Concessionárias do estado entram na Justiça

Publicação: 2009-11-17 00:00:00
A greve dos servidores do Detran/RN, iniciada no último dia 3, tem causado transtornos aos consumidores das concessionárias de veículos.  Para tentar amenizar os efeitos do movimento, o Sindicato das Concessionárias e Distribuidores do Veículos do Rio Grande do Norte (Sincodern) recorreu à Justiça para que pelo menos um número mínimo de funcionários volte ao trabalho.

O Sincodern entrou com a ação cautelar na 3ª Vara da Fazenda Pública, na sexta-feira passada, com um pedido de liminar para que o Detran garanta que pelo menos 30% dos funcionários voltem ao serviço. Segundo o assessor jurídico do Sindicato, Marcelo Pereira, o pedido foi feito para preservar o consumidor e evitar que este se sinta prejudicado.   “A greve está causando transtornos porque as pessoas que compram os veículos querem recebê-los emplacados, mas não estão conseguindo. Se demorar mais, é possível que haja uma queda nas vendas”, prevê.

Desde que a greve teve início, os serviços de emplacamentos e transferências não estão funcionando. De acordo com com o diretor comercial da Pontanegra Fiat, Marcelo Coutinho, a greve ainda não refletiu em uma redução nas vendas, mas em muitos aborrecimentos. “Os clientes estão reclamando porque não querem sair com o carro sem placa, outro problema é que o proprietário de um carro usado não pode transferir o veículo para o nome da concessionária”, relata.

Coutinho lembra ainda que as concessionárias têm até 30 dias para faturar o veículo, estando passíveis de multa caso o prazo não seja cumprido. “Esperamos que, com a greve, as concessionárias não tenham que pagar as multas”. O diretor comercial diz que não quer julgar se a greve é justa ou não, mas diz que o consumidor não deve sair prejudicado. “O consumidor paga imposto pelo serviço que não está sendo prestado”, critica.

O gerente de veículos novos da Espacial Veículos, André Pinto,  afirma que também tem  tido problemas em razão da greve do Detran. “Alguns clientes estão recebendo o veículo sem placa, mas saem insatisfeitos. Mesmo sabendo que a culpa não é nossa, a avaliação da concessionária acaba saindo prejudicada”, afirma.

O gerente da Espacial, conta que outro problema é o acúmulo de emplacamentos. “Ficará uma pendência grande para resolver”.

Greve continua
 

Se depender das negociações entre os Governo do Estado e os servidores do Detran, os problemas das concessionárias estão longe de acabar.

O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Administração Indireta do Estado (Sinai), Santino Arruda, informa que as negociações estão paradas e que a greve continua por tempo indeterminado.

Os grevistas reivindicam uma reestruturação do Plano de Cargos, Carreira e Salários da categoria e a realização de concurso público para 260 vagas.

Até agora o governo só se comprometeu em realizar o concurso público. A discussão sobre o Plano de Cargos ficaria para 2010. “O concurso já tinha sido prometido desde o ano passado e não foi cumprido e prometer uma discussão do Plano só no próximo ano, sem assinar nenhum termo de compromisso é mesmo que nada”, reclama Arruda.

Segundo o Sinai, a greve do Detran tem tido 100% de adesão dos 260 funcionários efetivos (auxiliares administrativos, peritos de trânsito, vistoriadores),  dos mil funcionários do órgão. “Só estão trabalhando os funcionários terceirizados, bolsistas, cargos comissionados. Mas os serviços ficam inconclusos porque essas pessoas não têm competência para os serviços de emplacamento e transferências, por exemplo”.

Santino disse que não tinha conhecimento da ação do Sincodern. E, de acordo com ele, o órgão não exige o efetivo de 30% durante a greve.