Criatividade na moda para combater rumos incertos

Publicação: 2019-09-17 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Marcio Delgado
Especial de Londres

A semana de moda de Londres, trazendo o que vai estar nas ruas e no guarda-roupa feminino na primavera/verão de 2020, encerra mais uma edição nesta terça-feira (17) com um saldo positivo e o clima de incerteza que assola o país a pouco mais de um mês da data limite para o Reino Unido sair da União Européia. Na dúvida se o famoso Brexit vai mesmo ser oficializado no dia 31 de outubro, profissionais da área da moda britânica, que em sua maioria votaram em 2016 a favor da permanência do país como membro da EU, agora apostam na criatividade para enfrentar a manobra política que poderá vir a afetar o setor consideravelmente.

Estilistas apostam na criatividade para enfrentar a manobra política que deverá afetar o setor
Estilistas apostam na criatividade para enfrentar a manobra política que deverá afetar o setor

“Esta edição da semana de moda coincide com um momento difícil na política. Mas deixando a política de lado e a possibilidade de sairmos da União Européia sem um acordo, nós sabemos que os designers londrinos são fantásticos. E em tempos de adversidade, a criatividade fica ainda mais forte” – acredita Caroline Rush, presidente do Conselho de Moda Britânico.

Durante a abertura do evento, na sexta-feira 13, Caroline, lembrou que eventos como a semana de moda de Londres servem para mostrar novas coleções à compradores e a imprensa internacionais e que o foco é mostrar também que Londres está aberta ao comércio internacional, independentemente do Brexit.

“A imagem não é a de que a indústria da moda esteja fechada. O poder da moda e cultura é mostrar que continuamos abertos enquanto país. São indústrias como a da moda que podem mostrar que somos grandes colaboradores e precisamos deixar claro que queremos continuar a trabalhar e negociar com outras nações.” – defende a profissional que está a frente do conselho há 10 anos.

Otimismo, no entanto, talvez não ajude muito caso o Reino Unido realmente venha a deixar a União Europeia já que, segundo pesquisa da Associação Britânica de Moda e Têxteis realizada em 2018 e divulgada no início de setembro, se o país adotar as normas da Organização Mundial do Comércio (OMC), isso irá custar à indústria da moda entre 850 e 900 milhões de libras.

Sentar na primeira fila
Pela primeira vez em sua história de mais de 30 anos, a semana de moda de Londres ofereceu a oportunidade para que qualquer pessoa, independente do seu setor de atuação, pudesse ver de perto alguns dos desfiles da temporada primavera/verão 2020.

House of Holland e Alexa Chung estiveram entre as grifes que desfilaram nos dias 14 e 15 de setembro como parte de uma nova série, aberta ao público, e com ingressos a partir de £135 (aproximadamente R$ 650 Reais).

Os cobiçados assentos da primeira fila, quase dentro da passarela, também foram disponibilizados para a venda, possibilitando meros mortais a ver os desfiles em posições de destaque geralmente reservadas apenas à celebridades ou editores de conceituadas revistas de moda. Porém, quem quis ter o mesmo privilégio de Anna Wintour, a britânica que está a frente da revista Vogue desde os anos 80 e que inspirou o filme ‘O diabo veste Prada’, teve que gastar um pouquinho mais: ingressos para a primeira fila foram vendidos a £245 (R$ 1.200,00) para cada show.





continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários