Cookie Consent
Natal
Covid é a principal causa de mortes no RN em 2020
Publicado: 00:00:00 - 21/08/2020 Atualizado: 09:03:59 - 21/08/2020
Mariana Ceci
Repórter

Ao longo de cinco meses de pandemia, a covid-19 havia provocado 2.133 mortes no Rio Grande do Norte até a quinta-feira, 20 de agosto. A doença já se configura como a principal causa de óbitos no Estado ao longo deste ano, de acordo com o Portal da Transparência do Registro Civil, que inclui informações sobre nascimentos, casamentos e óbitos de todas as unidades federativas. Conforme os dados mais recentes, alimentados pelos Cartórios de Registros Civis espalhados pelo território potiguar, a infecção causada pelo novo coronavírus representa 20,5% do total de óbitos do Estado em 2020.

Adriano Abreu
Em cinco meses de pandemia, a covid-19 ceifou a vida de 2.133 potiguares. Dados oficiais apontam que a doença é autora do maior número de óbitos neste ano no RN

Em cinco meses de pandemia, a covid-19 ceifou a vida de 2.133 potiguares. Dados oficiais apontam que a doença é autora do maior número de óbitos neste ano no RN



Leia Mais

No Portal da Transparência do Registro Civil, constam 1.546 mortes registradas por covid-19, número inferior ao que já foi atingido pelo Estado nesta quinta-feira, 20, de acordo com os dados oficiais da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap). Entretanto, mesmo considerando os números desatualizados, a doença ainda figura como a principal causa de morte identificada no Rio Grande do Norte.

“É importante ressaltar que a sobremortalidade* causada pela covid-19 não encontra paralelo na história da Saúde Pública no Brasil na história recente", analisou o secretário de saúde do Estado, Cipriano Maia. Ele citou dados apresentados no portal do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS), coletados pela organização global de saúde pública Vital Strategies em colaboração com professores e pesquisadores de universidades brasileiras, que demonstram um aumento de 20% na mortalidade por causas naturais no Rio Grande do Norte entre as semanas epidemiológicas 12 e 28, ou seja, durante a pandemia. “Talvez, só a fome aguda em períodos de secas inclementes tenha provocado tantas mortes em período tão curto", declarou Cipriano Maia. 

O único tipo de registro que supera os de covid-19 no Portal da Transparência do Registro Civil  é o relacionado aos "demais óbitos", categoria que reúne diversos tipos de mortes e, portanto, não pode ser contabilizado como uma causa única. Nessa categoria, foram 2.247 mortes registradas pelo Portal - número que quase se equipara ao total de mortes confirmadas por covid-19 pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte até o momento.

Apesar do RN figurar entre os Estados que apresentam redução no número de casos de infecção pelo novo coronavírus, as autoridades de saúde permanecem em alerta para o número diário de óbitos, que ainda é elevado. 

De acordo com o secretário Cipriano Maia, a redução se deve a um conjunto de fatores: a redução lenta, mas progressiva, do número de casos; aumento da oferta de leitos na rede do Sistema Único de Saúde (SUS) e medidas de enfrentamento da pandemia, que englobam obrigatoriedade de uso de máscara e distanciamento social. 

“Contudo, ainda temos um número de óbitos diários que exige a manutenção de todas as medidas de distanciamento e isolamento associadas às atitudes de proteção e prevenção individual por parte das pessoas", alertou Cipriano Maia.

*Sobremortalidade é o índice demográfico obtido pela relação entre o número de mortos de uma população e um determinado espaço de tempo.

Transferência gradual de leitos covid tem início
A redução progressiva no número de casos e óbitos provocados pela covid-19, aliada à baixa taxa de ocupação de leitos registrada ao longo das últimas duas semanas, fizeram com que a Sesap/RN desse início à transferência gradativa de leitos críticos destinados à covid-19 para outras patologias. De acordo com a pasta, o planejamento para a transição de leitos está sendo feito e acompanhado por região de saúde e, por hora, ainda não há lugares previstos para mudança na finalidade dos leitos além dos que já foram anunciados.

Magnus Nascimento
Cipriano Maia, titular da Sesap/RN, analisa números das mortes provocadas pela covid-19 no RN

Cipriano Maia, titular da Sesap/RN, analisa números das mortes provocadas pela covid-19 no RN



Até o momento, os hospitais Tarcísio Maia e Rafael Fernandes, em Mossoró, passaram pelas mudanças. O Hospital Tarcísio Maia possuía 20 leitos para covid, que vinham apresentando uma taxa de ocupação inferior a 50%, de acordo com a Secretaria. Por outro lado, foi identificada a necessidade de ampliar a quantidade de leitos disponíveis para traumas e outras patologias. 

A unidade dispunha apenas de 9 leitos de UTI para atender a essas questões. Dessa forma, a UTI com os 9 leitos que antes estava destinada à trauma passará a funcionar para covid, enquanto a UTI inicialmente destinada à Covid, com 20 leitos, passará a atender os outros tipos de enfermidades. 

No Hospital Rafael Fernandes, acontece o mesmo: há 18 leitos clínicos para covid, com média de ocupação de 4 a 5 pacientes por dia. Do total disponível, oito serão destinados a outras patologias, e os demais continuarão atendendo os casos de covid.

O Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel, em Natal, que não constava inicialmente entre as unidades hospitalares específicas para o atendimento de covid-19 no Estado, também fechou os 10 leitos que haviam sido reservados para pacientes com a doença nessa unidade hospitalar. O maior hospital de trauma do RN deu alta ao último paciente internado no local na última terça-feira, 18. 

Segundo a direção do complexo de atendimento à saúde, o fechamento da UTI, criada para evitar o contágio dos demais pacientes que chegassem à unidade em busca de assistência de trauma, não é definitivo, e ela pode ser reaberta caso o hospital veja que o número de casos voltou a crescer.

Dados da plataforma Regula RN, que dispõe dos números oficiais sobre as taxas de ocupação de leitos críticos e clínico, o RN possuía, até esta quinta-feira, 135 leitos críticos ocupados na rede pública de saúde por pacientes com covid-19. Isso representa 42,45% do total de leitos críticos disponíveis para a doença no Estado. Já em relação aos leitos clínicos, dos 356 disponíveis, 116 encontravam-se ocupados, o que representava 32,58% do total. 

Seridó e Vale do Açu têm maior incidência 
Os registros de infecção pelo novo coronavírus e de óbitos pela covid-19 no Rio Grande do Norte seguem em tendência de queda. Porém, a área de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) ressaltou, durante a coletiva de imprensa desta quinta-feira, 20, que os dados apontam para uma diminuição recente na velocidade de queda, em comparação com as semanas anteriores.

A subcoordenadora de vigilância epidemiológica da Sesap, Alessandra Lucchesi, explica que a condição se dá por alguns municípios permanecerem com elevada incidência de casos. “Verificamos aumento de incidência em alguns municípios de todas as regiões, mas a situação é mais preocupante no Seridó e Vale do Açu, onde também é alta a incidência de mortes", disse Lucchesi.

Para seguir acompanhando os dados da pandemia com o máximo de precisão, auxiliando na melhoria da assistência aos potiguares, o Governo do RN e a Sesap estão reforçando as parcerias com os municípios, incluindo uma ampliação da testagem RT/PCR para toda a população sintomática. “Não há falta de exames, mas é preciso que o atendimento médico solicite a testagem pelo RT/PCR, que é o exame padrão-ouro e permite tomar medidas de isolamento e rastreamento ainda na fase de transmissão para o controle efetivo da pandemia no Estado", completou a subcoordenadora.

Além do estoque de RT/PCR disponível, a Sesap adquiriu recentemente mais 150 mil exames sorológicos que vão reforçar a testagem dos trabalhadores de diversas áreas que estão retomando o serviço presencial.









Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte