Consultoria para gestão

Publicação: 02 de Julho de 2013 às 00:00 | Comentários: 0
A+ A-
A parceria entre a Prefeitura do Natal e a Falconi Consultoria será formalizada até a segunda quinzena deste mês. A previsão é do prefeito Carlos Eduardo, que ontem participou de uma reunião na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio de Janeiro, com diretores da instituição. A integração de Natal ao Projeto de Modernização Administrativa (PMAT) e as propostas de parceria público-privadas para as construções do Centro Administrativo da Prefeitura e da sede própria da Câmara Municipal também foram abordadas na audiência.

Parcerias

O prefeito Carlos Eduardo, o presidente da Câmara Municipal do Natal, vereador Albert Dickson, e o líder da bancada governista na CMN, Júlio Protásio, foram recebidos ontem por dois representantes do corpo dirigente do BNDES: o chefe do Departamento de Gestão Pública, Marcelo Correa Barbosa Fernandes, e o superintendente de Infraestrutura Social, Ricardo Ramos. Também participou da reunião o diretor-técnico do Movimento Brasil Competitivo (MBC), Sérgio Albuquerque, que confirmou o prognóstico de que o processo para a parceria da Prefeitura com a Falconi está em sua fase final de avaliação.

Recursos hídricos

O ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, garantiu ontem que as obras do projeto de transposição das águas do rio São Francisco estão totalmente retomadas. “A transposição está praticamente remobilizada e queremos começar em agosto a contagem regressiva para a obra ficar pronta”, garantiu Fernando Bezerra no twitter. “Vamos ter 100 quilômetros de água até o final de 2014 e toda a transposição do São Francisco concluída até o final de 2015”, assegurou.

Redução da multa

Um grupo de empresários potiguares chega a Brasília nesta terça-feira. Eles vão procurar os deputados e senadores que formam a bancada do Rio Grande do Norte no Congresso para convencê-los a votar a favor do Projeto de Lei Complementar 200/2012, de autoria do Senador Renato Casagrande (PSB/ES). Esse projeto extingue a cobrança adicional de 10% sobre a multa do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), devida pelos empregadores em caso de dispensa sem justa causa de funcionários.

Mudanças na demissão

Atualmente, além do pagamento da multa de 40% sobre o valor do FGTS que o trabalhador recebe, o empregador ainda paga 10%, valor destinado ao Governo Federal. A multa foi instituída pela Lei Complementar 110/2001, que na época de sua aprovação, pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso, tinha o objetivo de compensar as perdas do FGTS relativas aos períodos dos Planos Collor e Verão, o que foi totalmente sanado com a arrecadação obtida no Exercício Fiscal de 2012.

Pedido de cassação

A Procuradoria Regional Eleitoral no Rio Grande do Norte apresentou parecer favorável à cassação do vereador de Jardim de Piranhas, Iron Lucas de Oliveira Júnior. O Ministério Público Eleitoral considera que há provas de “captação ilícita de sufrágio”, como a lei designa a compra de votos. De acordo com ação movida pelo MP que atua junto à 23ª Zona Eleitoral, às vésperas do pleito de 2012 o então candidato a vereador distribuiu próteses dentárias a eleitores do município, com o objetivo de angariar votos em seu favor.

Rejeição do plebiscito

O ex-governador de São Paulo, José Serra (PSDB) disse ontem à Folha de São Paulo ser contra a proposta da presidenta Dilma Rousseff de fazer um plebiscito para a reforma política no País. “Primeiro que um plebiscito custa em torno de R$ 500 milhões. Segundo que não dá tempo. Quer mudar o sistema político? Faz por via normal, com emenda constitucional, por exemplo. Pra quê fazer um plebiscito?”, afirmou o ex-governador em entrevista à Rádio Jovem Pan nesta segunda-feira. “Essa ideia de plebiscito foi feita por marqueteiro”, argumentou.

“Dilma Bolada”

Enquanto a presidenta Dilma Rousseff está tendo de lidar com a queda brusca nos índices de aprovação de sua popularidade, a homônima Dilma Bolada, sátira da ‘presidente mandona’ que faz sucesso nas redes sociais, vive dias bem mais tranquilos. O pai da personagem, como o próprio Jeferson Monteiro se define, conta em entrevista exclusiva ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, que foi justamente neste momento de crise que a personagem contabilizou o seu maior crescimento, desde a criação, em 2010. O estudante de publicidade é um admirador da presidenta Dilma, apesar de nunca ter sido filiado a um partido político, e afirma que a história do perfil começou justamente por isso.



Deixe seu comentário!

Comentários