Crítica ao aumento

Publicação: 2019-07-18 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O deputado estadual Kelps Lima (SDD) criticou a forma como o governo tem conduzido a Central de Abastecimento (Ceasa). Ele fez um pronunciamento no qual comentou os motivos da manifestação que impediu, ontem, as atividades no local. Os permissionários protestaram contra o reajuste na taxa de condomínio. “A Ceasa, infelizmente, continua sendo um berçário para indicação politiqueira”, apontou Kelps, ressaltando o reajuste de 140% e sugerinto a revisão. As críticas do deputado se estenderam ao decreto que unificou as contas do Governo. “Em breve teremos aumento em todos os órgãos com arrecadação”, disse o deputado. O líder da bancada de situação, deputado George Soares (PR), informou que o governo decidiu revogar o reajuste deste mês sobre o valor do condomínio na Ceasa. E acrescentou que haverá uma discussão com a associação dos comerciantes sobre o assunto.

Lei sancionada - O deputado federal Walter Alves (MBD) participou, ontem, na Palácio Felipe Camarão, da solenidade de sanção da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa. A lei foi sancionada pelo prefeito Álvaro Dias (MDB) e tem como objetivo reduzir a informalidade para gerar novas oportunidades de negócios.

'Deixem trabalhar'
O superintendente do Sebrae-RN, Zeca Melo, fez uma enfática defesa da melhoria do ambiente de negócios, ao discursar durante a solenidade de sanção da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa do município de Natal. Ele apontou que, muitas vezes, os pequenos empreendedores — que deveriam ser reconhecidos e incentivados — precisam enfrentar uma situação hostil. “Deixem que as pessoas trabalhem”, afirmou Zeca Melo. Ele lamentou que órgãos de fiscalização tratem microempresários com desconfiança e imposição de constrangimentos. 

Dificuldades na saúde
O deputado estadual Tomba Farias (PSDB) afirmou, no plenário da Assembleia, que o governo do Rio Grande do Norte pretende fechar o hospital regional de Canguaretama, segundo informações que foram a ele repassadas através de moradores do município. Para o parlamentar, o cenário da saúde do estado é caótico. “Primeiro foi a tentativa de fechar o hospital  Ruy Pereira, depois foi a ameaça de sustar o repasse do hospital infantil Varela Santiago. Agora é o hospital de Canguaretama que enfrenta a possibilidade de fechamento. Concordo com os deputados Vivaldo Costa e Kelps Lima quando cobram providências sobre a questão dos suicídios na ponte Newton Navarro. No entanto, eu digo que a situação da saúde pública do nosso estado está parecendo o suicídio da população”, destacou.

Estados na reforma
O ministro da Economia, Paulo Guedes, elogiou a possibilidade de que o Senado discuta e vote uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) separada para incluir Estados e municípios na legislação da nova Previdência. Isso evitaria que a reforma tenha que voltar para a Câmara dos Deputados, alongando o tempo de tramitação. Paulo Guedes afirmou que a inclusão de Estados e municípios geraria economia de R$ 350 bilhões. "Nós estamos falando do Brasil, não é só da União. Se voltam R$ 350 bilhões via Senado, isso é bom para o Brasil, porque Estados e municípios também participam desse ajuste que o sistema previdenciário precisa. Temos que esperar e eu confio no Congresso", disse em entrevista à imprensa. Guedes completou: "Agora vai entrar em campo o Senado, que tem a possibilidade não apenas de ratificar esta vitória, como também de estender e dar uma nova dimensão, que poderia ser Estados e municípios".

200  dias
O presidente Jair Bolsonaro comemora hoje, no Palácio do Planalto, 200 dias do seu governo. A expectativa é que ele aprovietar para anunciar a liberação do saque de até 35% dos recursos das contas ativas (dos contratos de trabalho atuais) do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

75 audiências 
No primeiro semestre, a Assembleia Legislativa, por intermédio do Núcleo de Estudos e Debates, realizou 75 audiências públicas. Foi um recorde. Em 2015, ano em que a AL havia realizado o maior número de audiências públicas, foram: 56. Esse número já foi ultrapassado só no primeiro semestre de 2019.



continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários