Natal
Combate a ratos em Ponta Negra inclui ação na Vila
Publicado: 00:00:00 - 12/03/2020 Atualizado: 22:43:51 - 11/03/2020
A presença recorrente de ratos na orla das praias urbanas de Natal se tornou uma realidade difícil de contornar. De acordo com o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), ações de desratização são feitas a cada quatro meses – principalmente nas praias de Ponta Negra e do Meio onde foram instaladas as estruturas de enrocamento para evitar o avanço da erosão marinha. Entretanto, o ambiente propício para reprodução dos ratos, repleto de alimentos deixados por banhistas e comerciantes, além do esconderijo proporcionado pelas pedras que compõem o enrocamento, dificultam a eliminação dos roedores.

Magnus Nascimento
Cartazes com orientações sobre acondicionamento correto do lixo estão distribuídos nos comércios locais

Cartazes com orientações sobre acondicionamento correto do lixo estão distribuídos nos comércios locais



“Não há como eliminar a proliferação de roedores na orla, só colocar os venenos não resolve a situação. A cada 15 dias um rato pode gerar mais 10 indivíduos, fica difícil de combater, por isso temos que contar com apoio da população para reduzir a quantidade de roedores”, explicou a gerente técnica do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Natal, Úrsula Torres.

Segundo ela, o veneno utilizado não representa risco à saúde humana, mas tutores de cachorros e gatos devem ficar atentos para que os animais não acabem ingerindo por acidente uma das iscas com veneno. “Traçamos um raio de alcance do roedor, que costuma ser de até 300 metros, e fizemos um trabalho em toda a Vila de Ponta Negra”, informou a gerente técnica do CCZ.

Dentre as ações promovidas na Vila de Ponta Negra estão a fixação de cartazes em estabelecimentos comerciais, chamando atenção sobre a importância de acondicionar o lixo de forma adequada; e a distribuição de pastilhas de veneno nos imóveis que ficam dentro do perímetro estipulado – para que moradores possam combater os ratos nas próprias residências em caso de necessidade.

O comerciante Damião Lúcio, proprietário de um mercadinho na Vila de Ponta Negra, disse que seu estabelecimento foi visitado por equipes da CCZ há cerca de 10 dias. “Passaram por aqui e aplicaram o veneno. Pelo que sei visitaram o bairro todo. Trabalharam direitinho, pelo menos aqui”, contou. Cartazes na fachada atentam para o descarte correto do lixo como forma de evitar a proliferação de roedores.

Júlia Alexandre de Araújo, também comerciante do bairro, lembrou que recebeu a visita de agentes da CCZ. “Na hora que a equipe chegou estava meio tumultuado de clientes aqui. Falaram por cima o que iriam fazer, espalharam o veneno, mas faltou orientação”, observou.

Preocupação
Porém alguns moradores estão preocupados com a saúde de animais de estimação. O publicitário Allan Araújo tem três gatos, e no começo de março (semana passada) encontrou um saquinho fechado com 'iscas' de veneno misturadas a sementes de girassol. Na embalagem está escrito que aquele produto tem “Venda restrita a instituições ou empresas especializadas. Proibida a venda livre”.

Magnus Nascimento
Allan Araújo questiona risco para animais domésticos já que iscas foram encontradas em terrenos

Allan Araújo questiona risco para animais domésticos já que iscas foram encontradas em terrenos



“Quando [integrantes da equipe do CCZ] passaram visitando as casas, eu devia estar fora. Acho que estão jogando nos terrenos onde não têm acesso. Pode ocorrer um problema ambiental, matar os gatos, as iscas são coloridas e crianças podem colocar na boca. Estão fazendo um trabalho sem muito cuidado”, criticou.

O cabeleireiro Marco Antônio, que mora na mesma rua de Allan, tem dois gatos e três cachorros, disse que viu quando um agente do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) colocou veneno em terreno baldio próximo. “Explicaram que aquele tipo de veneno, parecido com uma barrinha de sabão, era diferente (das iscas misturadas a sementes de girassol). Disseram que o cheiro não atraía animais domésticos, mas que era preciso ter algum cuidado – afinal é veneno”.

Marco Antônio disse que ajudou uma amiga comerciante a espalhar as iscas pelo estabelecimento. “Não sei por que, mas deixaram o veneno com ela, e como minha amiga estava com medo, coloquei uma luva e fiz a aplicação. O maior problema do bairro é que as pessoas não sabem cuidar do próprio lixo: colocam o lixo na hora errada. E isso ajuda na proliferação dos ratos. Mas não creio que os ratos da praia vão subir para a Vila, lá (na orla) eles têm comida e esconderijo”.

Úrsula Torres disse que o trabalho das equipes do CCZ é monitorado, e todos os agentes passam por treinamento. “A recomendação é para quando um imóvel estiver fechado, devemos retornar ao local e não descartar o veneno de qualquer jeito”.

A gerente técnica do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) afirmou que a dosagem de veneno das iscas é pequena, e que por isso utiliza o veneno na forma parecida com uma 'barrinha de sabão' para matar ratos maiores. “A recomendação é para que seja feita ação educativa e de orientação da população”, disse Úrsula, confirmando que dificilmente os ratos que infestam a praia estão relacionados às ocorrências no bairro.

158 mil toneladas
A última “iscagem” realizada em Natal, como é chamado o processo de aplicação do veneno, teve início no mês de fevereiro, com reforço feito 15 dias depois – já no início de março. A próxima ação está prevista para o mês de julho. O CCZ cuida da aplicação do veneno e das atividades de educação ambiental, que acontecem principalmente nas áreas residenciais próximas da orla.

“Em relação ao contato com a água da praia, temos o cuidado de não colocar as iscas na faixa de areia. O veneno é colocado na parte superior do enrocamento, amarrados a um fio ou arame, para que ele (o veneno) não vá parar dentro do mar. Durante todo trabalho na orla, os agentes verificam se as iscas continuam no lugar e se foram roídas. Há todo um acompanhamento”, assegurou Úrsula Torres.

Vale destacar que a Urbana, órgão municipal responsável pelo serviço de limpeza, recolhe cerca de 158 mil toneladas de lixo por semana, em média, apenas na praia de Ponta Negra.










Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte