Crea recomenda reparos em nove barragens do Rio Grande do Norte

Publicação: 2019-05-14 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Após visitar dez barragens do Rio Grande do Norte, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA) divulgou o relatório final na noite desta segunda-feira (13), em evento para o qual foram convidadas entidades do Governo e instituições de ensino e pesquisa para falar sobre a situação das barragens do Estado. De acordo com o relatório, com exceção do açude Marechal Dutra, o “Gargalheiras”, em Acari, que recebeu manutenção recente, todas as outras barragens visitadas carecem de serviços de recuperação da estrutura.

Totalmente seco, o açude Marechal Dutra, em Acari, foi um dos visitados, mas passou por reparo recente em sua estrutura
Totalmente seco, o açude Marechal Dutra, em Acari, foi um dos visitados, mas passou por reparo recente em sua estrutura

A barragem de Passagem das Traíras, localizada entre os municípios de São José do Seridó, Jardim do Seridó e Caicó, tem capacidade pra 49,7 milhões de metros cúbicos, é uma das mais importantes da região, e está com apenas 1,95% de seu volume preenchido, de acordo com o monitoramento feito pela Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Searh).

“Lá podemos ver a vegetação nascendo em parte dos muros e fissuras. Ela é a que apresenta um quadro mais grave diante das barragens visitadas, mas todas apresentaram problemas na inspeção visual”, afirma Luiz Carlos Magalhães, ouvidor do CREA. “Nós temos grandes barragens que precisam de manutenção. Os órgãos precisam ser chamados atenção para olhar para o todo”, completa.

Os técnicos e engenheiros do Conselho tomaram como critério para as visitas o Relatório de Segurança de Barragens de 2017, elaborado pela Agência Nacional de Águas (ANA). A ANA solicitou aos órgãos fiscalizadores de barragens que listassem aquelas que apresentavam os problemas mais preocupantes, e que pudessem afetar a segurança das estruturas, e foram essas as escolhidas para a visita, na qual foi feita uma inspeção visual.

“O que a gente conclui, após essas visitas, é a mesma coisa que concluímos sobre a maior parte das obras não apenas do RN, mas do Brasil: a gente sai construindo, mas não mantem”, afirma Ana Adalgisa, diretora do CREA. “Nós só temos como falar sobre a urgência dessa manutenção com um estudo mais aprofundado, porque a nossa inspeção foi exclusivamente visual. Mas o que foi apurado é que a situação para Passagem das Traíras, por exemplo, é crítica”, completa a diretora.

A barragem de Passagem das Traíras precisa de, ao menos, R$ 30 milhões em recursos para que sejam iniciadas as intervenções estruturais. A Searh está no processo de solicitar os recursos ao Ministério do Desenvolvimento Regional e à Defesa Civil Nacional.

O ano de 2019 vem se apresentando o início da recuperação dos reservatórios do Rio Grande do Norte, muitos dos quais estiveram secos ao longo dos últimos seis anos, graças à seca. Para os engenheiros, o momento atual, no qual os reservatórios ainda não se recuperaram em sua totalidade, é o ideal para captar os recursos necessários e executar as obras relativas à sua conservação.

“O inverno desse ano está melhor do que o ano passado. É o momento de começar os estudos, captar os recursos, porque uma obra de manutenção não acontece em um piscar de olhos. É tempo de elaboração de projetos, licitação de obras. Então é a hora se organizar para ter um plano de manutenção estruturado, preparar o terreno para um cenário no qual a perspectiva de chuva seja maior”, afirma Ana Adalgisa.

Barragens que foram visitadas pelo CREA
Barragem Marechal Dutra (Gargalheiras)

Barbosa de Baixo

Riacho do Meio

Calabouço

Itans

Oiticica (em construção)

Armando Ribeiro Gonçalves

Mineração Bodó (barragem de rejeitos)

MHAG Mineração (barragem de rejeitos)







continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários