Cordel resgata história do bairro Candelária

Publicação: 2011-11-19 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
A literatura de cordel, forma tradicional da cultura popular, está ganhando cada vez mais espaço nas bibliotecas das escolas da cidade. De baixo custo e fácil acesso à população, os versos tem se transformado em uma ferramenta auxiliar pedagógica das instituições de ensino públicas e privadas. Com a proposta de resgatar aspectos geográficos, pitorescos e culturais do bairro de Candelária, zona sul de Natal, o poeta Manuel de Azevedo lançou um cordel, intitulado “Cordel do Candel – História de Candelária, que narra a história da comunidade, desde a sua fundação e pretende servir de apoio para pesquisas e estudos das escolas presentes no conjunto habitacional. Atuando com educação formal, Candelária tem hoje três escolas públicas, quatro particulares e uma faculdade.

Luiza GualbertoPoeta Manuel de Azevedo diz que cordéis estão ganhando cada vez mais espaço e aceitaçãoPoeta Manuel de Azevedo diz que cordéis estão ganhando cada vez mais espaço e aceitação
O lançamento da obra de Azevedo aconteceu ontem, sexta-feira (18), e marcou as comemorações alusivas ao dia do cordelista, celebrado hoje, sábado (19). Segundo o autor do cordel, que também mora em Candelária, um dos objetivos de lançar a obra, foi incentivar e valorizar a cultura popular no bairro, bem como, a prática da leitura. “Ano passado, lançamos o cordel Tibé - a saga de um cão de rua, que narra à história de um cachorro que viveu no bairro durante muitos anos e foi adotado pelos moradores. Com esta iniciativa, sentimos um maior interesse da população pela literatura de cordel”, conta.

Ainda de acordo com Manuel, a literatura une o clássico ao popular, além de congregar diversas artes, como música, poesia, cinema e novela. “Os cordéis estão ganhando cada vez mais espaço e passaram a integrar a grade curricular das disciplinas lecionadas em diversas escolas da capital e interior do estado, despertando o prazer pela leitura nos jovens, já que, as obras abordam temas atuais, com uma linguagem clara e objetiva”, pontua.

O projeto de construção do cordel foi realizado em parceria com o Conselho de Moradores de Candelária (Conacan), que busca com a iniciativa traçar um panorama histórico do bairro. Segundo Victor Vieira do Vale, presidente da entidade, a produção da obra é uma oportunidade para resgatar a identidade coletiva do bairro, bem como, contribuir para a comunicação interna da comunidade local. “O conselho tem esse objetivo de investir em projetos que venham gerar o crescimento de nossa comunidade. O cordel vai proporcionar aos nossos moradores, um conhecimento mais aprofundado sobre a sua história e seu povo”, ressalta.

Professor, músico e poeta

Manuel de Azevedo é natural de Santana do Matos (RN). Sua paixão pela arte veio ainda criança, quando no rádio de casa e nas feiras livres, ouvia os poetas narrarem os versos de cordel. Ao todo, já teve 30 títulos de cordéis publicados, além de três livros de poesia. Atualmente, é professor, músico e poeta, e dedica seu talento as salas de aula, onde leciona Língua Portuguesa e Inglesa. Já integrou a diretoria de cultura do Conacan, no ano de 1989. Foi premiado em 3º lugar no Festival de Música Potiguar Brasileira 2011, promovido pela FM Universitária, com a música “Aurora na Serra de Santana”, que remete à sua cidade natal. Já recebeu diversos prêmios e homenagens por seus esforços em prol da educação e valorização da cultura popular, além de ser sócio fundador da União dos Cordelistas do Rio Grande do Norte (Unicodern) e integrar a Caravana do Cordel, da Casa do Cordel, em Natal. Outras informações sobre o autor acesse: www.cordelpotiguar.blogspot.com.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários