,5 bilhões. A projeção considera o faturamento total estimado para as vendas realizadas nos dias 28 e 29 de novembro, de 2019.

O aumento é impulsionado pelo aumento no volume de compras realizadas – já que o tíquete médio dos pedidos deve apresentar queda em relação ao mesmo período de 2018. Ao todo, devem ser realizados 5,8 milhões de pedidos, representando aumento de 24% em relação à Black Friday do ano passado.

O tíquete médio deve ser de R$ 600, queda de 4% na comparação com o mesmo período de 2018. “Podemos afirmar que a Black Friday está cada dia mais consolidada no Brasil. Os mecanismos criados por diversas empresas para comprovar que os descontos são reais, somados à proximidade do Natal e recebimento de parcela do 13º salário pelo brasileiro, explica o otimismo do setor para um forte crescimento no número de pedidos este ano, que deve ser observado principalmente em categorias de maior valor agregado como eletrônicos e telefonia”, explica André Dias, diretor executivo do Compre & Confie.

Motivos para acreditar nas perspectivas positivas não faltam. De acordo com estimativas do Compre&Confie, somente no primeiro semestre deste ano, mais de 19 milhões de consumidores fizeram pelo menos uma compra online – aumento de 35,8% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Além disso, uma pesquisa conduzida pela companhia com 2.705 consumidores que fizeram pelo menos uma compra pela internet no último ano mostrou que 72% deles pretendem comprar novos produtos e aproveitar as promoções da data. Outros 25% podem comprar caso as ofertas apresentem boas vantagens e apenas 4% não pretendem aproveitar as promoções.

No topo dos itens mais desejados, estão: Eletrônicos (elencados por 51% dos entrevistados), Telefonia (35%), Informática (28%), Moda e Acessórios (24%) e Eletrodomésticos (23%).

“É fundamental que varejistas tenham forte planejamento e estejam preparados para atender à demanda e suprir a necessidade dos consumidores. Investir em estoques de produtos de maior demanda, infraestrutura tecnológica e melhorias de processos operacionais são pontos fundamentais para aproveitar o sucesso que a data deve trazer”, finaliza Dias.

Correios

Os Correios lançaram, semana passada, sua campanha interna para a Black Friday. Para atender com qualidade e precisão tanto os empreendedores virtuais quanto os consumidores online, os Correios apresentaram algumas das principais iniciativas. Além do investimento na aquisição de 8 mil motos e de 2 mil furgões, soluções de entrega como Clique e Retire e as facilidades para o serviço de Logística Reversa, a empresa destacou o trabalho que está sendo feito na revisão dos corredores de negócio e o uso de smartphones pelos carteiros que permite o acompanhamento em tempo real da entrega de encomendas.

Para marcar a contagem regressiva para a Black Friday, os Correios lançaram um hotsite que tem contador para o dia D da ação, que acontece no dia 29 de novembro.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários