Consumo chegará a R$ 41,7 bi no RN

Publicação: 2014-05-07 00:00:00
Vicente Neto
editor

O consumo dos mais de 3,4 milhões de habitantes do Rio Grande do Norte atingirá R$ 41,7 bilhões este ano, valor 9% maior que em 2013. A estimativa é da IPC Marketing Editora, especializada no cálculo de índices de potencial de consumo, ao concluir o estudo IPC Maps 2014, indicador da potencialidade de consumo nacional, com detalhamento de dados para cada um dos 5.570 municípios.
Shopping em Natal: com 853 mil habitantes, cidade tem potencial para consumir R$ 14,5 bilhões
Natal, Parnamirim e Mossoró, pela ordem, são os municípios com maior potencial de consumo. Os três juntos representam 53,7% do valor previsto. Natal, com 853 mil habitantes, tem o maior potencial: R$ 14,5 bilhões; Parnamirim com 229 mil vem em segundo, R$ com 4,2 bilhões. Em Mossoró, município que tem hoje 280 mil habitantes, o potencial é a previsão de consumo é de R$ 3,6 bilhões. Em quarto vem São Gonçalo do Amarante com R$ 966 milhões. Em relação ao ano passado, Natal caiu duas posições no ranking nacional – de 21º para o 23º lugar.

De acordo com o estudo, 45,9% do total serão gastos pela classe B; 31,3% pela C; 17,1% pela A e 5,7% pelas classes D/E. O principal gasto dos potiguares  (R$ 8,4 bilhões) será com a manutenção do lar, item que inclui despesas com aluguel ou prestação do imóvel, água, luz e gás e impostos como IPTU), em segundo lugar alimentação no domicílio (R$ 5,5 bilhões), gastos com veículos próprios (R$ 1,9 bilhão) e alimentação fora de domicílio (R$ 1,7 bilhão).

Um detalhe que chama atenção no estudo da IPC Marketing Editora são os gastos com veículos próprios, duas vezes maiores que os previstos para transporte público.

O Rio Grande do Norte, que ocupa o 18º lugar no ranking dos Estados, tem 201.826 empresas, das quais 96,1 mil na área de serviços, 78,3 mil no comércio, 25.776 indústrias e 1.615 no segmento do agronegócio. São 1 milhão de domicílios. A frota de veículos 1.012.266. O consumo per capita ano é de R$ 14 mil para os moradores da área urbana e R$ 5,5 mil para os da área rural.

Nacional
Em 2014, o consumo dos brasileiros irá registrar R$ 3,2 trilhões, apresentando um crescimento de R$ 261 bilhões (cerca de 8% nominais) quando comparado com o IPC Maps 2013 (cerca de R$ 3,001 trilhão). Em termos reais, os cálculos do IPC Maps 2014 mostram que as despesas das famílias crescerão acima do PIB, o equivalente a 62,8%, enquanto o aumento populacional previsto é da ordem de 0,83%. O estudo foi feito com base em dados secundários, atualizados e pesquisados através de fontes oficiais de informação, utilizando metodologia própria.

O IPC MPS 2014 indica que o cenário de consumo do País está em plena expansão, puxado pela classe média (classe B) que responde por 50,8% (cerca de R$ 1,55 trilhão), mais da metade de tudo o que é consumido no mercado brasileiro, comportando 35,4% (ou 19,7 milhões ) dos domicílios urbanos. Esse desempenho crescente vem se registrando ano após ano, que em 2013 já indicava sua liderança no consumo nacional absorvendo 48,8%, cerca R$ 1,359 trilhão, ante os 32,1% de domicílios.