CPI identifica principais contas de disparo irregular de WhatsApp nas eleições

Publicação: 2020-01-16 11:35:00
A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Fake News, que envolve a câmara e o senado, identificou uma lista com as linhas telefônicas de WhatsApp responsáveis por fazer a maior quantidade de envio de mensagens em massa no período da campanha eleitoral de 2018. Os parlamentares chegaram a esses dados, a partir de documentos que o WhatsApp destinou à comissão em novembro do ano passado.

Créditos: Álvaro IbáñezDesde o ano passado o WhatsApp foi bloqueado três vezes pela justiça, por não dar informaçõesDesde o ano passado o WhatsApp foi bloqueado três vezes pela justiça, por não dar informações

saiba mais

55 mil contas no aplicativo tinham atividades consideradas anormais, com o indicativo de serem operados por robôs, para a empresa e foram banidas. Dentre estas, 24 respondem pela maior parte das mensagens disparadas em massa, de acordo com um documento obtido pela reportagem do portal UOL. Nas eleições de 2018, o WhatsApp disse ter banido 400 mil contas.

Essas 24 linhas que estavam cadastradas na rede social possuem números dos Estados Unidos, Vietnã, Inglaterra e Brasil. Mesmo que as origens sejam diversas, o endereço virtual dos aparelhos apontam que todas as mensagens foram disparadas em massa do Brasil.

Como foi averiguado, São Paulo e Manaus seriam as cidades de onde 16 contas com linhas estrangeiras seriam operadas. Outras duas não foram confirmadas as localizações. O restante de números do Brasil (6) tem códigos de DDD de São Paulo, Santos (SP), Belo Horizonte, Florianópolis, Maceió e Caldas Novas (GO).

Os responsáveis por essas contas podem ser intimados pelos senadores e deputados federais que participam da CPI das Fake News para prestar esclarecimentos.