Consumo de gás natural cresce no país, diz Abegás

Publicação: 2019-07-13 00:00:00
A+ A-
O consumo de gás natural cresceu 4,67% em maio contra o mês anterior, com destaque para o setor industrial, que registrou alta de 1,33% na mesma comparação, acumulando no ano crescimento de 3,32%, informou nesta sexta-feira, 12, a Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás). O consumo total de gás natural no Brasil em maio somou 52,02 milhões de metros cúbicos por dia, uma queda de 8,4% em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando foram consumidos 59,46 milhões e metros cúbicos por dia.

Créditos: DivulgaçãoDesemprego ampliou procura por GNV para serviços de motoristaDesemprego ampliou procura por GNV para serviços de motorista
Desemprego ampliou procura por GNV para serviços de motorista

“É verdade que, em maio, a base de comparação é com os números de 2018, então impactados pela greve dos caminhoneiros. Mas crescimento de 3,32% no acumulado da indústria (acima do PIB até aqui) mostra que essa evolução tem consistência. Nossa expectativa é que, com as medidas certas para o setor de gás, esse crescimento possa ser ainda mais sólido no futuro", explica o presidente executivo da Abegás, Augusto Salomon, em nota nesta sexta-feira, 12.

Em comparação a maio de 2018, o segmento industrial consumiu mais 5,9% de gás natural em maio deste ano. Já o Gás Natural Veicular (GNV) teve alta de 1,9% em relação ao mesmo mês do ano anterior e acumula alta de 6,1% no ano, mostrando, segundo a Abegás, poder de competição com outros combustíveis. O GNV é largamente utilizado pelos motoristas de transporte via aplicativos, que tiveram este ano um “boom" de crescimento com o aumento do desemprego no País.

Já o setor residencial apresentou queda de 8,4% na comparação com maior de 2018, o que é justificado pela entidade como reflexo de temperaturas mais altas este ano.

O setor comercial registrou alta de consumo de 4,4% contra maio de 2018 e a geração elétrica teve alta de 20,1% em maio contra abril. Já em relação a maio 2018, a queda foi de 32,4%.

Segundo Salomon, as recentes decisões tomadas pelo governo para o setor, com a indicação do fim do monopólio da Petrobras serão decisivos para aumentar ainda mais o consumo do produto eleito para ser o combustível de transição para uma economia com menos carbono.




Deixe seu comentário!

Comentários